Administrando pessoas

Além das ferramentas que fornecem dados para traçarmos as estratégias precisamos saber quem iremos designar pra as tarefas que compõe a estratégia. As escolhas certas podem definir se teremos ou não sucesso

Existem várias ferramentas que fornecem dados para se criar estratégias e buscar os objetivos. Estratégia definida, é preciso colocá-la em prática, considerando que quem executa a estratégia são pessoas. O bom administrador precisa saber colocar pessoas certas nas atividades certas para que a estratégia funcione. Essa, creio ser, a tarefa mais difícil, é necessário conhecer bem as pessoas, suas aptidões e principalmente como se comportam no exercício das tarefas.


A SurveyMonkey uma das maiores empresas de pesquisas online do mundo realizou recentemente pesquisa com profissionais brasileiros. Os dados mostram que quase de 80% dos profissionais brasileiros estão insatisfeitos com seu trabalho. Além disso, é sabido que cerca de 80% dos desligamentos, voluntários ou não, se dão por comportamento, inadequação às tarefas e problemas de relacionamento, e não por incapacidade técnica. É muito difícil, para não dizer impossível, manter motivadas pessoas as quais são designadas para tarefas que não lhe são adequadas. A responsabilidade é de quem administra, ou não?


Muitas empresas investem bastante em consultorias, equipamentos e ferramentas e, até, em capacitação profissional e técnica dos colaboradores, mas nada ou quase nada para saber como as pessoas se comportam, quais as melhores aptidões, se são as mais indicadas para determinadas tarefas, como agem perante do grupo e se conseguem trabalhar em equipe.


Tendo em vista que essas decisões são vitais para o sucesso ou fracasso das estratégias definidas, é sumamente importante que uma parte do orçamento seja direcionada para uma consultoria comportamental que ajudará a descobrir os perfis comportamentais das pessoas da equipe, quais as atividades cada uma pode apresentar, naquele momento, maior rendimento, e se necessário, algumas atividades como dinâmicas e oficinas para que o grupo saiba como é cada colaborador.

Acredito ser muito importante o investimento em consultorias especializadas em comportamento humano. Essas empresas aplicam testes e avaliações que revelam o perfil comportamental, os pontos fortes e fracos, aptidões de cada colaborador, além de identificar problemas na equipe como: motivação, comprometimento, autoestima, comunicação, entre outros, bem como, atividades que ajudam a sanar as deficiências, sugestões de remanejamento e adequação de pessoal às funções e suas tarefas.

Muitos profissionais escolhem o que estudam nas universidades sem um teste vocacional, e sim por influência de pais, amigos e, atualmente, principalmente pelo mercado, sem levar em conta o que realmente gostam de fazer, quais são suas melhores aptidões. Suas carreiras não são planejadas e sim direcionadas à remuneração e os benefícios que a empresa oferece. Ainda paira na mente desses profissionais que trabalhar numa empresa grande é ápice de suas carreiras, pelo status, cesta de benefícios e remuneração.

Já faz algum tempo que as empresas “descobriram” que o investimento em pessoas é muito importante, e distribuem benefícios que amparam técnica e socialmente os colaboradores. Grandes conglomerados e empresas de grande porte têm no departamento de recursos humanos, psicólogos e pedagogos que auxiliam as empresas e colaboradores nessa descoberta. As empresas de pequeno e muitas de médio porte não têm nos orçamentos recursos destinados a esse tipo de consultoria. Um erro que pode custar bem mais caro que o investimento em uma consultoria. Além do custo mensurável de demissões e contratações, treinamentos, e algumas estratégias mal realizadas, há o custo de imagem, perda de prazos, entre outros, que não há como medir.

Cada vez mais quem tem informações sai na frente. Ter as informações corretas de quem trabalha na empresa e até de si próprio, pode significar a diferença entre o sucesso ou não das estratégias que as informações de dados, mercado, concorrência, etc., ajudaram a criar. O investimento é pago uma vez, e os resultados são colhidos para sempre.

Pense nisso.

Avalie este artigo:
(7)
As opiniões veiculadas nos artigos de colunistas e membros não refletem necessariamente a opinião do Administradores.com.br.
Tags: Administrar pessoas comportamento Conhecer colaboradores consultoria Comportamental Paulo Velasquez

Fique informado

Receba gratuitamente notícias sobre Administração