Queremos muito enquanto o pouco é o importante: a justiça

Não serão bens de consumo o gatilho e a esperança para as futuras gerações. As raízes do homem sempre apontarão para o caminho a ser seguido e às barreiras a serem vencidas.

iStock

As possibilidades de opções de escolha e, às vezes, o ato de adquirir tudo ao mesmo tempo podem não ser benéficos. No entanto, fazemos isso por considerarmos que a felicidade é o preenchimento da alma com produtos materiais, quer sejam perecíveis, quer não. Tanto crianças como adultos desejam tudo que for possível nesta vida, e a possibilidade de não adquirir gera frustração ou ansiedade descontrolada.

Mas, se nossos antepassados conseguiram viver bem com poucos recursos, o que nos falta? Posso iniciar com um fator básico, produtor de um bem comum a todos, denominado justiça. Para quê? Com ela, poderemos considerar o que verdadeiramente importa. A verdade e a honestidade não são mais bem-vindos a este século, mas sempre fez e fará toda a diferença quanto a melhorias contínuas para qualquer geração. Sem elas, eu não serei exemplo e não poderei:

  • Ensinar a meus filhos a serem justos;
  • Influenciar minha chefia a ser justa;
  • Influenciar meu círculo de amizade a ser justo;
  • Gerar impacto na sociedade para a justiça, sem usurpar o próximo.

Com a honestidade e a verdade, poderei alcançar os quatro itens mencionados anteriormente, e ainda:

  • Influenciar o Governo e, assim, os preços e os impostos poderão ser menores, justos e bem administrados, tornando o país mais equilibrado;
  • Justiça gera gentileza;
  • Gentileza gera harmonia, contagia e influencia, com grande força e rapidez.

Tais ações preenchem a alma e completam-nos com abundância de esperança e de paz entre os homens, diminuindo as expectativas enganosas, tornando o nosso "quero tudo" um quero tudo que um dia perdemos ou ainda não foi conquistado por esta nação, de forma justa e honesta. Já dizem os provérbios: "A justiça engrandece um povo." (Provérbios 14.34 NTLH) / "Afaste do rei os maus conselheiros, porque o que torna forte um governo é a justiça." (Provérbios 25.5 NTLH)

No caminho da verdade e da honestidade, haverá tropeços e marcas, pessoas machucadas e outras que devemos perdoar. Porém, neste caminho, nascerão homens e mulheres equilibrados, influenciadores, com bagagem por meio da qual poderão ensinar e fortificar outras gerações, mais equilibradas e menos gananciosas.

Avalie este artigo:
(1)
As opiniões veiculadas nos artigos de colunistas e membros não refletem necessariamente a opinião do Administradores.com.br.
Tags: influenciadores justiça perspectivas futuras usurpar usurpar direitos

Fique informado

Receba gratuitamente notícias sobre Administração