Brasil: você merece essa crise

A responsabilidade pela crise vai muito além do governo

iStock

Foram bons os anos dourados, né? Era bem fácil ganhar dinheiro, sem precisar fazer muito esforço. Era ótimo ir ao exterior e se achar rico, podendo comprar tudo baratinho com seu real inflado. Como é fácil se tornar um país desenvolvido!

Chegou a hora de pagar a conta desses exageros todos – e da arrogância que tinha vindo junto. Alô empresário que no período de crescimento de demanda preferiu aumentar os preços a investir mais para ampliar a produção: essa crise é sua. Ou você acha que inflação vem do nada? Inflação é o resultado de várias decisões individuais, muitas vezes motivadas pela ganância de aumentar os preços ao invés de investir e trabalhar duro para aumentar eficiência e escala. Alô restaurante que achava normal cobrar 50 dólares por um prato: seu prato vale agora menos de 25, e essa crise é sua. Alô hotel que cobrava preços suíços e oferecia acomodações e serviços de albergue: essa crise é sua. Alô dono de imóvel que alugava um muquifo a preços de casa na Toscana: essa crise é sua.

Alô sociedade que quer se aposentar aos 55 anos e pagar uma alíquota máxima de imposto de renda de 27,5%: essa crise é sua. Alô empresário do ensino superior que lucra muito e educa pouco: essa crise é sua. Alô cineasta carioca da zona sul que dependia de dinheiro da Petrobras e da lei Rouanet pra viver sua vida paradisíaca: essa crise é sua. Alo empresário pragmático que paga propina “porque senão não dá pra fazer negócios”: essa crise é sua.

Ah, a lista vai longe. Não dá pra chegar ao desenvolvimento sem ter que fazer escolhas, e até agora não vi vontade nenhuma da sociedade em fazer essas escolhas. Abrir mão de algumas coisas para ter outras. Pagar mais imposto sobre a renda pra pagar menos imposto sobre produtos. Aumentar a contribuição pro INSS ou aceitar aposentadoria aos 65 anos (como na maior parte do mundo). Não esperar que o governo vá fazer milagres com contas que nunca fecharão.

E trabalhar duro: investir, expandir, aumentar eficiência sempre (principalmente nos períodos de bonança).

Se tudo isso tivesse sido feito entre 2007 e 2011, a situação não estaria tão trágica. O governo cometeu erros na política econômica? Vários. Mas a sociedade – principalmente a tal elite econômica – cometeu muitos erros também, motivada pela ganância, pelo dinheiro fácil, pela preguiça.

E o pior é que a conta está sendo paga principalmente por quem não tem culpa nenhuma, quem nem teve a chance de fazer escolhas.

Avalie este artigo:
(11)
As opiniões veiculadas nos artigos de colunistas e membros não refletem necessariamente a opinião do Administradores.com.br.

Fique informado

Receba gratuitamente notícias sobre Administração