Algumas ideias que mudaram a minha vida

Um texto curto e simples sobre ideias simples que mudaram a minha vida. Quem sabe alguma delas te ajuda?

iStock
Nem todo dinheiro vale a pena ser ganho. Se o estresse, risco ou legalidade passa do limite, é melhor deixar para lá

Tem dinheiro que não vale a pena: nem todo dinheiro vale a pena ser ganho. A maioria das pessoas tem um emprego tolerável que realiza em troca de algum dinheiro, e até aí tudo bem. Volta e meia, alguém vai te oferecer um negócio que parece duvidoso. Ou alguma coisa em que “é impossível perder”. Outras vezes, você vai se pegar pensando se vale a pena processar aquela empresa ou ex-empregador que te sacaneou. O mundo de investimentos também está cheio de histórias de pessoas que ganharam, digamos, 50 mil e perderam tudo ao tentar se agarrar aos próximos 5. Nem todo dinheiro é igual. Se o estresse, risco ou legalidade passa do limite, é melhor deixar para lá.

Pessoas não mudam. Eu sei, você leu um monte de livro de auto ajuda, falou com alguns coaches e está convencido que para mudar basta querer. Não é assim. Todas as vezes que mudei algo em minha vida, foi à base de porrada, sangue e lágrimas. Mudar demora, dá trabalho e mesmo assim a tendência é continuar como está. Esperar que alguém mude um comportamento ou traço de personalidade é tão útil quanto olhar o celular a cada 5 minutos para ver se a pessoa que você chamou para sair à noite respondeu.

Não existe conversa racional com quem leva para o lado pessoal: “ah, mas você é…”, “você está me ofendendo”, “mas aquela vez…”. Uma pessoa racional erra e corrije. Se for pessoal, pede desculpas, se for no trabalho, muda de opinião. Infelizmente, é bastante difícil agir assim e boa parte das pessoas vai se ofender e tentar virar o jogo na sua cabeça. Irrita, eu sei, mas toda vez que você quiser ter uma conversa e a pessoa do outro lado se esquivar ou partir para algum tipo de crítica pessoal, é melhor fazer “aham" com a cabeça e sair de perto.

Nunca tome decisões com fome, ou com alguma emoção à flor da pele. Já foi ao mercado com fome? O que aconteceu? Se você é um ser humano, comprou mais coisas do que devia. Existem pesquisas que mostram que juízes são mais severos em seus julgamentos quando estão com fome. O mesmo vale para emoções. Você não quer decidir sobre comprar um apartamento quando está feliz porque acabou de decidir se casar, triste porque acabou de decidir separar, e assim por diante. Ironicamente, já vi pesquisas dizerem que pessoas com raiva tomam melhores decisões financeiras (ainda estou para testar isso). De qualquer jeito, guarde aquela decisão importante para logo pela manhã, quando você está com a cabeça fresca, ou o fim de semana.

Chato funciona, mágico não. Todas as pessoas de sucesso que conheço falam de viver modestamente, trabalhar um monte, economizar e abrir mão de horas de lazer e outros mimos. Os Patel saíram de uma região da Índia e hoje são donos de metade dos motéis dos Estados Unidos por estarem dispostos a morar no quarto do próprio hotel e trabalhar mais de 12 horas por dia sem fim de semana para não precisar de funcionários. Mesmo que você tenha herdado ou vá herdar algum dinheiro, patrimônio que não é cuidado vai embora. Por outro lado, nunca encontrei alguém que ficou rico com alguma “fórmula mágica”. Estou para ver alguém que fez sucesso com as dicas compradas naquele blog da Internet, e a grande maioria das pessoas que entrou em alguma "novidade" financeira se deu mal. O que é chato funciona mas ninguém gosta de ouvir, o que é mágico é super legal mas vai te custar caro.

Virtue Signalling é câncer. Nunca achei uma boa tradução em português, mas “Virtue Signalling' é algo como “sinalizador de virtudes”. Sabe aquela pessoa que sempre está dizendo como é legal? Aquela que vive falando sobre salvar o mundo? A que posta coisas em redes sociais defendendo causas óbvias? Tome cuidade com essa pessoa. Pessoas de verdade não precisam ficar toda hora dizendo como são legais e não têm medo em ser do contra. Se a pessoa faz questão de ficar repetindo suas virtudes, é um sinal para ficar com um pé atrás. Já vi pesquisas dizendo que pessoas com esse comportamento se sentem à vontade de cometer outras infrações, já que elas se vêem como tão legais com o mundo. Ela está salvando o mundo mesmo, o que é pisar no seu pé em comparação a isso? É aquela história, quantas vezes já viu um carro com adesivo de “Eu apoio a Lava Jato” parado em lugar proibido? Se você quer mudar o mundo, ótimo, pode até falar a respeito. No mundo de hoje em que é fácil fazer sucesso nas redes sociais, quem só fala a respeito deve ser evitado.

É isso. Apenas algumas ideias que peguei pelo caminho e me ajudaram. Quais são as suas?

As opiniões veiculadas nos artigos de colunistas e membros não refletem necessariamente a opinião do Administradores.com.br.
Avalie este artigo:
(0)