Mais comentada

A tensão do mundo frente a tenção dos Estados Unidos – Síria – Coreia do Norte e a Rússia

A tensão do mundo x as intenções dos EUA, Síria, Coreia do Norte e Rússia.

Para uma melhor compreensão do texto, iniciamos com as definições de “tensão” e “tenção”. Segundo o dicionário priberam: “tensão” seria o estado do que está ou é tenso; enquanto “tenção” seria o ato da vontade pelo qual formamos um projeto, propósito, intento. Dessa forma, observamos uma tensão global toda vez que se ouve falar nas investidas dos Americanos contra ações dos países como a Síria, Coreia do Norte e seus aliados, ações essas que julgam ser desnecessárias e que venham a favorecer atos terroristas.

Há duas semanas, o mundo acompanha aflito as relações não muito amistosas entre os Estados Unidos da América, Síria, Coreia do Norte e a Rússia. Desde a posse do atual presidente Donald Trump, adotando uma linha mais dura e pouco diplomática para o seu governo, as tensões e/ou as tenções entre esses países só aumentam.

Com a morte de Kim Jong-il, na Coreia do Norte, em Dezembro de 2011, o sucessor Kim Jon-un vem, possivelmente, acelarando o processo de testes nucleares na península norte coreana. Talvez, por tratar-se do país mais isolado do mundo, sua intenção real fosse apenas aguçar os olhares, as atenções do mundo, como quem diz: “hei! Nós existimos”, sendo pouco provável uma ameaça efetiva aos Estados Unidos, ou a qualquer outra nação.

Acontece que Kim Jon Un alcançou a atenção desejada em um momento, digamos, não muito favorável a suas “intenções”. Como observamos, após as ações do Estados Unidos na Síria, as relações com a Rússia ficaram estremecidas e adivinha com quem a Coreia do Norte faz fronteira? Exatamente! Com a Rússia.

Sob a justificativa de que a Síria encontra-se imersa em uma guerra civil e posicionada geograficamente favorável a uma resposta rápida ao combate terrorista, os Estados Unidos vêm apoiando a oposição, mantendo-se contra o regime ditatorial de Bashar al-Assad. Após a Síria haver sido alvo de um bombardeio na semana passada, as tensões, ou tenções entre os dois países e os seus aliados intensificaram-se.

O governo Sírio tem como o seu principal aliado a Rússia, cujas relações históricas com os Estados Unidos não são as mais cordiais. Já a Coreia do Norte possui fronteiras com a China, teoricamente, sua principal aliada, e a Rússia, que já alertou aos Estados Unidos que não irá tolerar ações contra o vizinho Norte Coreano.

São apenas tensões “estratégicas” ou já caminhamos para um processo mais profundo de outras tenções? O que aconteceria com a Coreia do Sul, Japão e China, caso houvesse um ataque na região? Estaríamos entrando em um conflito aberto, generalizado? Seguimos acompanhando os próximos passos.

Avalie este artigo:
(0)
As opiniões veiculadas nos artigos de colunistas e membros não refletem necessariamente a opinião do Administradores.com.br.

Fique informado

Receba gratuitamente notícias sobre Administração