Crescer horizontalmente

"os prudentes nem sempre são ricos; os instruídos nem sempre têm prestígio; pois o tempo e o acaso afetam a todos..."

Muitos estão correndo contra o tempo para obterem premiações como aumento salarial e subir degraus na carreira, obterem outras bonificações, como carro e celular da empresa, além de viagens internacionais que proporcionarão bagagem à ministração de palestras etc. Correm em direção ao crescimento vertical, a patamares de gerência ou chefia, mas onde fica o crescimento horizontal? Qual o objetivo de chegar ao topo? Sucesso pela ostentação de poder... Com o poder em mãos, ter o pensamento e ações como "Vamos ver o que acontece se...", fazendo da empresa um laboratório de experimento e insatisfação para muitos.

Há um foco muito grande em chegar ao topo quando o assunto é carreira. Muitos funcionários motivam-se em crescer, sempre em direção ao topo da pirâmide. Porém, quando olham na direção horizontal, tudo parece monótono e cansativo, sem visibilidade. O horizonte é desprezado, pois é o desconhecido. Sendo assim, deve ser evitado. Eis o pensamento de vários profissionais: desprezar o desconhecido por falsas suposições ou por falácias da famosa “rádio peão”.

 Se todos forem coordenadores, supervisores e gerentes, quem fará, com excelência, o trabalho de analistas, administrativos e de outros que não são de grande visibilidade?

Há ainda quem imagina o êxito apenas escalando verticalmente a pirâmide. Para os bons profissionais, que mantêm outra visão (horizontal), sempre haverá um departamento, uma chefia ou outra companhia, que lhe dê valor no exercício da profissão. Suas atividades serão executadas com excelência e dedicação, nunca se esquecendo do contínuo aprimoramento curricular. Na horizontal, há o aprendizado de novas atividades e o conhecimento melhor das atividades, novos círculos de networking e a possibilidade de exercer uma nova função que lhe permita benefícios, como o de não trabalhar aos finais de semana com escala, gerir atividades na função de coordenador... Ser um profissional flexível, um requisito precioso para quem conseguir estar fora da zona de conforto.

Como sabemos, estar na pirâmide requer renúncias, suportar muita pressão, ter perfil empreendedor e/ou visionário, enxergar adiante os ares de mudanças no mercado, conseguir manter e direcionar a empresa de forma a estar sempre à frente ou lado a lado da concorrência, mantendo-a valorizada e competitiva, sem que vá ao fracasso e feche as portas.

Crescer horizontalmente também traz benefícios e não tem a ver com uma carreira de fracasso ou estagnação.

Estamos demorando muito tempo para deixar o hábito de reclamar da falta de oportunidades, do excesso de atividades e considerar que a vida profissional terá sentido apenas subindo degraus. Afinal, funcionários insatisfeitos são logo detectados e, em vários casos, demitidos. Neste século, será muito comum o acúmulo de funções distintas para manter-se atuante no mercado de trabalho.

Sucesso é fazer bem aquilo que lhe foi incumbido, de forma eficaz e eficiente. “Se o machado está cego, e sua lâmina não foi afiada, é preciso golpear com mais força. Agir com sabedoria assegura o sucesso.” Eclesiastes 10.10

 “Os velozes nem sempre vencem a corrida; os fortes nem sempre triunfam na guerra; os sábios nem sempre têm comida; os prudentes nem sempre são ricos; os instruídos nem sempre têm prestígio; pois o tempo e o acaso afetam a todos.” Eclesiastes 9.11

Avalie este artigo:
(1)
As opiniões veiculadas nos artigos de colunistas e membros não refletem necessariamente a opinião do Administradores.com.br.
Tags: crescimento crescimento vertical formas de crescimento horizontal novo conceito sucesso pirâmide reclamar

Fique informado

Receba gratuitamente notícias sobre Administração