Mais comentada

O que máquinas NÃO podem substituir nos processos de treinamento e desenvolvimento corporativo?

Apesar da evolução constante da automação no dia a dia, a intervenção humana é essencial para os processos de treinamento e desenvolvimento corporativo.

(*) Por Pierre-Jean Quetant
Um dos processos que ganha cada vez mais terreno nos tempos atuais é o de automação. O fato de haver bancos de dados cada vez mais repletos de informações, aliado às evoluções da inteligência artificial e do machine learning, faz com que essa situação seja realidade na rotina (os chatbots de atendimento nas redes sociais e os training bots são bons exemplos disso).

O que isso significa para os processos de treinamento e desenvolvimento corporativo?
Há quem defenda que é uma questão de tempo até as máquinas substituírem os seres humanos nos mais diversos campos, incluindo a mão de obra de trabalho, com afirmações carregadas de um entusiasmo exagerado.

Embora isso seja possível nos setores que possuem atividades mais repetitivas e mecânicas, há muitos aspectos sutis que se perderiam em uma hipotética automação generalizada, como a humanização da assimilação de perícias e as nuances que fazem a diferença no expediente e no bem-estar dos colaboradores, por exemplo. Por isso, é necessário entender quais são os recursos mais evidentes no desenvolvimento de pessoas nas empresas, principalmente quando se trata de processos de treinamento e desenvolvimento corporativo.

Soft skills nos processos de treinamento e desenvolvimento corporativo
As soft skills são habilidades ligadas ao comportamento, à personalidade e às interações sociais. Abrangem sutilezas que não podem ser programadas com uma riqueza de detalhes 100% precisa por meio de meros comandos, como as mentais e emocionais, além da sociabilidade em si.

Compreender a relevância das soft skills faz com que os processos de treinamento e desenvolvimento corporativo sejam mais maleáveis e dinâmicos, preparando equipes para atingirem melhores resultados no aprimoramento de suas capacidades e também no trato com os consumidores. Máquinas não são capazes de compreender eventuais oscilações, que podem fazer o ritmo do treinamento variar.

Essas competências, consideradas “não técnicas”, estabelecem diretrizes de atenção às necessidades de cada um nas trilhas de aprendizagem durante o desenvolvimento de pessoas nas empresas. Elas permitem manter o colaborador como o centro do processo de desenvolvimento, por meio de métodos que enfatizam as soft skills e o engajamento, o que pode ser amplamente visto no novo blended learning.

Processos de treinamento e desenvolvimento corporativo para a liderança de proximidade
Um exemplo prático e evidente de como o fator humano e as soft skills são mecanismos essenciais está na capacitação de gestores preparados para a liderança de proximidade. Para se adequarem a esse conceito, eles precisam ser líderes acessíveis, que fazem parte do dia a dia dos colaboradores de maneira presente e direta.

Nesse cenário, por mais avançada que a automação seja nos dias de hoje, não é possível utilizá-la de maneira livre. A intervenção humana é fundamental em conteúdos feitos para treinamento e desenvolvimento de pessoas nas empresas.

A presença humana é indispensável, especialmente quando se trata de conteúdos voltados a líderes que precisam desenvolver habilidades sociais e determinadas compreensões. É possível destacar no contexto a ideia de que uma parte importante dos resultados está ligada a alguns fatores, como o bem-estar dos colaboradores e a importância da confiança mútua entre a equipe e a gestão.

(*) Pierre-Jean Quetant – Atua como Country Manager Learning Tribes Brasil. Formado como Administrador de empresas pela Grenoble Ecole de Management e como Tecnólogo em Eletrônica e Informática Industrial, pela Université Jean Monnet Saint-Etienne. Quetant já passou por empresas como Neurograff Eletromedicina Ltda, Smart Cursos, EGG CRM Brasil, Uneequip (fundador), Wheelabrator Allevard, AGOMEZ LTDA, Sony Music Entertainment, PAUL HARTMANN AG.

As opiniões veiculadas nos artigos de colunistas e membros não refletem necessariamente a opinião do Administradores.com.br.
Avalie este artigo:
(0)
Tags: blended corporativo learning skills soft treinamento