Mais comentada

Você não quer exercer "a profissão mais importante do futuro”, como diria Bill Gates?

Torne se um Trabalhador de Conhecimento (Kowledge Worker)

Se você é ou quer ser um gestor empresarial, você deve conhecer o negócio da empresa, as necessidades dos stakeholders e resultado do seu desempenho; para se sair bem você precisa tomar decisões, resolver problemas ou gerar ideias; a “massa crítica” vem da informação – portanto, o gestor precisa saber utilizar a informação - analisar, sintetizar e transformar a informação em conhecimento que gera aprendizado – fator de sucesso para poder crescer.

Como disse Peter Senge, pesquisador norte-americano que montou um sistema que permite à empresa disseminar a informação por toda a organização: “O futuro das organizações dependerá cada vez mais de sua capacidade de aprender coletivamente”.

Se nós assimilarmos o fato de que uma organização aprende mais em um dia do que uma pessoa é capaz de aprender em toda sua carreira, podemos imaginar que a produtividade do conhecimento é a principal preocupação dos gestores do século XXI.

Se houver consenso de que uma das características que mantém a empresa competitiva é o grau de seu conhecimento, a empresa deve pensar na implementação de um processo que preserve o conhecimento.

A empresa sempre irá depender dos seus colaboradores para a aplicação correta desses conhecimentos, mas não pode ficar na dependência deles.

Se levarmos em consideração que, em 2020, o conhecimento estará duplicando a cada 83 dias (atualmente, já duplica a cada 4 anos), ficará clara a necessidade de gerenciá-lo.

Gerenciar esta avalanche passou a ser uma oportunidade para criar um diferencial competitivo, em uma economia mundial conectada e impulsionada pela Tecnologia de Informação Comunicação - TI, que veio para ficar; surge aqui a Gestão do Conhecimento.

Quais são os principais objetivos da GC?

A GC tem como foco principal, conforme a área de aplicação, divulgar as melhores práticas de gestão empresarial, aumentar a produtividade, melhorar a colaboração entre grupos de projetos e oferecer um produto ou serviço diferenciado; em outras palavras, criar uma vantagem competitiva, aumentar o lucro e sustentar o crescimento.

Quais são as fontes de conhecimento da empresa?

A fonte principal de conhecimento é a própria organização (“a cabeça dos
colaboradores") e, em seguida, o Cliente.

Dados empíricos dizem que 70% do conhecimento externo sobre seus concorrentes, clientes e produtos/serviços já são de domínio da empresa.

Por outro lado, foi identificado que 80% de informação e conhecimento, necessários para gerenciar uma empresa, não estão armazenados em seus bancos de dados.
O foco mudou de disseminação da informação para o uso da informação “Uma pessoa pode até receber mais informações graças à tecnologia, mas, se não possuir a capacidade necessária para aproveitá-las, não adianta.” (Peter Senge)

O que a Gestão do Conhecimento – GC (Knowledge Management) faz?

Apenas "saber" sobre algo não proporciona, por si só, competitividade. Quando incorporada à gestão é que a informação faz a diferença. A criação e a implantação de processos que armazenem, gerenciem e disseminem o conhecimento representam o mais novo desafio a ser enfrentado pelas organizações.

GC presume que todo o conhecimento existente na empresa, seja na cabeça das pessoas, seja nas veias dos processos, pertence também à organização; em contrapartida, todos os colaboradores que contribuem para esse sistema podem – e devem (!) usufruir de todo o conhecimento presente na organização.

GC capta, categoriza, interpreta e dissemina a informação, interna e externa.

GC transforma dados em informação, informação em conhecimento, conhecimento em ação, ação em resultado.

GC atua como um sistema de adquirir, compartilhar e utilizar conhecimento.

GC amplia as possibilidades de aprendizagem para indivíduos e organizações.

GC incentiva o hábito de compartilhar o conhecimento.

Quando criar a Gestão do Conhecimento?

GC é um fator crítico para qualquer organização, que tenha grandes
volumes de dados a processar com o objetivo de torná-los úteis e
acessíveis às pessoas.

O conhecimento deve estar disponível a todo instante, a um clique de nossas mãos.

Quais são os fatores críticos na implantação da GC?

Em primeiro lugar, o patrocínio da alta gestão, que facilita a "venda" do
projeto GC para os colaboradores, uma vez que ela ocorre de cima para
baixo.

Em segundo lugar, vem o treinamento dos colaboradores, com o propósito de educar para assimilar a importância de gerar e compartilhar conhecimento através de softwares de GC.

Como implantar a GC?

Planejar, antes de iniciar; ou seja, evitar o hábito de "vamos começar e ver o que vai dar".

Sugiro um processo de três passos:

1 – Configurar a GC

Experiência mostra que 80% do conhecimento que a empresa precisa já existem na organização; o desafio da GC é criar uma infraestrutura que permite acessar o conhecimento, criar o hábito de compartilhá-lo e de mantê-lo dentro de “casa”, mesmo depois que um colaborador deixa a companhia.

A GC pode ser iniciada por práticas simples como a organização de informações em bibliotecas, acessíveis a todos os colaboradores (p. ex.: criação de "wikipédias" relacionadas com as atividades ou processos de uma organização).

2 – Consultar a GC

A GC presume que todo o conhecimento existente na cabeça das pessoas pertence também à organização. Por outro lado, os colaboradores devem usufruir do conhecimento disponível na organização.

A GC é uma fonte fundamental para otimizar práticas corporativas em áreas como: diferenciação estratégica, agilidade e assertividade na tomada de decisão, otimização de processos, redução de custo e aumento de receita.

3 – Capitalizar a GC

O papel da TI na GC consiste em ampliar o alcance ao conhecimento e acelerar a velocidade de transferência do conhecimento. Os softwares de GC facilitam a captura e a estruturação do conhecimento, disponibilizando esse conhecimento em uma base compartilhada por toda a organização.

Onde aplicar a GC?

As principais áreas de aplicação da GC são Planejamento Estratégico, Produção, Desenvolvimento de Produtos, Vendas e Serviços ao Cliente.

Quais são os softwares da GC?

As pessoas usam softwares com informações que permitem a sua organização operar de forma mais eficaz, desde a loja de varejo, onde o colaborador utiliza um scanner handheld para acompanhar o inventário, ao gestor que usa a Business Intelligence – BI, software para conduzir o negócio.

Saber utilizar estes softwares se tornou um alicerce fundamental para o sucesso em praticamente qualquer carreira.

Geram-se análises em tempo real para todos os níveis da empresa, como Enterprise Resource Planning – ERP ou Customer Relationship Management – CRM.

Se aproveitarmos todo o avanço da TI como aliado, a GC recebe um impulso vital no sentido de ligar fontes e usuários e de aumentar o aprendizado “on-the-job”, em cada nível da organização.

Como disseminar?

A ferramenta mais indicada, em razão de sua simplicidade, para disseminação do conhecimento nas organizações ainda é a web organizacional (sistemas de informação na intranet da organização), seguida por portal corporativo, que permite a gestão de toda informação organizacional.

Durante o processo de desenvolvimento de um sistema de informação integrado, um dos grandes aliados da GC é a arquitetura da informação, onde a preocupação com as interfaces para disseminação da informação é um fator fundamental para reduzir a entropia (estado de desordem natural das coisas) em um conjunto muito extenso de dados.

Para organizar e transferir conteúdos em um projeto de GC o certo é criar uma base de conhecimento e encaminhar o usuário a um gestor que detém o conhecimento que ele necessita.

Quem deve trabalhar na criação de uma GC?

Os Fatores Críticos de Sucesso em projetos de GC são o patrocínio da alta direção e a educação dos colaboradores. Por mais que a GC esteja em funcionamento com todo o apoio da TI, somente as pessoas podem tirar proveito disto.

Dois tipos de profissionais entram em cena: os que são capazes de extrair,
organizar e gerenciar o conteúdo do conhecimento e os especialistas em
cada assunto, que decidem o que deve ser armazenado.

Apesar do avanço da TI, as pessoas ainda são os melhores meios para identificar, categorizar, filtrar, interpretar e integrar a informação.

As áreas que mais se envolvem com a GC são a Alta Gestão, Gestão Humana, Marketing & Vendas e TIC.

Comportamentos positivos como compartilhar informação e obter conhecimento a partir dela são fundamentais para capitalizar nos negócios.

Surge aqui a figura do profissional do futuro que já começou: Mestre em Gestão do Conhecimento e da Tecnologia da Informação; já se percebe uma tendência das empresas de fazer dos colaboradores “profissionais de conhecimento” (knowledge workers) – “a profissão mais importante do futuro” (Bill Gates).

Qual é o papel do “Trabalhador de Conhecimento – profissão mais importante do futuro”?

O Trabalhador de Conhecimento influencia decisões sobre objetivos, estratégias, prioridades, pessoas, organização e monitoramento da gestão empresarial através de competências como:

 Atitude Empreendedora – querendo ousar, inspirar, mover;

 Curiosidade – sabendo buscar informação e conhecimento como fontes de aprendizagem;

 Colaboração – compartilhando o que sabe e cocriando ideias novas;

 Comprometimento – responsabilizando com o resultado coletivo;

 Solucionador – prevenindo e/ou identificando conflitos e problemas;

 Comunicador – sabendo escutar, se expressar e orientar;

 Idoneidade – praticando o que prega;

Em outras palavras, o Trabalhador do Conhecimento analisa e relaciona dados e informações com os seus conhecimentos do negócio e sua especialização na área de atuação, comunica-se intensamente com a organização e utiliza o conhecimento de todos na busca de inovação e resultado.

Para maximizar o potencial é preciso dar ao Trabalhador de Conhecimento um espaço que lhe permita acessar o conhecimento, adicionar o conhecimento e transformá-lo em valor e riqueza.

Tornando o conhecimento útil e disponível, possibilitando o compartilhamento de conhecimento em todos os níveis e a disseminação de melhores práticas, tecnologias e cases de sucesso facilita criar um diferencial competitivo da organização.

Qual é o mais novo Cargo Executivo cobiçado?

Na ponta, as empresas já estão cobiçando o Chief Knowledge Officer– CKO (Diretor do Conhecimento), responsável pela gestão do Capital Intelectual da empresa, combinando gestão de pessoas com gestão de TIC. "O CKO é um perfil bastante difícil no mercado e começa a ser muito procurado", diz o headhunter Antonio Enéas Reis, da DPS Consult.

Quais são os principais resultados obtidos com a GC?

Pesquisas indicam como principais resultados: melhor aproveitamento do conhecimento já existente, melhor diferenciação em relação aos concorrentes e mais agilidade na tomada de decisão (time-to-market).

Até pequenas empresas, com sistemas gerenciais compatíveis com a ambição de crescer com lucro, aumentaram sua participação no seu segmento e melhoraram a sua rentabilidade.

Sistemas de gestão empresarial, bem implantados, trazem resultados com alto retorno.

A Tecnologia da Informação e Comunicação – TIC não é mais privilégio de grandes empresas. O desenvolvimento de novas tecnologias tem barateado os seus custos, sem sacrificar o seu rendimento.

Como transformar conhecimento em ação e negócio?

Torne-se um Trabalhador de Conhecimento (Kowledge Worker)

“a profissão mais importante do futuro” (Bill Gates)

No mínimo, fazendo alusão a Confúcio (figura histórica, mais conhecida na China como filósofo e teórico político), vai servir para “saber a extensão da própria ignorância”. 

Avalie este artigo:
(0)
As opiniões veiculadas nos artigos de colunistas e membros não refletem necessariamente a opinião do Administradores.com.br.
Tags: Conhecimento, gestão de conhecimento, knowledge management, knowledge worker, trabalhador de conhecimento,

Fique informado

Receba gratuitamente notícias sobre Administração