Mais comentada

Que relações existem entre modelo mental, plasticidade cerebral e resultados qualitativos?

Seu modelo mental determina seus resultados. O cérebro possui características que permitem alterar o modelo mental e com isso conquistar melhores resultados. Fazer coisas diferentes, de formas diferentes, conscientes, permite a formação de novas conexões neuronais determinando mudanças do modelo mental, de comportamento, consequentemente, de resultados

O que determina resultados é nosso modelo mental. Ele começa e ser montado com a formação dos neurônios que são organizados no momento da gestação. O amadurecimento neural só se completa, ao longo dos anos, através de estímulos exteriores. Os hábitos culturais vão definir e moldar o comportamento, na medida em que o indivíduo vai aprendendo, imitando o estilo de vida no meio onde cresce, ele cria seu modelo mental, seu estilo de vida.

Será que esse modelo mental, seu estilo de vida pode ser mudado?

Nosso cérebro possui características que permitem mudanças, sim. Nosso cérebro tem estruturas anatômicas responsáveis por arquivar todos nossos hábitos, sejam eles bons ou ruins. Em uma região, localizada no centro do cérebro, num área primitiva, responsável pelos comportamentos automáticos, é que são ‘arquivados’ os hábitos que adquirirmos que aprendemos. Essa região tem como função principal a de processar as sinapses neurais das informações já conhecidas, e a partir de comportamentos já arquivados.

Os neurocientistas descobriram que a pessoa pode alterar esse padrão sináptico existente nessa área cerebral. Isso acontece porque é possível, pela plasticidade cerebral – uma característica importantíssima de nosso cérebro - criar novas conexões, formar novas vias neurais nessa região.

Para que novas conexões sejam formadas – para que haja mudança - é preciso que outra região do cérebro entre em ação, a área neural do livre arbítrio - o lobo frontal – essa área permite ao ser humano fazer escolhas diferentes. Agir de forma diferente, fazer as coisas de forma diferente. Essa área neural é a que nos difere de todos outros animais. Nessa região se encontra o cérebro ético, o ápice da evolução humana.

Quando, através de novas escolhas, feitas de modo intencional, em que a pessoa compreende algo de forma integral e passa a agir de forma diferente, criam-se novas conexões neuronais naquela região, determinando mudanças de comportamento, passando a fazer coisas que antes não tinha o costume de fazer.

Se o modelo mental, o padrão de vida de uma pessoa não está lhe permitindo ter bons resultados em sua vida, seja no campo intrapessoal, financeiro, profissional ou social, o fato de constatar isso, e de estar consciente de que, se continuar a fazer as coisas da mesma maneira, continuará a ter os mesmos resultados, o leva, impreterivelmente, a tomar atitude de fazer escolhas diferentes, a mudar a forma de fazer intencionalmente. Através dessas novas escolhas, começam a se criar novas conexões neuronais nos núcleos da base, determinando a formação de novas vias neurais, que remodelarão o estilo de vida, o modelo mental, que, por sua vez, trarão resultados diferentes.

É possível estimular essas mudanças no plano pessoal, em grupos de alunos, para que tenham melhores resultados escolares; podem também, serem trabalhadas por uma equipe, dentro de uma fábrica ou mesmo por toda uma corporação.

Já que envolve a ação do nosso córtex frontal, a região do livre arbítrio, o cérebro ético, a vivência dos valores universais positivos é um caminho seguro para se criar novas conexões que favorecem excelentes resultados, em todo setor da vida humana.

Um grupo de valores, por exemplo, ao serem vivenciados, irão permitir que se estruture uma vida intra pessoal equilibrada, saudável; outros valores, ao serem vivenciados, fortalecem a vida interpessoal, permitindo que o indivíduo tenha relacionamentos saudáveis na vida familiar, no trabalho e na comunidade; um terceiro grupo de valores, quando vivenciados, o torna um profissional excelente, capaz de assegurar sua empregabilidade com sucesso.

O despertar do cérebro ético, ou seja, estimular a vivência de valores forma a inteligência ética. Essa inteligência decorre da criação de conexões neuronais que permitem a formação de um modelo mental, de um estilo de vida que contribui para conquista de resultados excelentes em todos os campos da atuação humana, além de contribuir para a formação de uma cultura de paz em nossa sociedade.

Nosso modelo mental deve ser embasado na vivência dos valores, para que os resultados sejam excelentes.

As opiniões veiculadas nos artigos de colunistas e membros não refletem necessariamente a opinião do Administradores.com.br.

Avalie este artigo:
(0)