Mais comentada

Gestão do Capital de Giro

Dudu Gentil,
As contas circulantes da empresa, ativo e passivo circulantes, fazem parte da administração do capital de giro. Portanto, o objetivo da administração de capital de giro é administrar as contas circulantes, para que possa garantir um nível aceitável de capital circulante líquido. É interessante ressaltar que toda empresa deve manter um mínimo possível de capital de giro, pois os ativos circulantes tem que ser capaz de cobrir os passivos circulantes, e é claro com alguma margem de segurança. Os ativos circulantes que tem mais destaque são: caixa, títulos negociáveis, duplicatas a receber e estoques. Cada um desses ativos circulantes deve ser bem administrado para que se possa garantir a liquidez da empresa. Em se tratando dos passivos circulantes, os mais importantes são: duplicatas a pagar, títulos a pagar e despesas provisionadas. É preciso que seja bem administrado para garantir que cada uma das fontes de financiamento a curto prazo seja utilizada da melhor maneira possível. A administração do capital de giro é a atividade mais conhecida da Administração Financeira. A maior parte do tempo do administrador financeiro é tomado pela administração do ativos correntes. CAPITAL: O capital constitui o recurso financeiro básico de qualquer empresa, existem dois tipos de capital: Capital próprio – é o capital que pertence aos proprietários ou acionistas da empresa (não-exigível); Capital de terceiros – são os empréstimos, debêntures e ações preferenciais (exigibilidades da empresa). Sempre que algum acionista da empresa entra com algum capital, espera sempre ter um retorno, e corre um determinado risco. Retorno significa um rendimento maior e risco é uma possibilidade de perda, existem dois tipos de riscos: econômico e financeiro. Risco econômico é o risco inerente ao negócio da empresa e o Risco financeiro é o risco de não obter remuneração do investimento. Ainda se falando um pouco sobre capital, podemos ainda classificá-lo em capital fixo ou capital de giro. O capital fixo é formado pelos ativos imobilizados e o capital de giro pelos ativos circulantes. O capital de giro pode ser bruto (ativo circulante) ou líquido (ativo circulante – passivo circulante). O que temos que ressaltar é que o capital de giro funciona no curto prazo. A administração do capital de giro tem que levar em conta três dilemas: 1. Os ativos devem ter uma liquidez compatível; 2. O dilema entre liquidez e rentabilidade; 3. A administração dos ativos circulantes. Os ativos circulantes formam o capital da empresa que gira até transformar-se em dinheiro dentro do chamado ciclo de operações ou ciclo de caixa. Ciclo de caixa nada mais é do que o tempo que leva o capital que saiu do caixa leva para voltar ao caixa. Previsão e controle de gastos: FLUXO DE CAIXA O fluxo de caixa é o movimento de todas as entradas e saídas de recursos financeiros do caixa, ou seja, das origens de caixa (fatores que aumentam o caixa da empresa) e das aplicações de caixa (reduzem o caixa da empresa). O planejamento financeiro de curto prazo é denominado de planejamento de caixa ou orçamento de caixa, com este orçamento de caixa permite planejar as necessidades de caixa a curto prazo, pois proporciona uma visão dos recebimentos e dos pagamentos previstos que ocorrerão durante um certo período de tempo. A administração de caixa deve trabalhar num nível ótimo de caixa para a empresa. 1. Quando as entradas (recebimentos) > saídas (pagamentos) - Liquidez alta - Rentabilidade baixa 2. Quando as entradas (recebimentos) < saídas (pagamentos) - Liquidez baixa - Rentabilidade alta A administração do caixa requer alguns princípios básicos: - retardar ao máximo o pagamento de duplicatas a pagar; - aproveitar ao máximo quaisquer desconto financeiro nos pagamentos; - girar os estoques com maior liquidez possível; - obter as duplicatas a receber no menor tempo possível. O fluxo de caixa é o termômetro do cotidiano da empresa, isto é, como a empresa está se comportando quantos os pagamentos e os recebimentos das suas operações diárias. ADMINISTRAÇÃO DE ATIVOS CIRCULANTES: Os principais ativos circulantes mantidos pela maioria das empresas são as contas a receber e estoque, ambos formam 80% de todos os ativos circulantes da maioria das empresas industriais de porte médio. Por isso é fundamental a administração dos ativos circulantes da empresa. 1. Administração de contas a receber: As contas a receber representam a concessão de créditos em conta corrente aos clientes. Na verdade, contas a receber existem para conservar atuais clientes e atrair novos clientes. A administração de contas a receber tem como papel minimizar o investimento, e em contrapartida, manter um nível de serviço adequado aos clientes. Existem três aspectos importantes a ressaltar: 1. política de crédito; 2. condições de crédito; 3. políticas de cobrança. Estes três aspectos devem ser adequados às necessidades da empresa pela administração de contas a receber. 2. Administração financeira de estoques: Estoque nada mais é do que a composição física de materiais (matérias-primas, materiais em processo, materiais semi-acabados, materiais acabados, produtos acabados, etc.) que não é utilizada em determinado momento na empresa, mas que será utilizada futuramente. Quanto mais complexo ou diversificado for o produto final, tanto maior será a diversidade de itens estocados e mais complicada será a administração dos estoques. Os estoques representam um meio de investimento de recursos e podem alcançar uma proporção enorme dos ativos totais. A administração de estoques tem que estar relacionada com os órgãos da empresa que cuidam do estoque (produção, almoxarifado ou as vendas) e com o órgão de Administração Financeira. Existem três tipos de estoque: 1. Estoque de matérias-primas (MP); 2. Estoque de materiais em processamento; 3. Estoque de produtos acabados (PA). As principais técnicas utilizadas na administração de estoques são: 1. Sistema ABC (Curva de Pareto) – baseia-se no princípio de que maior parte do investimento está concentrada em um pequeno número de itens 2. Modelo do lote econômico – serve para determinar a quantidade ótima de estoque para cada item. Existem três grupos de custos relacionados com a estocagem de produtos: 1. Custo da emissão de pedidos; 2. Custo de manter estoque; 3. Custos totais.
Avalie este artigo:
(0)

Curta o Administradores.com no Facebook
Acompanhe o Administradores no Twitter
Receba Grátis a Newsletter do Administradores

As opiniões veiculadas nos artigos de colunistas e membros não refletem necessariamente a opinião do Administradores.com.br.