Mais comentada

Qual o seu perfil comportamental?

Seu perfil comportamental molda suas "lentes" perceptivas e seus relacionamentos, logo, "conhece-te a ti mesmo”.

Em nosso desenvolvimento, além dos aspectos biológicos e genéticos, estímulos do meio assumem um papel fundamental na construção das nossas faculdades intelectuais, emocionais, psicológicos e sociais, isto de forma interativa. Não é por menos. Somos seres sociais e simbólicos, ou seja, procuramos dar “sentido as coisas” e para tanto, interpretamos o que gira ao nosso redor. Assim sendo, o grande desafio é aguçarmos essas interpretações; essas leituras que fazemos de nós mesmos, do outro e do mundo.  

Sobre essa perspectiva, o autoconhecimento impacta a maneira como ajustamos “nossas lentes”, nossos pontos de vista, nossos padrões, que por sua vez refletem nas nossas interpretações diversas. Para ilustrar, “já reparou que sob determinado estímulo (ex: lugar agitado) duas pessoas podem ter comportamentos opostos? Já percebeu que face a um mesmo acontecimento, você e uma pessoa próxima, por exemplo, poderão levar tempos bem diferentes para tomarem uma decisão e que, inclusive, pode ser a mesma?” Esses e outros exemplos ilustram a importância do autoconhecimento e das diferenças de perfis comportamentais.

Neste artigo, de modo a proporcionar uma maior experiência por parte do leitor, conto com o auxílio da analista (e formadora) comportamental Jaqueline Selva (quem é?). Jaqueline se dedica aos estudos do comportamento e da análise comportamental por meio da metodologia DISC (o que é?) há mais de 6 anos. Sua experiência não envolve apenas o tempo dedicado aos estudos, mas também seus inúmeros atendimentos os quais lhe permitiram destreza nas análises comportamentais, sensibilidade na percepção da comunicação não-verbal (gestos, fisionomia, outros), além de outras habilidades no campo inter (relação consigo) e intrapessoal (relação com o outro).

Assim sendo, o objetivo do presente artigo é demonstrar alguns princípios da análise comportamental sob a perspectiva da metodologia DISC, bem como seus reflexos nas nossas percepções (“lentes”) dos quais vemos a nós mesmos, o outro e o mundo. Em outras palavras, os perfis comportamentais influenciam a maneira como cada um de nós ler, percebe e se relaciona consigo e com o meio. As “lentes” expressam e são moldadas pelos nosso perfil comportamental. “O bom que podemos ajustar essas lentes com o autoconhecimento, dedicação, aprendizado e prática”.

Os 4 perfis comportamentais

Comportamento pode ser entendido como atividade, ação, desempenho, resposta e reação. De outra ótica, comportamento “é qualquer coisa que uma pessoa diz ou faz”. 

Há os comportamentos públicos ou manifestos (visíveis), tais como estudar, exercitar, vender, que são observáveis por qualquer pessoa, inclusive por quem está executando o comportamento. Porém, há também os comportamentos privados, internos (encobertos) e isto não tem nada a ver com intimidade, mas sim, com comportamentos que acontecem “dentro da pele”, como pensamentos, emoções, diálogos internos, sensações. Aqui, mais uma vez, parece ficar evidente a necessidade de “conhece-te a ti mesmo”, como já se encontrava escrito no templo de Delfos.

A seguir e levando em consideração os 4 perfis propostos pela metodologia DISC (o que é?), convido o leitor a refletir sobre si mesmo e sobre as pessoas mais próximas de si. Tais reflexões e práticas irão lhe proporcionar uma visão mais rica e empática dos seus diversos relacionamentos (sentido amplo), tanto no campo pessoal quanto no campo profissional, também, como tem se comportado em determinados contextos.  “Bora experimentar?”

Os 4 perfis segundo a metodologia DISC são:

I)             Dominância;

II)            Influência;

III)           Estabilidade e

IV)          Conformidade.

Cabe salientar que cada perfil está relacionado a uma emoção básica e esta, por sua vez, a uma cor que a representa e a identifica visualmente.  

Qual perfil você representa?

I) Dominância: mais seguro de si e voltado para desafios, tende a ser mais ousado, ativo, rápido, lógico e questionador, logo, sua ênfase está em superar obstáculos e atingir resultados. Valoriza resultados atingidos.

Principais medos: falhar; perder a posição e submeter-se; perder a autonomia.

Cor ligada a emoção: VERMELHO

“Você é assim?”

 

II) Influência: voltado para pessoas, o que tende a ser mais tolerante, receptivo e agradável. Também é seguro de si, principalmente em contextos sociais. Sua ênfase está em influenciar e agregar pessoas. Valoriza o convívio social e as relações. Busca resultados por meio da persuasão.

Principais medos: ser rejeitado; dizer não e ferir o relacionamento; ficar sozinho.

Cor ligada a emoção: AMARELO

“Conhece gente assim? ”

 

III) Estabilidade: este tende a ser mais cauteloso, calmo, atencioso e moderado (o perfil planejador também é voltado para pessoas mas de uma forma mais contida, reservada, diferente do comunicador). Sua atenção está voltada à cooperação e o “fazer juntos”, valorizando assim, o outro. Busca concretizar seus objetivos por meio da organização, persistência e continuidade.

Principais medos: de arriscar e da opinião dos outros; de perder o controle e a segurança.

Cor ligada a emoção: VERDE

“Já pensou no perfil do seu líder direto? ”

 

IV)  Conformidade:  por ser mais voltado para processos, utilizando para tanto a lógica, a concentração e seu poder questionador, tende a ser cauteloso e ao lidar com as pessoas e pode passar uma impressão de frieza e de insensibilidade. Busca resultados através do controle e da exatidão, nutrindo palavras como: organização e qualidade. Ou seja, a palavra de ordem é: fazer certo.

Principais medos: medo de não ter pensando em todas as possibilidades; medo de errar e medo de conflitos.

Cor ligada a emoção: AZUL

“Aquela pessoa que possui mais problemas de relacionamento, já pensou qual o perfil dela e como usar o seu perfil para amenizar tais conflitos? ”

 

Acima descrevemos algumas tendências comuns aos 4 perfis. Não há perfil certo ou errado e é fundamental esclarecer que todos temos características dos 4 perfis em combinação única, o que nos torna seres ímpares e com inúmeras possibilidades de desenvolvimento. Entender o seu perfil (suas “lentes’) já é um belo caminho de autoconhecimento, sobretudo, uma forma eficaz de impulsionar suas mudanças pessoas, entender seus aspectos motivadores, seus talentos, entre outros aspectos importantes.

A análise comportamental por meio da metodologia do DISC envolve conhecer, sob a orientação de um analista comportamental qualificado, as seguintes dimensões do indivíduo:

  • Principais crenças sobre si, sobre o outro e sobre o mundo;
  • Como pensa e age diante de adversidades e desafios, ou seja, seu nível de resiliência.
  • Características comportamentais inatas e desenvolvidas, ou não;
  • Características comportamentais desenvolvidas por adaptação ao meio.
  • Principais grupos de talentos;
  • Combinação das áreas percebidas de competência, motivos e valores que a pessoa não abandonaria e representa o seu verdadeiro “eu”;
  • Principais motivadores, propósito e valores.

 

E você, quais caminhos adotou para se conhecer melhor? Conhece a metodologia DISC? Se identificou com qual perfil lá em cima?

GOSTOU? COMPARTILHE!

 Sobre Jaqueline da Selva: saiba mais

Sobre Leandro Zavam: saiba mais

As opiniões veiculadas nos artigos de colunistas e membros não refletem necessariamente a opinião do Administradores.com.br.

Avalie este artigo:
(1)
Tags: autoconhecimento coaching comportamento crenças Disc Jaqueline Selva Leandro Zavam liderança medos motivação pefil relacionamento resiliencia resultados talentos