Análise de Gestual: Pelo fim da paranoia

É comum observarmos as pessoas tecendo manuais de como se interpreta uma comunicação não verbal. No entanto, várias conjecturas não têm chegado a lugar algum. Veja neste artigo a complexidade de um gesto simples: um aceno com as mãos.

Olá, pessoa!

Uma questão que sempre pega, principalmente os leigos, é a tal da leitura corporal ou comunicação não verbal.

Este tema tem gerado bastante paranóia.

Com a experiência que tenho área na área de Comunicação e no estudo do comportamento humano, posso garantir que não há uma regra básica para se fazer entender. É por isso que fico intrigado com esta infinidade de manuais com ‘as 8 maneiras’, ‘os 5 passos’, ‘as 20 respostas’ pra se resolver isso ou aquilo.

Já contei por aqui que, certa vez, no período em que ministrei aulas no Núcleo de Comunicação e Artes de uma instituição de ensino bastante conceituada, uma aluna começou a analisar os colegas pela forma como eles se sentavam nas carteiras, viravam os pés em direção à porta, mexiam no cabelo ou seguravam a caneta. Um exagero!

Claro que ela evocou os princípios do famoso livro “O Corpo Fala”, de Weil e Tompakow.

Após uma dinâmica, ela se deu conta do equívoco da maior parte das avaliações.

À época, coloquei que é preciso ter muito cuidado ao se analisar posturas e comportamentos se baseando apenas nos livros e não no ambiente, no indivíduo e nas situações.

Pra não ser muito técnico, vou dar um exercício bem prático pra você fazer aí no seu cantinho, despretensiosamente:

Acene para um colega de trabalho ou para qualquer pessoa na rua. Repare que uns responderão ‘bom dia’, outros ‘falaí’ e alguns, o famoso ‘oba!’

Aí pergunto: o que você quis dizer com o seu aceno? Qual a resposta que você queria ouvir? Bom dia (ou boa tarde, boa noite) ou o famoso ‘oba’ ou o ‘falaí’?

Observei isto enquanto praticava a minha corrida numa destas manhãs. Ao encontrar com outros corredores, eu apenas acenava e, no entanto, as respostas eram as mais diversas.

E estou falando apenas de um simples aceno de mão, hein?

Imagine agora a complexidade de se analisar os comportamentos e sinais corporais como um todo?

Não se iluda! Ao analisar uma pessoa e ignorar o ambiente, você pode tirar  conclusões precipitadas.

Vai por mim!

É isso.

 

As opiniões veiculadas nos artigos de colunistas e membros não refletem necessariamente a opinião do Administradores.com.br.

Avalie este artigo:
(0)
Tags: Carlos Cunha Comunica comunicação não verbal falar em público linguagem marketing pessoal metalinguagem neurolinguística palestras PNL public speaking recursos humanos treinamentos