O desafio das mudanças duradouras

Por que é tão difícil manter um processo de mudança? O que pode ser feito para aumentar a probabilidade de vencer o desafio das mudanças duradouras?

iStock

Recebi uns feedbacks bem bacanas de um artigo sobre coaching que publiquei recentemente. Por esse motivo, resolvi que também vou publicar conteúdos sobre minhas pesquisas e vivências nesse universo.

Já reparou como é comum iniciarmos algum processo de mudança desejada em nossa vida e não conseguirmos dar continuidade a ele após os primeiros passos? Isso pode acontecer com a dieta, com os exercícios físicos, com aquele curso de inglês, com o MBA interrompido quase no final, com uma transição de carreira, etc. Creio que todos nós temos exemplos de mudanças que tentamos implementar e não foram muito longe.

Uma das coisas que observo é que o primeiro passo de uma mudança significativa tem uma magia que nem sempre iremos encontrar no restante do processo e isso acaba sendo um obstáculo para muitos.

Usemos o exemplo corriqueiro da academia. A pessoa visita a academia, conhece aquele novo ambiente cheio de pessoas interessantes, compra um tênis maneiro, umas roupas novas para não fazer feio, começa, marca a elaboração do seu primeiro treino, conhece as pessoas, vai se socializando e… Depois de tudo isso, vem a rotina e a repetição. Vem o processo em si. Vem o dia em que ele/ela está exausto do trabalho, o dia em que está chovendo, o dia em que há o happy hour com os amigos, etc. As desculpas começam, pois novos encantos e novos interesses surgem. A repetição é mesmo chata na maior parte dos dias e é aí que boa parte das pessoas desistem. É nesse ponto que a mudança desejada vai ficando de lado em troca de outros novos primeiros passos que estão sendo dados. O exemplo é simples, mas pode ser adaptado a vários outros contextos.

Outro elemento bem comum que pode atrapalhar um processo de mudança é acreditar que não possuímos todos os recursos necessários. Tipo aquele amigo que começa a estudar para um concurso, mas sempre precisa baixar mais uma apostila, comprar mais um livro, elaborar mais uma planilha de estudos. Para ele, as condições nunca são ideais e, no fim das contas, ele coloca em segundo plano o que deveria ser sua principal atitude: sentar e estudar. Várias horas, dia-após-dia, de forma objetiva e disciplinada.

Precisamos promover mudanças que deixem claras quais são nossas reais motivações, o propósito que irá nos guiar pelo longo caminho da rotina e da disciplina, quando a empolgação inicial passar. Além de aprender que, na esmagadora maioria dos casos, já possuímos os recursos internos que precisamos para transformar metas em realidade e que atribuir nosso fracasso à (falta de) elementos externos pode ser apenas autoengano.

Anthony Robins, um dos mais famosos especialistas em desenvolvimento humano e programação neurolinguística, propõe três princípios organizadores de uma mudança duradoura:

Eleve seus padrões

Para que uma mudança efetiva aconteça, o primeiro passo é elevar seus padrões. É uma questão lógica, seus padrões atuais te levaram aos seus resultados atuais. Para alterar sua realidade, é necessário analisar em profundidade quais são os elementos que você não aceita mais em sua vida, além dos fatores incompatíveis com o que você aspira ser daqui por diante.

As consequências, no longo prazo, são transformadoras para aqueles que conscientemente elevam seus padrões e passam a olhar a vida com outras lentes à medida em que evoluem.

Mude suas convicções limitadoras

Ao elevar seus padrões é preciso saber lidar com crenças limitantes. É preciso assumir o controle de seu sistema de convicções e desenvolver a convicção necessária para realizar os objetivos traçados. É preciso desenvolver, de forma consciente, as suas convicções para atingir os recursos interiores que irão te capacitar a enfrentar os desafios relacionados ao processo de mudar. O senso de certeza está no alicerce de qualquer grande sucesso.

Mude sua estratégia

Para manter seu empenho ao longo do caminho, você vai precisar de uma boa estratégia. Esforço sem direção apenas consome energia e traz a ilusão do movimento. Não traz resultados. Robins sugere que a melhor estratégia, na maioria dos casos, é encontrar um modelo, alguém que já esteja conseguindo os resultados que você almeja e explorar seus conhecimentos. Entenda os padrões dessa pessoa. Isso o tornará mais eficaz e irá poupar o tempo de ter que reinventar a roda. Uma ressalva muito importante: aprenda com quem já fez, mas coloque esse aprendizado em prática desde o primeiro momento. Caso contrário, de nada vai adiantar.

Concentre seu poder pessoal

Há uma imensa capacidade de realização quando focalizamos todos os nossos recursos para dominar uma área de nossa vida. O foco concentrado e consistente em um aspecto determinado nos faz desenvolver características únicas nesse sentido e acaba alavancando outras áreas. Pode parecer estranho, mas um círculo virtuoso se inicia quando começamos a focar um aspecto por vez.

No início de um processo de coaching, costumo fazer aos meus coachees uma pergunta que considero poderosa, logo após ele avaliar os aspectos de sua vida de forma holística. Termino este texto com a sugestão de que você faça a mesma reflexão: qual aspecto de sua vida, que se receber um pouco mais de foco, irá impactar positivamente um maior números de outros aspectos?

Avalie este artigo:
(2)
As opiniões veiculadas nos artigos de colunistas e membros não refletem necessariamente a opinião do Administradores.com.br.
Tags: carreira coaching mentoria mentoring mudanças

Fique informado

Receba gratuitamente notícias sobre Administração