Inteligência Relacional: Construindo relacionamentos mais saudáveis e maduros

Art 17 - Todo processo de construção, crescimento e evolução começam de dentro para fora, sendo assim, é possível querer se relacionar bem com o outro, amando-o e respeitando-o quando a pessoa não se relaciona bem consigo? #inteligencia #emocional #relacional #relacionamentointerpessoal #climaorganizacional #coaching #cibracoaching #nelsonvieiracoach

Normalmente, quando se fala em relacionamento, as pessoas são “induzidas” a pensar apenas no relacionamento com o outro, esquecendo-se que todo processo de construção, crescimento e evolução começam, na realidade, de dentro para fora, sendo assim, é impossível querer me relacionar bem com o outro, amando-o e respeitando-o quando eu não me relaciono bem comigo mesmo.

Neste tipo de relação, inevitavelmente, falta confiança, respeito, liberdade, compreensão, amor incondicional e sobram manipulação, ciúme, inveja, dependência sócio-afetiva e tolerância (no sentido de simplesmente aturar o outro sem amá-lo).

Logo, como diria Timothy Gallway: “a consciência é curativa!” . Sendo assim, o primeiro passo para atingir um nível de inteligência para um bom relacionamento com as demais pessoas e com o mundo a sua volta é conhecer a si mesmo! E esse auto-conhecimento pode ser mais doloroso e complexo do que se imagina.

Doloroso porque não é nada fácil defrontarmo-nos com o que nos causa dor, que são, justamente, as nossas imperfeições. É muito mais fácil enxergar somente nossas virtudes, potenciais e grandes feitos. Porém, é necessário um olhar mais cuidadoso sobre elas (nossas imperfeições) uma vez que são elas que nos sabotam e nos impedem de seguir adiante cultivando bons relacionamentos, mais saudáveis e maduros.

Um bom caminho, é seguir o exercício abaixo:

1) Descreva um pensamento que te identifica. Em que momento você a ouviu pela primeira vez? O que sentia naquele momento? Que impacto ele tem na sua vida?

2) O que você considera como sendo seus pontos fortes? Quais as suas maiores virtudes, potenciais e talentos que lhe projetam e elevam a sua auto-estima?

3) O que você considera, em você, como sendo fatores críticos de desenvolvimento? Quais as suas limitações, pensamentos, sentimentos e/ou comportamentos que lhe põem pra baixo, atrapalham e o impedem de ser você mesmo e de se relacionar melhor com o mundo a sua volta?

4) Quais são as coisas pelas quais tem profunda gratidão em sua vida?

5) Quais os maiores erros cometidos por você, que você carrega como um peso e que se perdoados, tornarão a sua caminhada mais leve? O que lhe impede de perdoar-se?

É impossível passar pela vida sem se relacionar com outras pessoas, porém, a qualidade dessa interação é preponderante para o sucesso e felicidade na vida pessoal e profissional, desse modo, não dá para se relacionar bem com os demais sem se conhecer, sem se compreender e, principalmente, sem se aceitar. Por este motivo muitas relações são conflituosas. Portanto lembre-se, todo grande movimento começa dentro de você, depois ela se expande e provoca sentimentos e sensações poderosos que se refletem na sua postura e no seu comportamento e consequentemente, contagia as pessoas ao seu redor com toda essa energia positiva. Afinal, é muito melhor estar ao lado de pessoas positivas, felizes, auto-confiantes e resolvidas. Concorda?

Se você tiver alguma dúvida ou quiser saber mais sobre esse e outros assuntos e quiser vê-los respondidos por aqui, mande um e-mail para: fale@cibracoaching.com.br.

Avalie este artigo:
(0)
As opiniões veiculadas nos artigos de colunistas e membros não refletem necessariamente a opinião do Administradores.com.br.
Tags: Clima Organizacional Coaching Inteligência Emocional Inteligência Relacional Relacionamento Interpessoal

Fique informado

Receba gratuitamente notícias sobre Administração