Oito maneiras poderosas de moldar futuros líderes

Como pais e cuidadores de crianças, temos a responsabilidade de preparar o caminho dos nossos filhos para a liderança

iStockphoto

Todos nós queremos que nossos filhos se tornem líderes.

Passem eles seus melhores dias no serviços de entregas ou no melhor escritório da empresa, nós queremos que nossas crianças cresçam corajosas, passionais e autênticas. Queremos que suas ações inspirem outras pessoas a darem o seu melhor, a tirarem da vida mais do que elas julgariam possível.

Como pais e cuidadores de crianças, temos a responsabilidade de preparar o caminho delas para a liderança.

Podemos modelar e ensinar habilidades que irão equipá-las para liderarem a si mesmas e aos outros em um mundo hipercompetitivo, ou podemos permitir que elas sejam vítimas do tipo de pensamento que as torna escravas do status quo.

É uma grande responsabilidade — mas desde quando ser pai ou mãe não é uma grande responsabilidade?

A beleza de transformar crianças em líderes é que são as pequenas coisas que fazemos todos os dias que vão moldá-las à forma das pessoas que elas serão.

Foque nas oito ações abaixo e você irá construir habilidades de liderança no seu filho e em você mesmo.

Desenvolva inteligência emocional. A inteligência emocional é aquele "algo" em nós com um quê de intangível; ela influencia na maneira como nos comportamos, navegamos nas complexidades sociais e fazemos decisões pessoais para conquistar resultados positivos.

De forma direta e simples, as crianças aprendem inteligência emocional com seus pais. À medida em que seus filhos te observam, eles absorvem o comportamento como se fossem esponjas. Crianças são particularmente atentas à sua sensibilidade e emoções, ao comportamento que você demonstra frente a emoções extremas e à maneira como você reage e responde às emoções delas.

Inteligência emocional é uma dos maiores responsáveis pelo sucesso dos líderes. A TalentSmart testou mais de um milhão de pessoas e descobriu que a IE é responsável por 58% da performance de trabalho de um líder. De forma pouco surpreendente, 90% dos líderes com maior performance contavam com altos níveis de IE.

Muitas pessoas pouco fazem para desenvolverem inteligência emocional. Apenas 36% das pessoas que testamos estão aptas a identificarem com precisão suas emoções à medida em que emergem. Crianças que desenvolvem um alto nível de inteligência emocional levam essas habilidades para a vida adulta, e isso dá a elas uma vantagem na liderança e na vida.

Não seja obcecado por conquistas. Os pais erram ao desenvolverem uma obsessão por conquistas porque eles acreditam que isso irá transformar suas crianças em adultos ambiciosos. Em vez disso, a fixação por conquistas e vitórias irá criar toda sorte de problemas para as crianças -- especialmente quando falamos de liderança, onde o foco no desempenho individual dá às crianças uma ideia errada sobre como se trabalha.

Os melhores líderes se cercam de grandes pessoas porque eles sabem que não podem fazer tudo sozinhos. Crianças obcecadas por conquistas ficam tão focadas em prêmios e benefícios que elas nunca vão entender isso. Tudo o que elas conseguem ver é o jogador que segura o troféu e o CEO celebridade que ilustra as manchetes -- elas acreditam que tudo é individual. Quando elas descobrem como a vida real funciona, é um duro despertar.

Não as elogie muito. Crianças precisam ser elogiadas para desenvolverem uma autoestima saudável. Infelizmente, exagerar nos elogios não fará com que elas tenham uma autoestima extra. Crianças precisam acreditar em si mesmas e desenvolverem a autoconfiança necessária para se tornarem líderes de sucesso, mas se você jorra elogios toda vez que elas colocam a caneta no papel ou chutam a bola (a mentalidade "todos ganham o troféu"), irá criar confusão e falsa confiança. Sempre mostre aos seus filhos o quão orgulhoso você é acerca de suas paixões e esforços; mas não as faça pensar que são superestrelas quando você sabe que isso não é verdade.

Permita que elas experimentem o risco e o fracasso. O sucesso nos negócios e na vida envolve riscos. Quando os pais protegem demais suas crianças, eles não permitem que elas assumam riscos e lidem com as consequências. Quando você não tem o direito de errar, você não entende o risco. Um líder não pode assumir riscos apropriados até que ele ou ela conheça o gosto amargo do fracasso que vem quando se arrisca tudo.

A estrada para o sucesso é pavimentada com fracassos. Quando você tenta blindar seu filho do fracasso numa tentativa de aumentar sua autoestima, ele vai ter problemas em tolerar o fracasso necessário para ter sucesso como líder. Também não é para jogar o fracasso na cara dele. As crianças precisam do seu suporte quando errarem. Elas precisam saber que você se importa. Elas precisam saber que você sabe o quanto dói fracassar. Esse suporte permitirá que elas abracem a intensidade da experiência e saibam que são capazes de enfrentar qualquer situação. Eis aí uma sólida construção de caráter para futuros líderes.

Saiba dizer "não". Ser indulgente demais com os filhos é um caminho seguro para limitar o desenvolvimento deles como líderes. Para ter sucesso na liderança, é preciso ser capaz de deixar a gratificação para depois e trabalhar duro pelas coisas que são realmente importantes. Crianças precisam desenvolver essa paciência. Elas precisam ajustar metas e experimentar a alegria que vem com o trabalho diligente rumo a essas metas. Dizer "não" aos seus filhos irá desapontá-los momentaneamente, mas eles superam. O que eles nunca vão superar é o excesso de mimos.

Deixe que eles resolvam seus problemas. Há uma certa autossuficiência que vem com a liderança. Quando é você quem dá as ordens, deve também ser aquele que fica para trás e limpa a bagunça criada por essas ordens. Quando os pais constantemente resolvem os problemas dos seus filhos, eles nunca irão desenvolver a capacidade crítica de caminhar com as próprias pernas. Crianças que sempre têm alguém para resgatá-las e limpar sua sujeira passam a vida inteira esperando que isso aconteça. Líderes são pessoas de ação. Eles assumem a dianteira. Eles respondem por suas ações. Faça com que seus filhos ajam dessa maneira.

Faça o que diz. Líderes autênticos são transparentes e acessíveis. Eles não são perfeitos, mas conquistam o respeito das pessoas por darem o exemplo. Suas crianças podem desenvolver essa qualidade naturalmente, mas apenas se for algo que elas vejam demonstrado por você. Para ser autêntico, você precisa ser honesto em todas as coisas, não apenas no que diz, mas também em como você é. Quando você age como prega, suas palavras e ações se alinharão ao que você diz ser. Suas crianças observarão isso e desejarão fazer o mesmo.

Mostre que você é humano. Não importa o quão desobedientes e desafiadoras suas crianças sejam em qualquer momento, você ainda é o herói delas e seu modelo para o futuro. Isso pode fazer com que você queira esconder os erros do passado por medo de que seus filhos sejam tentados a repeti-los. O oposto é verdadeiro. Quando você não mostra nenhuma vulnerabilidade, seus filhos desenvolverão uma culpa extrema por cada fracasso porque eles acreditam que são os únicos a cometerem erros tão horríveis.

Para que se desenvolvam como líderes, as crianças precisam saber que as pessoas que servem de exemplo para elas não são infalíveis. Líderes precisam ser capazes de processarem seus erros e seguirem adiante para se tornarem melhores pessoas. Crianças não podem fazer isso se estiverem sobrecarregadas pela culpa. Elas precisam de alguém — uma pessoa real, vulnerável — para ensinar a elas como lidar com os erros e aprender com eles. Quando você mostra a elas como você fez no passado, é exatamente isso que faz.

Juntando tudo

Podemos moldar nossos filhos em líderes, mas apenas se trabalharmos nisso. Poucas coisas na vida valem o seu tempo e esforço como isso.

Como você está guiando suas crianças no caminho da liderança? Compartilhe sua opinião nos comentários abaixo, eu aprendo com vocês tanto quanto vocês aprendem comigo.


O artigo foi publicado no blog do autor e cedido gentilmente ao Administradores.com.

As opiniões veiculadas nos artigos de colunistas e membros não refletem necessariamente a opinião do Administradores.com.br.
Avalie este artigo:
(1)