E-professores na era dos e-estudantes

Neste artigo escrevo sobre Educação

iStock

Os desafios da Educação sempre foram gigantescos em todas as épocas da História Humana, não somente pela magnitude da travessia entre os universos conhecidos e a conhecer, passando pelos complexos registros racionais e emocionais, mas, sobretudo, porque educar é colocar o xadrez da sociedade e seus valores ainda arcaicos em xeque.

Em uma sociedade como a atual, em que todos os membros da família se dedicam em tempo integral (integral mesmo) ao trabalho e às ansiedades de um mercado caótico, a missão educadora da família ficou comprometida e “delegada”, na íntegra, à escola. Como se fosse possível que a escola pudesse suprir aspectos interpessoais e vínculos emocionais das relações familiares e seu ambiente particular e único de ajustes de caráter, temperamento, personalidade e comportamento.

Não bastasse esta delegação excessiva e abusiva que espera do professor mais do que lhe cabe, a hiperinformação criou a ilusão aos e-estudantes de que sabem muito, o que não é verdade.

O acesso a um gigantesco volume de informação não constitui, por si, conhecimento, não substitui a vivência, experiência e todos os demais aspectos pedagógicos da vida, parte significativa introduzida, também, em ambiente escolar.

Tenho visto professores com pânico de alunos muito “bem informados”. Trata-se de um equívoco.

A imensa maioria das informações que os alunos dispõem advém de buscas em mecanismos de pesquisa como o Google, por exemplo, que embora seja uma ferramenta maravilhosa, opera por algoritmos de popularidade (número de acessos), geolocalização (aquilo que está mais perto de nós tende a aparecer primeiro) e propaganda. Nenhum destes critérios implica qualidade da informação, credibilidade da fonte e aplicabilidade real.

Nossos alunos, surfistas da internet, só sabem surfar nas ondas rasas da superficialidade da Web e desconhecem seus aspectos mais profundos que, para serem bem aproveitados, demandam conhecimento profundo e/ou tutoria, mentoria e acompanhamento de um professor. É o professor, o profissional que reúne as condições, através do seu senso crítico experimentado, de separar o joio do trigo, então, somente então, os mecanismos de busca na web (Google, Yahoo etc.) tornar-se-ão uma verdadeira ferramenta para a educação.

Web, e-learning, tablets, lousas digitais, tudo isto é ótimo e bem vindo. Mas piano é instrumento, não há música sem pianista.

Educação não se faz sem professor, mesmo os chamados autodidatas, sempre basearam-se em professores informais.

Os canais da educação podem e devem ser múltiplos. O digital é importantíssimo e não pode e não deve ser visto com receio, medo e preconceito.

Não confunda o acesso à informação e o excesso de informação que seus alunos possuem com conhecimento. Nossa missão como professores é propiciar caminhos para a construção do conhecimento e da educação.

Seja um e-professor na era dos e-estudantes, esteja preparado para superar a hiperinformação com conhecimento e comunicação efetiva. Educação não é o que ocorre fora de nós, mas dentro de nós!

A você, Mestre(a), com todo meu carinho, a homenagem por ter escolhido a mais nobre de todas as profissões, a única que permite que todas as outras possam existir. Parabéns professor, você é, foi e sempre será o único super-herói que sobrevive fora das telas.

Avalie este artigo:
(4)
As opiniões veiculadas nos artigos de colunistas e membros não refletem necessariamente a opinião do Administradores.com.br.
Tags: educação ensino

Fique informado

Receba gratuitamente notícias sobre Administração