Diversificação

Existe um ditado antigo que diz que "não se deve colocar todos os ovos numa cesta só". Esse ditado é uma forma popular para se tratar da diversificação.

Existe um ditado antigo que diz que "não se deve colocar todos os ovos numa cesta só". Esse ditado é uma forma popular para se tratar da diversificação. Nela garantimos que o risco incorrido em um investimento seja diluído pela segurança do outro, já que se eu diversifico, eu distribuo o meu ativo, em mais de um modelo de investimento, seja pelo grau do risco que ele possui e sua volatilidade. Tratando-se de investimento, existem portfólios que são por si só são passíveis de diversificação, como por exemplo, os fundos de investimento, que podem distribuir o percentual de suas cotas, nos diversos tipos de investimento, CDB, Títulos Públicos, Privados, assim como de maior risco, como câmbio, derivativos. Através da diversificação é possível sanar as possíveis perdas, ou rentabilidade negativa de um período em detrimento de outro investimento que tenha desempenho diferente e assim grau de risco diferente. Quando tratamos de decisão de investimento de um projeto, a estratégia de diversificação busca proteção ou alavancagem, numa iniciativa de sobrevivência, remanejando uma operação a fim de adequar a novas circunstâncias do mercado. Se encaro a diversificação como reposicionamento, utilizando uma analogia de domínio geográfico, podemos pensar na diversificação como realocamento de esforços em várias posições, o que pode trazer fortalecimento, seja na entrada de novos mercados ou em outras decisões. O gestor é o técnico nesse reposicionamento de campo, é ele quem decide quando, como e onde avançar se é necessário trocar os jogadores, a tática, o ritmo do time. O importante é ser tão dinâmico, quanto dinâmico é o mundo e seus mercados.

Avalie este artigo:
(0)
As opiniões veiculadas nos artigos de colunistas e membros não refletem necessariamente a opinião do Administradores.com.br.

Fique informado

Receba gratuitamente notícias sobre Administração