A importância do Empreendedorismo para Economia

Muito se fala em capital humano nas empresas, porém, nem sempre se analisa a real importância que o indivíduo possui nas organizações de trabalho, dentro deste contexto será visto a importância de ser empreendedor e suas necessidades e vocações São as pessoas a fonte criadora e o elemento crítico no processo de construção e crescimento organizacional empreendedor. Diante desses fatos, é importante ressaltar que existem dificuldades à valorização do trabalho exercido empreendedor. Da mesma forma, são visíveis as desigualdades de gênero nos aspectos no comportamento empreendedor. Esse fato ocorre, devido à cultura bastante engessada, em diferentes aspectos no qual o empreendedor geralmente ainda ser masculino. Visão essa embasada num contexto histórico, na qual as mulheres são submissas à vontade do homem. Devido à transformação acarretada pelo processo da globalização, a mulher reivindica igualdade e valorização da identidade feminina no mercado de trabalho com também empreendedoras.Por este motivo se estabelece a problemática deste trabalho a partir do questionamento: de que forma os empreendedores buscam o melhor segmento e o crescimento para seus negócios? Com isso, surge o questionamento a respeito dos desafios de ser um empreendedor no Brasil.

1.Breve História Sobre Empreendedorismo

O novo milênio já começou. A "Era do Conhecimento", como muitos a chamam, proporciona acesso a um número de informações muito maior do que podemos absorver, e, ao mesmo tempo, nunca se teve tanta incerteza quanto ao futuro profissional. Os jovens perguntam-se se devem seguir as carreiras tradicionais ou entrar na corrida da indústria da informação, abrindo seu próprio negócio.
Muitos questionam se vale a pena continuar estudando. Funcionários não sabem se terão suas vagas no dia seguinte. Se perderem, sabem que será muito dificil conseguir outra vaga no mercado de trabalho, principalmente se estão além da meia-idade. A maioria das pessoas empregadas está insatisfeita com seu trabalho, salário e rumo de suas carreiras.
O emprego-padrão de hoje, com vínculo salarial, patrão e horário rígido, já é coisa do passado. As vagas de emprego nas empresas estão cada vez mais escassas, devido às crises financeiras e à crescente apropriação das vagas dos trabalhadores por máquinas ou modernos programas de computador. Com tão poucas oportunidades, o emprego assalariado está em extinção no Brasil. É a era do emprego por conta própria

1.1 A Economia Informal

A pequena empresa, representando 98% dos estabelecimentos produtivos, geram cerca de 20% do PIB e respondem por 60% da oferta de empregos no país (Sebrae, 2015). Redução relativa do número de empregos formais na formação da população economicamente ativa. e a crise econômica que diminui o volume de investimentos no setor produtivo acarretando em menor geração de postos de trabalho, faz da abertura de um pequeno negócio a única saída para milhares de trabalhadores. Segundo dados do IBGE, 25,5% da população economicamente ativa dos grandes centros urbanos brasileiros é constituída de trabalhadores do tipo "por conta própria" e que em sua grande maioria estão na informalidade.
Algumas previsões feitas por especialistas em relações de trabalho, indicam que o número de trabalhadores por conta própria deverá situar-se ao redor de 50% no próximos anos. Desta forma, pode-se se afirmar que em um mundo que gera cada vez menos empregos, é preciso cada vez mais pessoas em condições de assumirem o papel de empreendedores O tamanho do setor informal no Brasil varia de 8% a 50% do PIB, de acordo com quem faz a medição, mas o certo é que os trabalhadores sem registro em carteira compõem uma fatia cada vez mais significativa das riquezas nacionais, com sua importância crescendo à medida que o desemprego avança Na teoria, o Produto Interno Bruto (PIB) é a medida de todas as riquezas geradas num país ao longo de um ano.

1.2 Empreender No Brasil: Necessidade Ou Criatividade

Não se deveria gastar tempo nem dinheiro com discussões sobre o fim dos empregos, e sim com a formação de empreendedores, pessoas capazes de criar seus próprios empregos. O empreendedor enfrenta o desafio de ser o próprio criador de seu posto de trabalho, sendo a resposta ao emprego para toda a vida.
Um dos principais motores da sociedade moderna é o empreendedor. É ele que, por meio de seus negócios, gera riqueza e bem-estar. É ele que gera empregos.


1.3 Brasil: Um Gigante Sustentado por Micros e Pequenos

A força dos pequenos negócios move a economia brasileira. No Brasil dos números e estatísticas, as MPEs geram 13,6 milhões de empregos, representam 98,9% dos estabelecimentos formais e respondem por 99,8% das firmas que nascem a cada ano. No Brasil real, essas empresas são sinônimo de distribuição de renda e de reinserção dos excluídos do mercado de trabalho, na atividade econômica e no convívio social"Todas as empresas contribuem para o desenvolvimento do país, as grandes e as pequenas.
A importância das pequenas está em seu papel distribuidor de renda, particularmente as microempresas, que podem ser individuais e familiares", avalia o economista e secretário de Economia Solidária do Ministério do Trabalho, Paul Singer. Felizmente, a importância das micro e pequenas empresas vem sendo reconhecida, mesmo que aos poucos, pela sociedade e pelo governo, principalmente pela sua capacidade de gerar emprego e renda com baixo investimento.

 

As opiniões veiculadas nos artigos de colunistas e membros não refletem necessariamente a opinião do Administradores.com.br.

Avalie este artigo:
(1)