Aprender mais — Como aprender uma nova habilidade

Aprender já não é um privilégio de poucos. Descubra um método infalível com 4 simples passos, que vão te ensinar a como aprender uma nova habilidade em apenas 20 horas.

“Afinal, o mundo é muito grande para pararmos de aprender” — Autor desconhecido


Eu sempre quis ter um site.

 

Mas, assim como um completo leigo em web design, programação e infinitas outras habilidades necessárias para ser ter uma página online, eu nem sabia por onde começar.

 

Cada vez que eu navegava na internet me maravilha com lindas páginas, simples, dinâmicas e eficientes. E, quanto mais contemplava infinitos templates, mais me desesperava e achava impossível aprender isso.

 

E tenho certeza que, assim como eu, você também já sentiu essa incapacidade.

 

Foi ai que eu pensei:

 

“Pow, alguém já deve ter percebido como é difícil aprender uma coisa nova. E, consequentemente, alguém já deve ter encontrado uma resposta para isso.”

 

E como um rápida pesquisa encontrei um livro que ilumino meus olhos:

 

The First 20 Hours: How to Learn Anything … Fast
(As Primeiras 20 horas: Como aprender qualquer coisa…rápido)

Pareceu até milagre!

 

Mas não era.

 

Josh Kaufman, autor best-seller, foi a fundo nesse tópico e criou um método de 4 simples passos para se aprender uma nova habilidade, os quais utilizei para a criação do OnFloow, e pretendo detalhar nesse artigo.

 

Porém, antes de começarmos, é importante deixar claro uma sutil diferença muitas vezes ignorada por nós:


Talento x Habilidade.


A diferença é tão sutil, que para muitos autores ela nem existe. Porque, entendesse como talento um potencial individual para lidar ou trabalhar com uma tarefa inerente a própria natureza. Logo, algo que não se aprende, se ganha. Um dom.

 

E habilidade é entendida como um potencial aprendido, trabalhado e cada vez mais aperfeiçoado.

 

Assim, para esses autores, não existe um potencial o qual não pode ser aprendido. E quando se diz que uma pessoa tem “um dom”, entendesse que em algum momento da vida, essa pessoa teve que se esforçar de alguma maneira para adquirir tal aptidão. Neste caso, talento é igual a habilidade.

 

Porém, o conceito mais aceitável é que habilidade aprendida é considerada uma demonstração de um talento.

 

Tomemos Neymar como exemplo.

 

Muitos dizem que sua capacidade para jogar bola é um talento, ou seja, um potencial individual da sua própria natureza. Mas, e se sua aptidão para com a bola seja uma habilidade adquirida através de muito esforço e treino, e que sua paixão, determinação e seu foco para aperfeiçoar tal habilidade seja seu talento, seu dom?

 

Logo, com essa visão pode entender que toda habilidade pode ser aprendida e aperfeiçoada por qualquer pessoa, sendo seu grau de excelência dependente unicamente do esforço próprio empregado.

 

Mas, tenho certeza que assim como eu, quando você leu “20 horas” no título do livro você não acreditou.

 

Afinal, e a regra das 10.000 horas?


A “regra mágica” a qual diz basicamente que é necessário aplicar 10.000 horas de prática em alguma atividade para se aprender uma habilidade.

 

Quer diz que, se você passar 5 dias por semana, trabalhando 8 horas diárias, 25 dias por mês, e 10 meses por ano, você consegue aprender alguma coisa nova, ou seja, uma habilidade nova por ano.

 

O que para mim, não tem nada de mágica.

 

Afinal, quem tem um ano inteiro disponível para aprender uma única habilidade?

 

Foi pensando nisso que Josh foi atrás da verdadeira resposta para se aprender algo, e descobriu que a lei das 10.000 horas é para se alcançar a excelência em uma atividade. Ser o “top dos tops.”

 

Mas, o que as pessoas realmente querem, generalizando, é aprender algo para ter como hobby, trabalhar ou simplesmente para resolver um problema específico.

 

E para isso, o que realmente importa é ter as capacidades necessárias para resolver seus problemas. Ser bom na sua nova habilidade independente do tempo. Porque uma vez que você alcança um nível de alto aperfeiçoamento, conhecido como platô, o progresso de aprendizagem torna-se cada vez mais fácil, porém sua percepção de evolução torna-se relativamente menos palpável.

 

Desse modo, quando se começa a aprender algo novo é natural que você tenha que se esforçar muito no começo para que o aprendizado seja realmente eficiente. Por outro lado, sua assimilação de conhecimento é muito mais intensa.

 

E Josh sabia de tudo isso quando definiu seu método de aprendizagem. Ele sabia que no começo das atividades as pessoas estão animadas e dispostas a se esforçar, porque a evolução é visível. E cada vez que o nível se aproxima mais do platô, a percepção de evolução torna-se praticamente imperceptível logo, a disposição diminui.

 

Por isso que infinitas pessoas nunca terminaram seus cursos de inglês.

 

Assim, para começarmos a aprender uma nova habilidade é muito importante termos em mente o que queremos aprender, até qual ponto devemos seguir, quais problemas queremos resolver e o que é necessário para que coloquemos tudo isso em prática.

 

Josh chamou todo esse processo como Desconstruindo a habilidade e deixou claro a importância de conhecermos as sub-aptidões que teremos que aprender.

 

E se você não sabe exatamente os objetivos que deseja alcançar, mas gostaria de começar a desenvolver habilidades que lhe ajudarão futuramente, recomendo dar uma olhada nesse artigo que escrevi. Há muitas coisas que podem ser aprendidas com reflexões internas.

 

Desconstruindo a habilidade


Dessa forma, para ilustrar o primeiro passo do método de Josh, tomemos a criação do OnFloow como exemplo.

 

Meu principal objetivo era ter uma página online a qual eu conseguisse publicar arquivos e discutir sobre diversos assuntos. E para isso, estava ciente que, como ferramentas básicas, eu teria que ter um computador e acesso à internet (futuramente descobri que essa última opção não era tão fundamental assim, estranho né!?)

 

Logo após, descobri que existiam vários caminhos disponíveis:

 

Poderia aprender linguagens de programação como HTML, Java, php entre diversos outros. E poderia aprender sistema de gerenciamento de conteúdo, como Wordpress, Drupal, Joomla, TextPattern, Radiant…

 

Para o meu objetivo, Wordpress mostrou-se muito mais do que eu necessitava. Era fácil, rápido e, principalmente, era popular, ou seja, havia diversas fontes de ensino disponíveis.

 

Futuramente, descobri que ter uma página online não bastava para que eu conseguisse um público com o qual eu pudesse compartilhar ideias e assunto. Também teria que trabalhar em outras habilidades como marketing, design e gerenciamento de tráfego.

 

E todo esse processo se desenvolvia através de pesquisas em diversas fontes. E Para isso, não havia escapatória.

 

Josh percebeu que hoje em dia é basicamente possível aprender sobre qualquer assunto devido a infinitas fontes presentes na internet. E, assim como fator positivo, isso também servia como barreiras de aprendizagem, overdoses de informações eram comuns.

 

Para contornar esse problema ele definiu como segundo passo no seu processo a Aprendizagem de cada sub-habilidade.

Aprender Sobre cada Sub-Habilidade


Nesta segunda etapa é muito importante definir quais assuntos são mais importantes para a construção da sua habilidade, e focar seu aprendizado em no máximo três diferentes fontes, podendo ser livros, cursos, pesquisas, aulas etc.

 

No meu caso, por exemplo, foquei meu aprendizado dentro da plataforma do Wordpress. Minhas pesquisas variavam entre quais fatores devem ser observados para a escolha de um tema, plugins e suas infinitas funcionalidades, como alterar pequenos códigos, resolver problemas técnicos e diversos outros.

 

Além disso, também era importante focar na aparência que meu blog teria, suas funcionalidades, paleta de cores, desenvolvimento do slogan, escolha de domínio, hospedagem, tráfego e infinitos outros fatores.

 

E, é nessa parte do processo que você toma conhecimento do que realmente lhe será útil e consegue evitar overdoses de informações. Você também desenvolve a habilidade suficiente para resolver pequenos problemas e se autocorrigir durante o percurso.

 

Para Josh, ter essas capacidades são uns dos fatores mais importantes no processo de aprendizagem, porque você simplesmente torna o desenvolvimento mais eficiente e evita a procrastinação — onde você se iludi que está se esforçando enquanto que, na verdade, apenas se engana com conhecimentos que não lhe serão úteis.

 

Desse modo, a procrastinação se torna uma barreira para seu aprendizado. E por essa razão, o terceiro passo do método foi definido como Remoção de barreiras.

 


Um local de estudo é um dos primeiros passos para a construção de um hábito.

Remoção de barreiras


Na primeira parte do processo você definiu as ferramentas necessários para seu aprendizado. E, é nessa etapa que você retira tudo aquilo que pode atrapalhar sua atenção.

 

Básica, é fundamental que você tenha um local de estudo sem nenhum tipo de distração como televisão, celular ou pessoas.

 

Definindo seu ambiente você começa a construir o habito de aprender até um ponto em que você entra em estado de flow, ou seja, um estado de completo foco em uma atividade onde nem se percebe cansaço ou a passagem do tempo.

 

No meu caso, por exemplo, retirei 1 hora diária durante um mês para focar na construção da minha página. Defini um local de estudo onde não havia distrações, e me certificava que tudo o que eu poderia precisar estava ao meu alcance.

 

Dessa forma, consegui criar um hábito de estudo e prática, e definir quais questões eram mais essenciais para meu objetivo. Assim, me envolvia tanto com os assuntos abordados, que nem percebia a passagem do tempo, acabando que o período definido sempre se estendia a 3 ou 4 horas.

 

Finalmente, depois de desconstruir sua atividade, aprender sobre a cada sub-habilidades e remover possíveis barreias, chegou a hora de praticar.



Sim, o último passo para o método é praticar durante 20 horas.
Como você já definiu como será sua rotina, os pontos importantes que deve focar e quais ferramentas você precisará, você pode determinar seu tempo de estudo da forma que lhe for mais conveniente.

 

E, se assim como eu, você se entregar ao processo, não fique focado em aprender tudo o que precisa em 20 horas, talvez seja necessário um tempo a mais ou a menos. Fato é, com 20 horas de práticas totalmente focado você consegue partir do zero a um nível “bom” de conhecimento — seja lá o que seja “bom” para você.

 

É importante lembrar também, que em alguma parte do percurso você encontrará barreiras que vão te desanimar. Uma vez que todo processo de aprendizagem é uma expansão da sua zona de conforto é natural que o desconhecido seja amedrontador.

 

Acontece diversas vezes comigo, onde evito avançar mais no conhecimento com medo de encontrar fatos que possam me decepcionar ou deixar claro conceitos que não me agradam.

 

E para contornar esse problema, focava em dividir minhas tarefas em pequenas partes conhecidas e avança aos poucos para o que estava evitando.

 

Por exemplo, enquanto desenvolvia o OnFloow, tive problemas com os códigos php da página, e toda pesquisa me levava a fontes cheias de termos técnicos que eu não conhecia. Quando encontrei esse problema desanimei e deixei o projeto de lado por dois dias.

 

Foi nessa parte do processo que aprendi que não era necessário adquirir um domínio e ter custos no início. Eu poderia criar toda minha página em um servidor local, e testar infinitas ferramentas para resolver meu problema sem medo de futuros erros.

 

Assim, no terceiro dia, tive a ideia de criar uma página totalmente diferente, e enquanto comecei sua construção, encontrei um modo de resolver o bug por meio de um plugin. Logo, a animação retornou ao seu auge.

 

Por fim, você pode estar se perguntando: “Mas por que eu simplesmente não faço um curso? É bem mais fácil, se eu quero aprender a tocar violão, vou fazer um curso de violão, obvio!”

 

Sim, eu também pensava assim, tanto é que já fiz infinitos cursos sobre os mais diversos assuntos. Porém, quando percebi que estava sendo guiado pelas diretrizes de outras pessoas, e muitas vezes tinha que aprender diversas coisas para resolver um simples problema, percebi que apenas cursar sobre um específico assunto não era suficiente.

 

Por essa razão, comecei a utilizar o método de Josh como critério e usava os cursos apenas como fontes de pesquisa (segunda etapa do método). Dessa forma, não me limitava exclusivamente a um visão do assunto e conseguia definir o que me era útil e o que servia simplesmente como procrastinação.

 

Resumindo, fica provado que qualquer habilidade pode ser aprendida por todos nós. Se você quer aprender a cozinhar, jogar bola, programar, tocar violão, ou até mesmo a escrever artigos para blogs, basta definir sua habilidade, destruí-la em pequenas sub-aptidões, ter um local de estudo e praticar.

 

Desse forma, você consegue dar maiores razões para todos seus talentos naturais. Afinal, o que nos impede de aprender qualquer coisa não é falta de recursos ou tempo. São barreiras emocionais que nos impossibilitam de conhecer novos mundos simplesmente por medo do desconhecido.

 

Por fim, muito do que foi dito aqui é relato de uma experiência própria e fontes de pesquisas. Neste vídeo, por exemplo, o autor introduz o conceito o método de Josh e aborda outras técnicas muito úteis para otimizar o aprendizado.

 

https://www.youtube.com/watch?v=0eItWeZFVHo

 

Já neste outro, Josh Kaufman detalha seu método, e também da exemplo de uma habilidade que ele aprendeu seguindo seus princípios.

 

https://www.youtube.com/watch?v=5MgBikgcWnY&t=1s

 

E se você chegou até aqui, espero que assim como eu você se torne um amante da prática de aprender e faça disso um hábito. Um vício. Afinal, o mundo é muito grande para pararmos de aprender.

 

Não deixe também de dar uma olha em outros artigos do OnFloow.com, esse é o primeiro de muitos.

Muito obrigado!


onfloow.com - Viva no Floow!

As opiniões veiculadas nos artigos de colunistas e membros não refletem necessariamente a opinião do Administradores.com.br.

Avalie este artigo:
(0)
Tags: aprender dom habilidade neymar talento