Uber: o que fazer quando estão matando sua equipe?

Notícias de assaltos, sequestros e até assassinatos de motoristas colocam marca em xeque

Eu tenho sinceras dúvidas quanto à longevidade do Uber (a propósito, reserve este link aqui para ler depois). Não do conceito de motoristas independentes, que acredito ser um caminho sem volta. Mas da empresa, em si. Há os escândalos envolvendo seu alto escalação, as críticas de motoristas sobre pagamentos e tratamento dado aos parceiros que dirigem para a companhia e as confusões naturais causadas pela disrupção gerada (brigas com taxistas, disputas políticas, regulação estatal, controle fiscal etc.). E agora outro elemento ganha destaque nesse imbróglio: o perigo.

Quase que diariamente surgem notícias de crimes praticados contra motoristas. Uma rápida busca no Google pelo nome da empresa resulta em um cenário como o da imagem acima. O medo se tornou uma constante entre as pessoas que dirigem através do aplicativo. A pior parte é que a empresa Uber não tem demonstrado uma posição firme em busca de soluções.

Sim, o Brasil é um país violento. Não são só motoristas do Uber que sofrem assaltos, sequestros e são assassinados. Taxistas já sofriam com isso há mais tempo. Mas isso não conta nesse jogo. O fato é que a marca Uber é posta na berlinda quando sai uma notícia dessas. 

Quando um taxista, um caminhoneiro, um cidadão comum andando pela rua é vítima de violência, culpa-se o estado. Quando é alguém dentro de um Uber - seja motorista, seja passageiro - é a marca que ganha manchete negativa. É a marca que vai para a berlinda.

Para a empresa, não tem outro caminho. Não adianta querer limpar sua barra e tentar jogar a responsabilidade para o prefeito, o governador. Ninguém quer saber disso. Ou o Uber se movimentar para encontrar uma solução disruptiva para esse problema também, ou corre sérios riscos.

O que você pensa sobre o assunto? Deixe seu comentário.

Ah, se gosta do que publico por aqui, me acompanhe lá pelo Instagram!

Avalie este artigo:
(0)
As opiniões veiculadas nos artigos de colunistas e membros não refletem necessariamente a opinião do Administradores.com.br.

Fique informado

Receba gratuitamente notícias sobre Administração