Mais comentada

Nem sempre o melhor currículo é o melhor candidato?

Ano novo já começou e muitos planejam trocar de emprego ou conseguir aquela vaga dos sonhos. Mas, seu CV tem "peso"​? Tem "bala na agulha"​? Ou vai no "carão"​ para entrevista? Será que realmente o melhor candidato tem o melhor CV? E como fica o recrutador nessa situação toda?

No cenário de crise, existem ótimos profissionais em busca de recolocação. E o RH tem muito trabalho para analisar, pesquisar e não se “encantar” com os profissionais de excelentes notas, ótimas faculdades, e deixar em segundo plano os demais candidatos.

Estamos acostumados com a entrevista padrão. Com CV na mesa o recrutador faz perguntas e vai "ticando", ou seja, confirmando o que está escrito.

Existem algumas pessoas que gostam de florear, dar aquela "valorizada" no produto. Cabe ao recrutador validar se tudo o que está escrito é verdadeiro.

Quem nunca se pegou comparando seu CV com os demais candidatos e pensou: “Pelo grau e gabarito dos demais, não tenho chance”. Mas, mesmo assim teve coragem e foi. (Seja o que Deus quiser).

Já ouviu falar que o papel aceita tudo? Pois é, cabe aos profissionais de RH a dura missão de saber extrair do papel e claro da pessoa, o melhor candidato.

O mercado brasileiro vem praticando a entrevista por competência, onde o seu CV não vai ser "ticado" na hora, aliás ele não vai estar na mesa. Nessa hora a pessoa terá que provar que sabe do negócio, porque terão cases para resolver.

Será proposto situações para saber opinião, ou atividades da rotina da vaga em questão. Nessa hora que será validado se o tal curso top é verídico.

Se realmente exerceu determinada função, se a habilidade que citou "aparece" na hora de resolver o problema proposto.

Mas, passando por toda essa situação e reprovar? Acredito que o sentimento será de frustração e de querer rasgar todos os diplomas, e ainda se sentir uma "fraude"? Calma, respire fundo.

Isso apenas mostra que não tem perfil para aquela vaga. Aproveite essa oportunidade para ver os gaps e correr atrás para se desenvolver.

Porque os profissionais precisam cada vez mais achar o equilíbrio entre competência técnica e comportamental.

Por isso a entrevista por competência vem ganhando espaço e claro, ouso dizer que o feeling do recrutador vai ajudar também, desde que o perfil seja analisado com foco aberto.

Na era digital, onde vivemos conectados, nosso comportamento nas redes sociais também é avaliado. Lembre-se que somos seres únicos não existe mais diferença entre o “mundo real” e o virtual.

Por onde passamos deixamos nosso rastro digital e vamos construindo nossa reputação digital. Por isso, use sua inteligência emocional, tenha atenção na hora de postar, comentar e compartilhar alguma foto ou texto.

Afinal, me diga quem tu segues, o que cometam e compartilham, que direi quem tu és.

Leila Duarte
Founder da Novo Elo, Administradora, MBA em Gerenciamento de Projetos, Especialista Lean Six Sigma, Auditora 5S Lean Office, Consultora, Palestrante, Mentoring.

As opiniões veiculadas nos artigos de colunistas e membros não refletem necessariamente a opinião do Administradores.com.br.

Avalie este artigo:
(0)
Tags: carreira comportamento comunicação CV desemprego desenvolvimento emprego estratégia recursos humanos redes sociais reputação digital resultados RH trabalho treinamento