Como a ciência de dados pode auxiliar na definição da estratégia da sua empresa?

Gigantes como a Amazon ou negócios inovadores, como Uber e Netflix, são alguns cases que mostram do que essa combinação é capaz.

 

Duas palavrinhas podem mudar a forma como você enxerga a definição da estratégia na sua empresa: Business Intelligence – BI. Em português, o conceito de BI é traduzido como “Inteligência de Negócio” e consiste na possibilidade de acompanhar tudo o que ocorre no seu negócio e no mercado através da quantificação e qualificação de informações internas e externas. Em síntese, é o processo de transformar dados em informação e, em seguida, transformá-la em conhecimento. É uma espécie de painel de controle criado para nortear as ações tomadas por uma organização com informações exatas e objetivas de forma a promover inteligência para o negócio.

A falta de alinhamento dos processos de vendas, por exemplo, diante do comportamento do mercado, da equipe ou dos cenários como um todo, pode ter origem na falta de um devido acompanhamento, não se obtendo informações suficientes e efetivas para tirar um diagnóstico e planejamento mais assertivos. O BI pode criar indicadores, sendo possível executar melhorias no processo de vendas de forma mais ágil e fundamentada.

Para isso é preciso que este acompanhamento seja feito regularmente, pois quanto menor o intervalo entre o acesso e análise dos dados, maior será sua precisão. Antecipar fenômenos de mercado, estar ciente de orçamentos e necessidades dos clientes, fazer a melhor oferta, vender a melhor solução – tudo isso depende de estar bem informado e suprido de indicadores estratégicos.

Nos últimos anos, um número cada vez maior de empresas têm voltado o olhar para vários tipos de informações relacionadas a seu cotidiano (ambiente interno, concorrência, tendências, sociedade etc.), analisando grandes volumes de dados, em tempo hábil para conseguirem enxergar caminhos e novas associações, gerando vantagens competitivas e inúmeros resultados alcançados em tempo real.

Essa “chuva” de informações que o mundo está produzindo atualmente pode ser analisada de uma forma que possibilite alavancar as estratégicas da empresa. São dados não estruturados (sem qualquer análise), como por exemplo: posts de redes sociais, imagens, vídeos etc. que, quando refinados por algoritmos e softwares, dá-se o nome de Big Data. Solução tecnológica que, associada ao BI, tem gerado resultados fantásticos. Em adição, há também o processo de explorar grandes quantidades de dados à procura de padrões consistentes, ao que se dá o nome de Data Mining ou Mineração de dados.

Os três conceitos se interligam e a perspectiva é que, cada vez mais, as maiores empresas do mundo utilizem as análises geradas por esses tipos de tecnologias para ter uma visão mais analítica do seu negócio e, assim, poderem tomar as melhores decisões para o crescimento sustentado. Gigantes como a Amazon ou negócios inovadores, como Uber e Netflix, são alguns cases que mostram do que essa combinação é capaz.

O primeiro passo é buscar soluções inteligentes e personalizadas que serão capazes de se adaptar às necessidades da sua empresa. O segundo é se estruturar internamente, definir procedimentos e ter profissionais qualificados que garantam o correto uso e potencialização dessas ferramentas. Por fim, garantir que esses mecanismos de suporte às análises de dados se tornem um alicerce imprescindível para a estratégia e gestão de sua empresa. Realizar acompanhamentos periódicos quanto à efetividade das ferramentas e principalmente, quanto aos resultados gerados é fundamental para solidificar esse processo e obter os melhores retornos aos investimentos feitos.

Esses três passos básicos podem colocar sua empresa à frente quanto às tendências que passarão a ser pré-requisitos de assertividade para estratégias empresariais.

Avalie este artigo:
(1)
As opiniões veiculadas nos artigos de colunistas e membros não refletem necessariamente a opinião do Administradores.com.br.

Fique informado

Receba gratuitamente notícias sobre Administração