O trabalhador do conhecimento no mundo trabalho

A partir da releitura de algumas publicações de Peter F. Drucker,
podemos refletir sobre importantes aspectos inerentes a sociedade alicerçada no
conhecimento, que privilegia o trabalhador do conhecimento como diferencial
competitivo.

O termo trabalhador do conhecimento foi criado por Peter Drucker para
caracterizar o trabalhador moderno, que se baseia na capacitação sob forma de
conhecimentos para realizar o trabalho, estando ele preparado para agir por
iniciativa própria, em decorrência de seus conhecimentos e para tomar decisões.

Na atualidade, o conhecimento especializado é o recurso chave para os
indivíduos e para a economia de um modo geral. E é por esse motivo que a
sociedade de conhecimento também é uma sociedade de organizações: o objetivo e
a função de toda organização é a integração de conhecimentos especializados em prol
da produção de resultados alinhados a consecução de objetivos.

O conhecimento, como atualmente o consideramos, é evidenciado por meio
da ação. Podemos entender que o conhecimento é a informação transformada em
ação, voltada para produção de resultados eficazes.

Uma das funções de toda organização é favorecer a aplicação do
conhecimento no mundo do trabalho. O conhecimento, por sua natureza, muda numa
velocidade sem precedentes, então aquele que tiver qualquer conhecimento terá
de adquirir outros novos para se manter atualizado e acompanhar a dinâmica de
mercado que direciona a organização à investir na gestão da mudança. Isto
impulsiona a organização a se dedicar ao novo, através do aprimoramento
contínuo, da exploração de aplicação de novos conhecimentos e da capacidade de
inovar.

Cabe aos gerentes estimular o questionamento do status quo dos produtos,
dos processos, dos procedimentos e das políticas. Isto legitima a premissa de que
toda organização deve se dedicar a criar o novo.

Quanto aos trabalhadores do conhecimento, os mesmos devem priorizar as
contribuições produtivas e investir em relações interpessoais que favoreçam de
forma efetiva a realizações das mesmas.

O foco na contribuição em si, traz no seu escopo, alguns requisitos chave
para manutenção de relações humanas produtivas, como descritas abaixo:

- A Comunicação pautada no estímulo a responsabilidade pela contribuição;

- O Trabalho em equipe orientado na contribuição individual e coletiva;

- O Autodesenvolvimento impulsionado por reflexões relacionadas à
importância da contribuição para o alto desempenho, ao que necessita ser
desenvolvido e aos pontos fortes a serem empregados;

- O Desenvolvimento focado na contribuição estimula as pessoas a se
desenvolverem, além do que faz com que o trabalhador do conhecimento cresça de
acordo com as exigências que faz de si mesmo e atue como exemplo a ser seguido.

É requerido que o trabalhador do conhecimento se autogerencie, tendo em consideração o seu maior nível de contribuição,
aprendendo a se desenvolver, mantendo sua motivação ao longo da vida
profissional, diagnosticando como e quando deverá modificar o que faz e tendo
em mente que provavelmente viverá mais que qualquer organização, o remetendo a se
preparar para administrar a segunda metade de sua vida.

 

Avalie este artigo:
(0)
As opiniões veiculadas nos artigos de colunistas e membros não refletem necessariamente a opinião do Administradores.com.br.

Fique informado

Receba gratuitamente notícias sobre Administração