Uma vida além dos limites

Tenha uma vida além dos limites, com projetos de vida que proporcionem tranquilidade ao coração.

iStock

O que é uma vida além dos limites? O que pensamos sobre limites?

Vejo limites, muitas vezes, como muros a serem transpassados para se chegar a um destino planejado. Os muros da vida real, geralmente, são pessoas mais próximas, com opiniões diversas referentes a projetos de vida ou a planos de negócios/carreira, transmitindo mensagens de excesso de cuidados ou inviabilidades. Outros muros são os próprios obstáculos pertinentes ao projeto em si, como os financeiros, os estratégicos, os logísticos etc.

Passar por todos esses empecilhos até chegar ao destino planejado consiste em ir além dos limites e, em geral, são poucos os que aplaudem a conquista alheia, a chegada ao objetivo do sonhador. Na História, os homens considerados grandes, como Nikola Tesla, Abraam Lincoln, Nelson Mandela, Getúlio Vargas e Ozires Silva, assim o foram pela contribuição dada à sociedade com os projetos que realizaram, ou pelo legado intelectual com que modificaram estruturas sociais. Ainda pensando na História, nem todo o legado ou a contribuição de um indivíduo ficou na memória das pessoas, ou foi registrado em livros/periódicos. Houve contribuições esquecidas com o tempo.

Viver além dos limites, hoje, parece limitar-se apenas à grandeza de um projeto pelo retorno (financeiro) que pode proporcionar. Contudo, quem pensa assim está equivocado, exceto se o foco for no empreendedorismo, uma outra linha de estudo. A abordagem aqui presente tem foco no projeto de vida, aquilo que arde no coração e que só se aquieta quando posto em prática, sem vislumbrar méritos ou requerer direitos.

Muitas pessoas conhecidas por deixarem contribuições foram simples e visionárias quanto à chama de seus corações; mostraram-se, duras ao abdicarem dos sonhos ou projetos, felizes por terem concluído, mesmo sem dinheiro e direitos sobre tais estudos/projetos. Viveram sem luxo, morreram sem créditos (considerando a visão atual de Capitalismo), porém fizeram mais do que nossa sociedade, abundante em recursos e estruturas de cunho intelectual. Insistiram, anos a fio, em suas teimosias, a despeito da sucessão de fracassos; foram pacientes e persistentes. Caminharam a sós, ou com pouquíssimos amigos; não porque gostassem da solidão. Atualmente, vemos os frutos de seus esforços; no entanto, infelizmente, muitos acreditam que sejam oriundos de uma evolução científica inexplicável e fantasiosa, ou da Revolução Industrial/científica que, de tão evoluída, não tem cérebros (pessoas colaboradoras das evoluções). Surge, então, a sensação de ter sido fácil chegar aonde estamos quanto aos inventos e às contribuições desses indivíduos na sociedade.

A paz e a felicidade podem estar no caminho mais simples. Os direcionamentos do Capitalismo não podem ser um livro de regra único; afinal, quais eram as regras dos visionários e dos sonhadores? A princípio, eram persistência, paciência e foco, apesar de existirem dificuldades. Há muito mais para aprendermos com eles e colocarmos em prática - iniciando com os recursos disponíveis, mesmo que sejam simples. No mais, o tempo e nossa percepção encarregar-se-ão de dar continuidade, até que seja concluído o projeto de vida, seja em nossa geração, seja na vindoura.

Avalie este artigo:
(0)
As opiniões veiculadas nos artigos de colunistas e membros não refletem necessariamente a opinião do Administradores.com.br.
Tags: além do limite evolução científica fracassos históricos não complexa sonhador visionário

Fique informado

Receba gratuitamente notícias sobre Administração