A ética no cotidiano escolar

O artigo vem abordar a ética na escola. Faz-se a diferença entre os conceitos de ética e moral. Depois, como a ética é concebida e definida pelos educadores. Pesquisamos sobre: "Como a ética permeia as relações sócio-educativas entre os professores desta instituição denominada escola?

Jaqueline Oliveira,
JUSTIFICATIVA

Busca-se que este projeto lançar oportunidades de diálogos, a propósito de uma construção da consciência ética. Portanto ele tem a finalidade de promover dentro da escola uma conscientização sobre o que é Ética e como ela influencia a cidadania e as noções de convívio social. Desenvolver este espírito em meio a uma sociedade altamente corrompida, distanciada dos princípios de valores que fundamentam uma sociedade justa é o grande desafio do projeto. Dentro deste bojo a ética, a democracia, os diretos humanos e a inclusão social são temáticas prioritárias das ações coletivas nesse início do século XXI, principalmente aquelas desenvolvidas na escola que serão pontes para as futuras, como cidadãos ativos rumo a sociedade posterior.

Entendendo a ética e a moral

Deve-se fazer a distinção entre ética e moral, já que estas duas palavras são empregadas como sinônimos (mores, no latim, e ethos, no grego) uma vez que as duas indicam um significado comum, trazendo à idéia de costume. De acordo com o Dicionário Aurélio Buarque de Holanda, ética e moral:

o estudo dos juízos de apreciação que se referem à conduta humana susceptível de qualificação do ponto de vista do bem e do mal, seja relativamente à determinada sociedade, seja de modo absoluto (. p.300; p.471).

Embora as palavras que tenham a mesma origem etimológica, os conceitos de ética e moral incorporam significações diferenciadas.

Na filosofia faz-se uma distinção entre eles, definindo a moral como um conjunto de princípios, crenças, regras que orientam o comportamento dos indivíduos nas diversas sociedades, e a ética como a reflexão crítica sobre a moral.

Depois da distinção este artigo vem discutir como a escola vem trabalhando com a ética, já que os projetos pedagógicos, em sua maioria, têm como objetivo tornar os educadores cidadãos conscientes, capazes de interferir no meio em que vivem, mostrando-lhes o senso crítico e a autonomia.

A moral na escola se apresenta através de regras, normas a serem cumpridas.

A escola ainda é o principal caminho para se discutir questões éticas uma vez que o ambiente escolar está repleto de possibilidades que evidenciam a ética como necessária e capaz de permitir um relacionamento mais amistoso entre os atores educacionais. No entanto, a escola não conseguirá responder a todas as questões levantadas quando se trata de ética, nem deverá se considerar um fracasso por não conseguir atingir o objetivo.

A visão dos educadores

Durante a formação continuada realizado pelos professores atuantes nas escolas públicas municipais de Minas Gerais na cidade de Paracatu, optou-se por abordar a questão da ética na escola. Como a ética permeia as relações sócio-educativas entre os professores desta instituição denominada escola? Qual a função da ética no cotidiano escolar?

Essas foram às questões norteadoras das discussões que se estenderam às escolas e permitiram então, a possibilidade de tratar temas e propostas colocadas nos projetos pedagógicos com a ética na educação.

Presença constante nas falas dos educadores, serem ético pressupõe uma carga de obrigatoriedade e compromisso para com o outro. Com a ética, esta no espaço escolar a necessidade de reconhecimento dos sujeitos.

Para os educadores, a ética é vinculada como norteadora do comportamento dos professores, das ações e atitudes que estes praticam no ambiente escolar permitindo assim, o diálogo constante na numa melhor forma de resolver os problemas educativos.

Ser ético para a maioria dos educadores é estar aberto ao diálogo, uma vez que acreditam que ele é uma poderosa ferramenta para a formação de cidadãos conscientes, críticos e responsáveis. Esse estado de ser ético, também possibilita ao educador atuar de forma digna na execução de sua profissão construindo saberes no seu cotidiano.

A ética é a responsável pela possibilidade atribuída à escola de conduzir o ser à condição de crítico e responsável pelos seus atos.

Respeitar a liberdade do outro é conhecer os direitos e deveres de cada um dos professores do ambiente escolar. Para Kant, na escola ninguém tem privilégios, mas apenas direitos. Ela corporifica assim, o local privilegiado que permite ao ser reconhecer a sua função social no mundo, compreendendo sua posição, se de explorado ou de explorador, midiatizado ou midiatizado.

No entanto, proporcionar ao educando tornar-se um cidadão crítico, autônomo, capaz de interferir e dialogar com o meio em que vive parece não ser tarefa fácil. Uma das alternativas para a escola é criar condições para que isso possa ocorrer, proporcionando espaços para discussão, não ficando presa apenas a questões individualistas e autoritárias. A escola pode se tornar o ponto de partida para uma melhor intervenção do homem no seu meio social e servir como suporte para então ampliar o leque de discussão, da escola, para o bairro, para as associações de moradores, para os órgãos públicos e assim por diante.

Os educadores participantes das discussões evidenciaram ainda a ética como construtora da felicidade humana baseada na liberdade e no respeito às diferenças individuais.

Todos têm direitos e deveres no meio em que vivem. Cabe a escola questionar como eles se apresentam.

Alguns pressupostos estão vinculados à ética como a justiça, a solidariedade, o respeito e o diálogo. Temas importantes para serem inseridos nas aulas de diferentes.

Há de ser questionado como despertar no educando a noção de justiça. A escola pode criar situações onde seja exercitada a criatividade do educando oportunizando-lhe a distinção entre um ato justo e um injusto. Fazer essa distinção na escola faz com que o professor reflita sobre a diferença e possa a partir de suas vivências criar relações que exemplifiquem tais questões.

A escola pública possui uma diversidade cultural, étnica, religiosa, sexual e social muito grande. Nesse contexto, a solidariedade assume um lugar de comprometimento com o aprendizado. Ser solidário no ambiente escolar é respeitar as diferenças que constituem o professores não ocultando a sua existência, mas trabalhando estas diferenças no coletivo a solidariedade. A partir dela, os educadores sentiram-se mais confiantes no que realmente podem ser enquanto profissionais da educação comprometidos com a vida de cada um de seus alunos. Manter o diálogo em sala de aula é uma atividade muito importante para criar condições de discussão, sobre temas relacionados a questões sociais, políticas e econômicas. Essas discussões criam conceitos ou até mesmo constroem outros a partir da vivência de cada um.

Conclusão

A distinção que se faz entre ética e moral têm a intenção de mostrar o caráter crítico da reflexão, que permite um distanciamento da ação, para analisá-la constantemente e reformulá-la, sempre que necessário.

Isso não significa, entretanto, que seja abstrata, ou metafísica descolada das ações concretas. A crítica é provocada, estimulada, por problemas, questões-limites que se enfrentam no cotidiano das práticas. A reflexão ética só tem possibilidade de se realizar exatamente porque se encontra estreitamente articulada a essas ações sociais. É nessa medida que se pode afirmar que a prática cotidiana transita continuamente no terreno da moral, tendo seu caminho iluminado pelo recurso à ética.

No contexto escolar, âmbito de diversos professores, a ética faz-se presente em momentos imensuráveis, uma vez que está vinculada às relações que se processam entre esses professores.

Assim, os professores da rede pública municipal compreendem por ética as relações estabelecidas entre os seres humanos e a valorização das relações interpessoais, buscando o respeito mútuo criando um espaço de discussão, aberto ao diálogo possibilitando aos envolvidos no processo de ensinar e aprender a compreensão da ética como eixo condutor das atitudes morais.

Referências Bibliográficas

BRASIL. Parâmetros Curriculares Nacionais: Temas Transversais. Brasília: MEC/SEF, 1997.

FERREIRA, Aurélio Buarque de Holanda. Novo Dicionário Brasileiro da Língua Portuguesa. São Paulo: Melhoramentos, 1973.

SÁ, Antônio Lopes de. Ética profissional. 4. Ed. São Paulo: Atlas, 2001.

Avalie este artigo:
(0)

Curta o Administradores.com no Facebook
Acompanhe o Administradores no Twitter
Receba Grátis a Newsletter do Administradores

As opiniões veiculadas nos artigos de colunistas e membros não refletem necessariamente a opinião do Administradores.com.br.
Tags: Diálogo Educação Ética