A importância do professor no desenvolvimento pessoal e profissional de qualquer pessoa

Veja como um mentor inteligente pode contribuir para o sucesso e crescimento de seus pares

Ensinar é uma das atividades mais nobres a ser desempenhada pelo ser humano. Aqueles que se dedicam a incorporar essa notável incumbência herdam um tesouro eterno e absolutamente glorioso. Desta forma, todo educador é dotado de qualidades extraordinárias que o fazem ser majestoso, criativo, único e poderosamente transformador, porquanto é capaz de influenciar positivamente os outros e elevar essas vidas para um patamar colossalmente ínclito. Usando palavras trocadas, o professor exerce uma tarefa muito importante diante da sociedade por lidar com a formação de seus pares, fazendo com que eles evoluam significativamente por intermédio de ações assertivas, sábias e tipicamente planejadas.

Mas afinal de contas, o que é lecionar? É fazer com que um adolescente pense por si mesmo e tenha ideias originais e sólidas? É permitir que uma criança descubra seus atributos ocultos e suas capacidades mais magistralmente acentuadas? É saber gerar sonhos nas mentes adultas, de modo que essas passem a viver para concretizá-los com determinação e furiosa glória? É reverenciar os mestres do passado, espalhando suas doutrinas e lições para além das fronteiras da ignorância e da mediocridade? É ter a genialidade de fazer as almas se descobrirem através de pensamentos, textos e exteriorizações sublimes? É ser tolerante, paciente e resiliente com aqueles que possuem dificuldades? É ser exigente, disciplinador e implacável com aqueles que se destacam dos demais? É liderar por meio do exemplo e de condutas éticas e virtuosas? É amar a dignidade humana em todos os aspectos e variações? É incitar alguém a caminhar com as próprias pernas e braços? É tecer críticas e elogios em momentos oportunos e eficientes? É despertar entusiasmo e motivação naqueles que perderam a ânsia e a virilidade pelo saber? É idolatrar a esperança e lança-la na mente e no coração de todos que vivem ao deleitoso e suntuoso redor? Ou são todas essas coisas juntas e mais um infinito punhado que jamais caberia no limitado globo?

Como podemos facilmente inferir, é gigantesca e mui regozijante a responsabilidade de um professor. Seus ensinamentos são capazes de potencializar, petrificar e destronar seus pupilos. Há potencialização quando o supracitado mestre consegue compreender de forma empática e perspicaz a multiplicidade das personalidades que existem em seu meio, procurando estimulá-las para que elas inflamem seus atributos, dons e habilidades para evolução da sociedade e de si mesmas. Há petrificação quando o preceptor apenas exige que seus discípulos repitam processos acadêmicos, não permitindo os tais serem criativos e tampouco inovadores, pois existem tão somente para usarem as ideias alheias (repetição). Em outras palavras, esses indivíduos são proibidos de pensar e vivem andando em círculos viciosos, ociosos e improdutivos que os transformarão em criaturas sem projetos originais e, principalmente, sem uma identidade profissional e pessoal significativa. Há destronação quando o tutor é omisso, negligente e apático diante de sua classe, agindo de forma amadora e incompetente em sua função. Esse sujeito é inimigo mortal da esperança, algoz supremo do desenvolvimento e excelso vilão do entusiasmo, gerando pessoas desmotivadas, infelizes e completamente frustradas diante de sua insipiente e maligna doutrina.

Então, juntando todos esses elementos, podemos dizer que o professor é como um técnico de futebol, isto é, seus jogadores são responsáveis por criar os lances e fazer os gols, porém é a estratégia dele que facilitará ou dificultará a construção do referido resultado. Assim, não adianta ter os melhores atletas, a melhor torcida e o melhor estádio se a tática não for eficaz e perfeita. No jogo da vida, a estratégia mais assertiva é a do amor. Só ela é capaz de formar bons alunos e professores, fazendo com que o ensino ultrapasse os muros da escola e se eleve para além dos cenários banais e predeterminados do mundo.


O que é um ensino de qualidade?


Quando o professor é apaixonado apenas pelas teorias e gosta de ensiná-las de forma chata e complexa ele terá sempre um público insatisfeito e triste. Seus ouvintes o ouvirão apenas por mera obrigação. Isso é muito cruel e deprimente, pois uma pessoa de grande sabedoria sairá de casa todos os dias para encontrar com outras que não apreciam seus ensinamentos, ou melhor, a forma como eles são enfadonhamente externados. Ora, um professor deve ser como Charles Chaplin para fazer todos se divertirem e se amarem com pouco ou nenhum recurso tecnológico. Deve ser como o filósofo Sócrates para dividir experiências e trocar princípios com total sinceridade e destemor. Deve ser como Michelangelo para colorir a vida dos outros com desenhos que vão muito além da tinta e dos maravilhosos traços da criatividade. Deve ser como a ingênua imaginação infantil que é capaz de criar castelos e heróis imortais.

E por quê? Simplesmente por que ensinar é ser arquiteto, é ser escultor, é ser pintor, é ser ator, é ser mágico, é ser tenor, é ser maestro, é ser cantor, é ser líder, é ser desbravador, é ser poeta, é ser descobridor, é ser tudo, é ser nada, é ser galante, é ser errante, é ser disciplinado, é ser apaixonado. Por isso, o professor jamais pode se contentar em ser tão somente um propagador de ideias, um avaliador de provas, um controlador de frequências, um dominador de cronogramas e aulas.

O melhor professor que tive não se formou em nenhuma universidade, não escreveu nenhum livro, não compartilhou nenhum artigo científico, não escreveu o reverenciado TCC, não elaborou nenhum plano de aula, não foi palestrante, não foi orador de seminários, não frequentava o laboratório de pesquisas, não sonhava em fazer mestrado e doutorado, não tinha o desejo de aumentar o salário e o status, nem de receber uma justa promoção, não exercia seu poder embora pudesse, não usava a força de sua patente, pois jamais precisou dela, enfim suas glórias não habitavam as coisas do mundo externo e sim de sua inoxidável galáxia interna, onde os tesouros brilhavam feitos raros e eminentes diamantes.

Eu me lembro do pior professor que tive. Ele adorava mostrar seus diplomas e condecorações. Suas aulas serviam para valorizar os conceitos impossíveis e improdutivos que só ele compreendia. Seus métodos de avaliação serviam somente para baixar a autoconfiança e a autoestima dos alunos e nada se aproveitou naquele ano terrível e assustador ao qual contemplamos a verdadeira e horripilante face do diabo.

Com o tempo, percebi que os grandes mestres devem saber desafiar, valorizar e entusiasmar seus alunos e que de nada adianta possuir uma vasta estrutura se ela não ostentar um âmago peculiarmente nobre e proeminente. Usando letras diferentes, o professor deve ser alguém capaz de mudar a vida de cada pessoa que encontra, transformando seu espaço em uma atmosfera de aprimoramento intelectual e pessoal eterno.

Assim, a educação é mais do que um simples ato, mas uma portentosa filosofia de vida capaz de elevar as virtudes humanas para patamares esplêndidos e tremendamente revigorantes.


Características de um exímio mestre


• Saber identificar as fraquezas e forças de seus alunos para otimizar os pontos fortes e diminuir/eliminar os pontos fracos;
• Saber ouvir e escutar atentamente a todos, buscando enriquecer o nível da sala por meio de interações inteligentes e astutas;
• Se atualizar constantemente através de cursos, treinamentos, workshops, networking, palestras, congressos, seminários, dentre outras formas de absorção de conhecimentos;
• Saber diferenciar os princípios, crenças e culturas de cada indivíduo em particular;
• Ter referências profissionais para inspiração e sequência de trabalho;
• Encorajar os alunos a exporem suas ideias e críticas;
• Adaptar a linguagem ao contexto específico da sala;
• Reconhecer no dia a dia as diferenças entre o que foi ensinado e o que foi efetivamente aprendido;
• Moldar os conteúdos para que eles sejam descontraídos, criativos e representativos para todos;
• Incitar os alunos a serem curiosos e a buscarem a investigação de fenômenos com avidez e total tenacidade;
• Definir as metas a serem alcançadas e prover meios para executá-las de forma eficaz e absoluta;
• Possuir otimismo frente aos obstáculos e jamais permitir que esses eventos refratários o afaste da verdadeira essência docente, que é lecionar com esperança, alegria e demasiada força de vontade;
• Ser exemplo de idoneidade, compromisso, honra e caráter para todos;
• Entender a necessidade de trocar a pressão pela segurança, a melancolia pelo bom humor e a mesmice pela irreverência;
• Reconhecer e aprender com os alunos lições e condutas magníficas;
• Compreender a importância de agir com o coração para que os alunos emocionalmente fracos tenham com quem contar em momentos obscuros e descontentes;
• Fazer com que o ambiente seja democrático para que aluno e professor sejam parceiros na construção dos conhecimentos;
• Ter paixão para que as aulas sejam ministradas com a alma de um genuíno mestre da educação;
• Inflamar os aprendizes para que eles acreditem fielmente em seus dotes e aptidões intrínsecas;
• Procurar mesclar a teoria com a pratica para que os conteúdos sejam mais próximos da realidade e da simplicidade;
• Transmitir mensagens objetivas, claras e versáteis;
• Ser humilde e compartilhar os próprios defeitos e erros;
• Ser valente e compartilhar as próprias virtudes e acertos;
• Incentivar a união da sala para que seja criado um ambiente harmônico e elevado;
• Aprender a gerar uma doutrina original, livre das amarras da ignóbil insipiência;
• Fazer de cada dia uma nova e enriquecedora caminhada;
• Ter veneração pelas mudanças e aversão aos cenários ultrapassados e inúteis;
• Preservar pensamentos positivos e serenos regularmente;
• Crer que cada pessoa é especial e cuidar para que elas jamais se esqueçam disso;
• Administrar os conflitos do ambiente escolar e tentar equacioná-los (ao menos parcialmente);
• Se dedicar a causa docente com todo entendimento, aura e coração.


Transmitir o saber é um ofício maravilhoso, jubiloso e peculiarmente majestoso. No entanto, quem deseja realizar essa importante ação deve estar muito bem preparado para executar sua função por intermédio de atitudes diferenciadas, eficazes e positivas. Para todos os efeitos, mais importante que os títulos, a experiência profissional e a didática moderna é a capacidade de amar o próximo. É ela que separará os grandes dos pequenos, os poderosos dos previsíveis e os transformadores dos amadores.

Quando compreendermos intimamente essa portentosa questão poderemos contemplar a essência da vida que se faz presente no núcleo mais brilhante e ovante da Terra: a esplendorosa e preclara educação.

Avalie este artigo:
(0)
As opiniões veiculadas nos artigos de colunistas e membros não refletem necessariamente a opinião do Administradores.com.br.
Tags: carreira conhecimento crescimento desenvolvimento professor sabedoria trabalho

Fique informado

Receba gratuitamente notícias sobre Administração