Carta ao meu querido ex-gestor (crônica)

Desculpem a linguagem vulgar, provocativa, repleta de ironia, um tanto de pretensão e não sei quanto arrogância. Este texto carta é para aqueles maus gestores, dispostos a se despir de qualquer traço de soberba e compreender melhor a sua idiotia. É também um desabafo de um pretenso porta-voz de todos os empregados que sofreram nas mãos de péssimos gestores.

Desculpem a linguagem vulgar, provocativa, repleta de ironia, um tanto de pretensão e não sei quanto arrogância. Este texto carta é para aqueles maus gestores, dispostos a se despir de qualquer traço de soberba e compreender melhor a sua idiotia. É também um desabafo de um pretenso porta-voz de todos os empregados que sofreram nas mãos de péssimos gestores.

Aqui pretendo narrar algumas situações, um possível caminho de como seria a resolução “ideal” e a contrapartida intempestiva dos maus chefes (maus, para ser bem delicado)

1. A cobrança - Mensurar a qualidade e quantidade de trabalho necessários para se obter os resultados desejáveis por funcionário é imprescindível. Para cada área da empresa é necessária uma metodologia diferente para se chegar aos valores que devem servir como base, para assim se poder traçar metas e acompanhar o desenvolvimento das pessoas. O caminho ideal seria estudar os recursos que a administração moderna já oferece amiguinho.

O caminho intempestivo escolhido pelos gestores fadados ao fracasso:

Olhar para o melhor funcionário, humilhar todos os outros e ameaçar demitir quem não tiver os mesmos resultados ou pelo menos se aproximar deles.

2. A adaptação entre funcionário e empresa- saber o perfil do colaborador e colocá-lo na função mais apropriada é como ter diversas engrenagens nãs mão, de tamanhos e tipos diferentes e saber montar o quebra cabeça da melhor forma para a máquina funcionar. Isto é uma habilidade humana e existe faculdade pra isto “caramba”, se chama RH “cacetada”, tem pessoas formadas nisto “preula” e se não quer contratar ninguém profissional na área, busca a informação certa pra fazer direito, seu gestorzinho de meia pataca.

O caminho intempestivo escolhido pelos gestores fadados ao fracasso:

Trocar o funcionário de área rápido demais por não alcançar as metas (inclusive escolhidas sem critérios fundamentados, ou a esmo até), sem avaliar qual o real motivo do funcionário não estar alcançando o desempenho almejado. Presumindo que o único motivo de um trabalhador não fazer o serviço direito é a incompetência.

Deixar o empregado eternamente na mesma função apenas porque ele faz muito bem aquilo, brecando qualquer oportunidade dele e a empresa crescerem.

3. As responsabilidades- Você sabe que a única pessoa responsável pelo seu sucesso é você mesmo. Lembra aquela dinâmica que uma porrada de palestrante, palestrante aquele cara mesmo que você contratou pra fazer aquela coisa bonitinha do espelho dentro da caixa, tá lembrado? Enfim tá todo mundo de saco cheio dessa m*. que deveria ter adiantado pelo menos pra você, mas você chefe tá em outro patamar e não precisa aprender estas coisas, porque já sabe (ironia). Ouvir não adianta nada sem internalizar e tornar isto prática comum p*. Se algo dá errado a culpa é sua, nunca do funcionário. Este conceito é o que há de mais moderno. Procura no google, Harvard liderança a culpa é sua.

O caminho intempestivo escolhido pelos gestores fadados ao fracasso:

-Pensamentos e falas comuns destes chefes:-Algo deu errado? Em quem posso jogar a culpa e punir?
-Ninguém quer trabalhar direito, só eu dou duro aqui!

4. Respeito humano- uma frase pronta que um amigo meu usa é “pessoas não abandonam empregos, abandonam maus gestores”. O be a bá do relacionamento interpessoal é o respeito, educação. Não é preciso dizer mais nada, o matuto da roça que chama o caminhante para tomar um café sabe o que isto.

O caminho intempestivo escolhido pelos gestores fadados ao fracasso:

-Pensar que respeito humano tem que ser conquistado. Conquistar respeito no trabalho diz mais sobre reconhecimento, promoções, gratificações, melhorias nas condições de trabalho etc. este tipo de coisas podem ser conquistas. Mas achar que tem o direito de gritar, falar palavras de baixo calão direcionadas a pessoa, humilhar. É só coisa de ignorante mesmo.

Conclusão

Esta infelizmente pode ser a sua realidade ou parte dela. Não sei em qual lado da moeda você está. Mas independente de onde esteja se, se identificou com algo, significa que pode fazer algo a respeito para mudar. Boa sorte!

As opiniões veiculadas nos artigos de colunistas e membros não refletem necessariamente a opinião do Administradores.com.br.

Avalie este artigo:
(0)
Tags: administracao assediomoral chefe cronica trabalho empregado funcionario gestao gestão gestor lider lideranca liderança respeito trabalho