Empresas e profissionais estão destruindo o mercado de trabalho no marketing

A falta de valorização profissional e um completo amadorismo das empresas quando se trata das relações trabalhistas é ruim para todos

Quem trabalha nas áreas de criação e gestão de marketing no Brasil, especialmente no meio digital, se depara no dia a dia com uma situação bem indigesta, mas comumente empurrada para debaixo do tapete: a falta de valorização profissional e um completo amadorismo das empresas quando se trata das relações trabalhistas. É uma situação chata que pode ser vivida no local de trabalho ou na procura por uma nova oportunidade e é grave a ponto de deixar evidente a falta de maturidade desse segmento em terras tupiniquins.

Exemplo foi um anúncio de vaga que eu vi outro dia para a capital paulista. O título era "webmaster pleno", com no mínimo seis anos de experiência, mas a descrição tinha tantas exigências que o pobre coitado (ou trouxa) seria praticamente uma agência de uma pessoa só. Pediam que ele fizesse programação, design, UX, SEO, SEM, e-mail marketing, estratégias, relatórios, gestão de CRM, atendimento on-line e conteúdo para blogs, sites e redes sociais, entre outros. Tudo isso pela remuneração que se esperaria para um profissional júnior específico para cada uma dessas funções. O anúncio não mencionava, mas é muito provável que o tipo de contratação seria como pejotinha maroto. 

O mais triste é ver pessoas que são até referência em marketing digital, que dão aulas sobre o assunto e coordenam equipes compartilhando "oportunidades" como essa, que eles próprios dariam risada se alguém oferecesse. São pessoas que deveriam ajudar os ramos de comunicação e tecnologia a atingir um degrau acima, não regredir. Esse é só um sintoma de quanto estamos atrasados em termos de valorizar nosso próprio trabalho. Fala-se tanto de como essa é uma área que precisa evoluir, mas o discurso muitas vezes é da boca pra fora.

Também são vilãs nessa história muitas agências de comunicação por aí. Por suas jornadas com expedientes insanos sem banco de horas, por colocar estagiários e juniores pra trabalhos de pleno e head sem investir em treinamento ou em valorização, por empurrar contratação PJ irregular para driblar direitos trabalhistas, por se acharem descoladas apesar de tudo isso.

Se alguém questiona esses problemas, a resposta é sempre um "agência é assim". NÃO IMPORTA! Essa é uma desculpa das mais desonestas. É uma cultura equivocada, cruel e ilegal, que desvaloriza profissionais, deteriora o mercado e contribuiu com círculo vicioso de erros sem fim. Ser condescendente com isso apenas tira a seriedade e profissionalismo que se esperaria de qualquer empresa.

O engraçado é ver muitos sócios e diretores dessas mesmas agências estufando o peito para, com toda prepotência do mundo, falar sobre como o mercado está ruim, como tem pouco profissional qualificado. E essas mesmas figuras adoram reclamar sobre a corrupção do País nas redes sociais, enquanto nas próprias empresas não garantem os direitos básicos dos funcionários com relação a contrato, benefícios e regime de trabalho. É uma conta que não fecha.

Esse cenário é desolador, mas só depende dos próprios envolvidos para mudar. Depende das empresas acabarem com essa cultura de "o mercado é assim" e fazerem as coisas direito, que não é mais que a obrigação. Depende dos sindicatos e entidades regulatórias se esforçarem o mínimo para garantir a dignidade dos profissionais. Depende dos profissionais que estão procurando emprego pararem de aceitar vagas com condições de trabalho absurdas, que só ajudam a tornar padrão um monte práticas erradas. Quem sabe assim o contratante não se manca.

Respeitar o trabalhador e fazer as coisas direito só pode ser bom para o mercado, pois contribuiu com a tal qualidade de serviço que tantas empresas alardeiam ter. O fato é que real qualidade está necessariamente atrelada com a qualificação de quem executa os projetos, com equipes estruturadas e com condições dignas de trabalho.

Avalie este artigo:
(0)
As opiniões veiculadas nos artigos de colunistas e membros não refletem necessariamente a opinião do Administradores.com.br.
Tags: comunicação criação marketing mercado publicidade trabalho vagas

Fique informado

Receba gratuitamente notícias sobre Administração