Acostumamos a Desacostumar das coisas

Reflexão sobre desacostumar das coisas que nos ajudam a crescer e conquistar nossos objetivos e o acostumar com o conformismo e a reclamação.

Chovia torrencialmente, era cedo da manhã, estava frio e ainda estava escuro quando vi algumas crianças correndo até a entrada do condomínio para esperar o ônibus escolar, pensei logo na dificuldade daquele momento.

Por um instante puxei nas minhas memórias afetivas e me lembrei de quando era uma criança, também levantava cedo, colocava o uniforme da escola, vestia aquelas botas de borracha (e não me preocupava se não eram esteticamente lindas), pegava o “guarda-chuva pequeno” e saia com meu irmão mais velho, o dia ainda escuro, às vezes frio, caminhávamos até a escola, em uma época onde não pensávamos em dificuldade, mas no que nos esperava.

Acostumamos com a rotina, com o horário, com o uniforme, com a chuva, com o calor, acostumamos a caminhar 40 minutos para ir até a escola e mais 40 minutos para voltar. Chegar em casa era dinâmico, havia muita coisa para contar e nossa única reclamação era do horário de dormir.

Nesse conjunto de memórias pude reviver momentos de muita determinação, foram dias intensos, nunca julguei duros, continuava levantando cedo, dessa vez o uniforme era o da empresa, podia escolher minhas próprias botas, não saia mais com meu irmão, agora era acompanhada de pessoas estranhas e ao mesmo tempo conhecidas, estavam no mesmo ônibus, no mesmo horário, independente da chuva ou do sol.

Carregava comigo muitas coisas para dar conta do dia, vendia o vale-refeição para pagar uma parte da mensalidade da graduação, dependia do horário de cinco linhas de ônibus, torcia para ter lugar para sentar porque minhas mochilas atrapalhavam a passagem das pessoas e também porque podia antecipar a leitura da semana.

Acostumei a ver os mesmos rostos, a carregar mochila pesada, a levar mais cadernos do que eu realmente precisava, acostumei a esperar os colegas para ter carona até a parada, acostumei a preparar lanche e levar para o almoço. Chegar em casa continuava a ser dinâmico, muitas coisas a compartilhar e nessa fase a única reclamação era de ter somente 24 horas por dia, queria mais, muito mais.

Pela primeira vez pensei que acostumar-se com algumas coisas pode levar você a outro estado de lucidez, enquanto estive acostumada a viver olhando para os acontecimentos como oportunidades, nenhum dia era sobrecarregado, nada era impossível, eu não tinha limitações, não me sabotava, acreditava sempre que poderia fazer as melhores entregas independente da dificuldade.

Hoje desacostumamos da chuva, do horário, do calor, do ônibus, das pessoas, desacostumamos de ver dias intensos e de ver a leveza dos dias, desacostumamos a ver oportunidades nas situações da vida e acostumamos a nos conformar e a reclamar!

Então vou voltar a me acostumar com a vida dinâmica, com as rotinas que me fazem e sempre fizeram crescer, me acostumar com o sol, a chuva, com os rostos, com as mochilas pesadas, com o trânsito doido, com a bagagem que carregamos durante a vida, vou me acostumar a lembrar quem sou e do que sou capaz, e você?

As opiniões veiculadas nos artigos de colunistas e membros não refletem necessariamente a opinião do Administradores.com.br.

Avalie este artigo:
(1)
Tags: #quemsou #soucapaz #vida #viver