Consumo consciente e educação financeira - bom para o seu bolso, bom para o planeta

Consumir é um ato que nós praticamos todos os dias: consumimos produtos e serviços, seja um alimento, uma mesa de madeira, uma roupa ou um filme. Entretanto, a forma como consumimos e o que consumimos mostra se estamos sendo responsáveis ou não com o futuro do nosso planeta.

     Em uma sociedade em que é mais importante o TER do que o SER, abrem-se as portas para a discussão sobre o consumo consciente e sobre o que, como e por que consumimos.

     Consumir é um ato que nós praticamos todos os dias: consumimos produtos e serviços, seja um alimento, uma mesa de madeira, uma roupa ou um filme. Entretanto, a forma como consumimos e o que consumimos mostra se estamos sendo responsáveis ou não com o futuro do nosso planeta. Consumo consciente é mudança de hábitos para evitar o desperdício e adquirir produtos e serviços que não prejudiquem a sociedade e o nosso planeta. É optar por apagar a luz quando se sai de um lugar, é economizar papel, é optar por produtos recicláveis para não degradarmos o meio ambiente, é fechar a torneira para não desperdiçar a água, recurso esse tão escasso. É optar por produtos naturais e orgânicos do que alimentos com agrotóxicos, visando melhor saúde e qualidade de vida.

     A ideia de consumo consciente vai na direção de que o nosso planeta não possui recursos naturais infinitos. Se não cuidarmos dos nossos recursos, faltarão água, alimentos e tudo aquilo necessário para a nossa sobrevivência. O tom parece apocalíptico, mas infelizmente é a mais pura verdade. Só temos o nosso planeta Terra para nos suprir, não há outro lugar no universo (pelo menos até agora). Desta forma, não há mais espaço para ostentação, pois segundo André Trigueiro em sua apresentação sobre consumo consciente no TED Talks, hoje o ser humano quer “ostentar a abundância onde há escassez.” Outra informação interessante é que 20% da humanidade consome 80% dos recursos naturais, afirma o Banco Mundial. O consumismo se tornou a mola propulsora do desenvolvimento econômico e a sociedade precisa fazer algo urgentemente, pois a destruição não pode ser confundida com desenvolvimento. Precisamos diminuir o impacto do consumo sobre os recursos naturais. Precisamos dar menos importância às propagandas que nos induzem cada vez mais a consumir produtos.

     O consumo consciente está totalmente ligado com a Educação Financeira, pois quando utilizamos os 4 pilares da metodologia DSOP criada pelo PhD Reinaldo Domingos – diagnosticar, sonhar, orçar e poupar -, verificamos se estamos gastando mais do que ganhamos, descobrimos onde estão os desperdícios, priorizamos os nossos sonhos, damos prioridade às coisas que são realmente úteis para a nossa vida e para a nossa família, e adequamos o nosso padrão de vida. Aprendemos a comprar bem, pois não compraremos mais por impulso, preferiremos manter um estilo de vida saudável do que um estilo voltado apenas para o status, e sempre nos  questionaremos se o produto que desejamos realmente é importante para a nossa vida.

     O nosso planeta clama para que mudemos os nossos hábitos e comportamentos. Mudar significa abraçar o consumo consciente para um novo estilo de vida. Além de mudar a nós mesmos é necessário usar a nossa liderança para influenciar as pessoas ao nosso redor para que também despertem para esta nova consciência. Mais do que falar em consumo consciente é praticá-lo ao consumir produtos naturais, separar o lixo corretamente, reciclar os materiais, não utilizar materiais que possam poluir o meio ambiente, não comprar produtos de empresas que reforçam o trabalho escravo e o desmatamento, economizar água e energia. Tudo isso não favorece apenas o nosso bolso, mas também a nossa qualidade de vida e o nosso lindo planeta.

 

Avalie este artigo:
(0)
As opiniões veiculadas nos artigos de colunistas e membros não refletem necessariamente a opinião do Administradores.com.br.
Tags: Administração administradores consumo consumo consciente crescimento educação educação financeira empreendedorismo finanças terapia financeira