Por que mudar aos 50?

O Planejamento de Carreira é uma ferramenta deixada de lado por muitas pessoas. Com o passar do tempo podemos ficar reféns do sistema: o famoso "deixa a vida me levar". Isso pode ser motivo de arrependimento e pode ser um caminho sem volta. Mas o que fazer?

Há muitos anos atrás convivi com um empresário que costumada usar uma frase que adotei para a minha vida pessoal, acadêmica e profissional: “O melhor momento para a mudança é quando tudo está bem, dando certo!”. Mas o que isso tem a ver com a chegada aos 50 anos de vida?


Muitos entendem a chegada ao cinqüentenário como um ponto de inflexão de um gráfico: parou de subir, bate no teto e começa a descer. Isso para tudo na vida: relacionamentos, carreira, saúde, paciência, convivência em família, etc. Não é por nada que muitas pessoas passam pela crise dos “enta” (alguns com quarenta, outros cinqüenta...).

Profissionalmente falando, vejo muitos casos de pessoas que simplesmente são colocadas à margem em suas carreiras quer seja por estagnação, quer seja por não acompanharem o ritmo dos negócios ou quer seja por um “ajuste nos quadros em função da crise econômica”. Sabedores de que estão chegando a essa fase, a geração dos “enta” tem uma elevação no nível de estresse, uma piora nos indicadores de saúde como um todo e acabam entrando em um ciclo vicioso cujo porto salvador é a aposentadoria, que agora não sabemos como vai ficar.

O ponto de ruptura nesse ciclo vicioso é o Planejamento de Carreira ou, melhor dizendo, o Planejamento de Vida. Falamos de planejamento estratégico, de planejamento financeiro, de plano de marketing, em plano de ação, são tantos planos com os quais convivemos no dia a dia que esquecemos do mais fundamental de todos: o nosso planejamento individual de vida e de carreira.Por mais próximo ou por mais distante que você estiver dos 50 anos, parar alguns momentos e elaborar um planejamento de vida é fundamental para seu futuro.

Mas em um país onde não sabemos se vamos ter presidente amanhã, como fazer um planejamento? Planejamentos não são feitos para dar 100% certo. Sempre há uma margem de erro. Se você não planejar – e não agir para realizar o planejamento – sua margem de erro será 100%. Agora, se você planejar e executar o plano, confesse, sua chance de acerto aumenta muito.

Mas o que preciso planejar? Comece se fazendo algumas perguntas simples, do tipo:
- O que eu gostaria de estar fazendo daqui 5 ou 10 anos? – Onde eu gostaria de estar trabalhando e vivendo? – O que eu preciso ter, fazer ou aprender para chegar lá? – Quanto dinheiro precisarei para viver? – Se meu plano A não der certo, qual meu plano B e plano C?


Você pode ainda usar algumas ferramentas como a Matriz SWOT Strengths (Forças), Weaknesses (Fraquezas), Opportunities (Oportunidades) e Threats (Ameaças) para lhe ajudar na sua auto análise. Pense nos seus valores, na sua missão aqui, no que pretende fazer e deixar. Pense naquilo que deseja construir: relacionamentos, bens materiais, compartilhamento de conhecimento e de vidas.

O importante é que você tenha no papel um Caminho a seguir ou, pelo menos, a consciência de que você pode tomar as rédeas de seu futuro. Quanto melhor esteja a sua situação nesse momento – empregado ou empreendendo, ganhando dinheiro, crescendo profissionalmente – mais tranqüilo você estará para fazer essa auto análise e traçar seu plano. A situação oposta – você não está tão tranquilo, a crise bateu à sua porta, etc – aponta para a urgência e importância em você fazer a análise e o plano.

Há tempos li um artigo que falava que as pessoas que estavam entrando na faculdade naquele momento teriam, ao longo da vida, 4 ou 5 profissões diferentes daquela inicial. E isso é verdade. Cada vez menos vemos pessoas iniciando e terminando a vida profissional na mesma profissão. Mais uma dica para sua análise e planejamento.

No meu caso, apenas para ilustrar e não como bom exemplo, iniciei minha vida profissional como Analista de Sistemas, depois acabei me tornando Gestor Comercial, mais tarde tornei-me Professor e mais recentemente iniciei uma carreira como Consultor. Muitas dessas mudanças, como me tornar Professor, foram planejadas com antecedência e tomei as ações e fiz os investimentos para que o plano desse certo.

Agora, chegando aos 50 anos, estou recomeçando minha vida profissional fora do Brasil. Muitos me chamaram de louco por largar tudo. Talvez pensem assim porque não saibam que eu estou no melhor momento de vida para realizar essa mudança e que existe um planejamento que contempla os planos A, B, C e D.


Sim, sou “meio” maníaco por Planejamento, pela Ação e pelos Processos. Talvez por isso que esteja escrevendo e dando como sugestão para você: pare para pensar sobre o seu futuro e faça um Planejamento de Carreira/Vida. Você vai gostar de ver o resultado!

Avalie este artigo:
(0)
As opiniões veiculadas nos artigos de colunistas e membros não refletem necessariamente a opinião do Administradores.com.br.
Tags: carreira comportamento planejamento

Fique informado

Receba gratuitamente notícias sobre Administração