Mais comentada

Democracia e disciplina

Enquanto a democracia se contamina com conflitos de interesses que levam ao emperramento geral e ausência de alternativas reequilibradoras das relações entre os povos, prevalecem os daqueles que têm mais força.

O sistema democrático, que deve conduzir ao enobrecimento, está em cheque mostrando que precisa de aperfeiçoamentos para impedir a prepotência, a influência do dinheiro, da corrupção e das pessoas indolentes sem preparo para a vida. Os efeitos das decisões dos séculos anteriores parecem estar se manifestando simultaneamente, como um ponto de acumulação na história da humanidade. Estamos enfrentando as consequências das finanças sobre a economia concreta da produção de bens: a expansão monetária, a euforia, as bolhas, a inflação, os riscos da contenção e o rebaixamento dos ativos inflados sem a correspondente redução nas dívidas gerando o caos.

Como coordenar as questões decorrentes do artificialismo criado pela expansão monetária equilibrando produção, emprego e consumo? Seria com o padrão ouro ou com naturalidade na economia? Os desequilíbrios provocados pelo câmbio e pelos excedentes comerciais de poucos se evidenciam. Como seria se todos obtivessem excedentes comerciais? Impossível, mas o objetivo deveria ser o de equilíbrio nas contas, pois déficits continuados são cobertos com empréstimos a juros acarretando dependência e rupturas. Quando cai o consumo ou baixam custos, os preços se estabilizam.

Enquanto a democracia se contamina com conflitos de interesses que levam ao emperramento geral e ausência de alternativas reequilibradoras das relações entre os povos, prevalecem os daqueles que têm mais força, em vez de incentivar o aproveitamento dos talentos de todos. A China, com seu sistema autoritário vem ampliando aquisições e resultados na economia global. Se até agora os EUA tinham o controle geral através do dólar, como será essa nova ordem que vem despontando num mundo apático de poucas esperanças, aonde o inconformismo vai tomando forma sem que surjam estadistas sábios com visão abrangente e desejosos de alcançar o progresso em paz?

No Brasil, sempre dependente de dólares, enquanto a produção industrial estagnava e encolhia a partir dos anos 1980, a de outros países ganhava com a economia de escala e se aproveitava da política de combate à inflação com valorização cambial e juros elevados. Pesquisa e desenvolvimento foram postos de lado, bastava importar ou produzir no exterior. Com a globalização a situação se complicou e os gestores públicos cruzaram os braços diante da pressão externa para obter ganhos, mas abriram os bolsos para a corrupção. Assim, decaímos na economia e na política.

Amplia-se a corrupção, o mandonismo, o complexo de reizinho autoritário. Por outro lado, há o descuido com as contas, armadilha na qual também os gestores de 1964 acabaram caindo. Governantes, presidentes e prefeitos vão gastando, mormente em ano eleitoral, deixando um rastro de dívidas. Sem eficiência, os governantes se curvam e decretam austeridade e congelamento das despesas.

Vivemos num cenário de incertezas onde o ser humano perdeu a base natural e não sabe mais o que quer, apenas vai sendo levado por essa vidinha manipulada sem olhar para o futuro e para a sua responsabilidade. A questão do preparo das novas gerações requer o comprometimento não só do governo, mas de toda a sociedade. Os jovens não entendem a vida, pois ninguém explica, e acabam assimilando como normal a baixaria contida nas letras de Funk, sem nada que se contraponha e que mostre os direitos, deveres e responsabilidade dos seres humanos com a vida. Os jovens têm de ser incentivados a cultivar o senso de beleza que enobrece para não cair nas baixarias que promovem o retrocesso da humanidade.

Estamos arcando com as consequências da massificação com a perda dos talentos da individualidade pela restrição, sufocamento e adormecimento. A uniformidade de comportamento rebaixado, a começar pela incapacidade para ler, estimulado por uma pseudo arte que anula o senso para a beleza, nivela todos pelo baixo nível e embrutecimento que elimina o bom senso, favorecendo os apaniguados com o poder. Assim, o descontentamento vai crescendo até explodir ou cair nos engodos populistas.

O século 21 assinala os mais estapafúrdios comportamentos da história da humanidade em que observamos inquietude e desorientação de almas que não exercitam mais o seu querer e vão vagando pela vida perseguindo ilusões, desperdiçando o precioso tempo para evoluir. O que a humanidade está fazendo para conter o descalabro que se avizinha?

Avalie este artigo:
(0)
As opiniões veiculadas nos artigos de colunistas e membros não refletem necessariamente a opinião do Administradores.com.br.
Tags: alternativas conflitos democracia globalização governantes interesses

Fique informado

Receba gratuitamente notícias sobre Administração