A preguiça Educacional

Ser ou procurar melhorar tem a ver com empenhar-se mais que os demais, é não permitir ser contaminado pela doença da preguiça, portanto, será que estamos vacinados contra essa doença?

A preguiça Educacional
Todo ser humano nasce ou desenvolve habilidades ao LONGO do tempo e são bem diferentes de outras pessoas, ou seja, ninguém nasce igual. A lei da meritocracia está aí para provar isso. .
O papel do gestor, líder, professor ou coordenador é sempre identificar as habilidades dos seus liderados e extrair o melhor de cada um, porém isso não é muito fácil de fazer, pois para muitos destes à preguiça educacional por conhecimento prevalece. Negligenciar a busca por conhecimento é enganar a si mesmo, é como aquela pessoa que lava roupa com água suja, para ela o importante é lavar a roupa mesmo que não seja higiênico. E qual o resultado de tudo disso? O fracasso da equipe. .
Não é pecado pensar diferente ou agir de outras maneiras, mas aplicar sempre as mesmas ideias, dar sempre o mesmo sermão, tocar sempre a mesma música só porque deu certo no passado não significa que o resultado será igual novamente.
Ser ou procurar melhorar tem a ver com empenhar-se mais que os demais, o fato é que tais esforços não são expostos e, por este motivo, é comum pensar que ter sucesso é meramente questão de sorte. Porém, ter sucesso é saber exatamente onde se deseja chegar, é saber detalhadamente o caminho a ser traçado, é ter convicção de que obstáculos aparecerão e, principalmente, estar preparado para se desafiar, se questionar, se empenhar, se superar e realizar, o que para muitos, sempre será impossível. O fundador da fábrica Ford Motor Henry Ford já dizia, “há mais pessoas que desistem do que pessoas que fracassam”.
Portanto não seja estúpido e jamais permita ser vacinado pela preguiça educacional, procurar ser melhor hoje do que você foi ontem, te dará mais apetite de se superar amanhã. .

Flavio Trentin

As opiniões veiculadas nos artigos de colunistas e membros não refletem necessariamente a opinião do Administradores.com.br.
Avalie este artigo:
(1)