Por quê é tão difícil poupar?

Sofremos muitas influências psicológicas, comportamentais e até mesmo a Teoria da Evolução influencia nossos hábitos nos dias de hoje.

A professora Vera Rita de Mello Ferreira especialista em Psicologia Econômica afirma que a “psicologia econômica propõe que as escolhas humanas não são sempre consistentes, dependendo, em grande escala, do contexto onde – e como – ocorrem, de tendências cognitivas e emocionais encontradas na maioria das pessoas, e de outros fatores, que resultarão em importantes limitações da racionalidade”.


Mas afinal por quê é tão difícil poupar?

Primeiramente gastar proporciona prazer ao indivíduo. Quem não gosta de um carro novo, uma casa nova, roupas da moda, relógios, entre outros. Quando compramos algo que desejamos nos sentimos muito bem e essa sensação nos proporciona alegria mesmo que passageira. O materialismo impera em nossa sociedade, e as experiências se proliferam em nossos dias.

Em segundo lugar, nós ocidentais somos otimistas por “natureza”. Acreditamos que o futuro nos reserva algo melhor do que vivemos no presente. A cultura brasileira é excessivamente otimista sempre acredita que viveremos melhor no futuro do que agora independente das nossas escolhas.

Para realidade brasileira passamos um período de hiperinflação e confisco da poupança. O dinheiro perdia valor diariamente, muitas vezes no mesmo dia os produtos sofriam aumento de preços. Em um período de 8 anos passamos por 5 moedas diferentes e inflação estratosférica. Em 1993 o IPCA atingiu inimagináveis 2.447%. Era impossível pensar em economizar nesse período, e isso tem influência ainda hoje na vida das pessoas. Além de muitas pessoas terem passado pelo traumático período de confisco da poupança que causou muita revolta, insatisfação da população, e desconfiança no sistema político e social.

Trazendo para um campo mais científico. No nosso cérebro quando poupamos para o futuro, parece que estamos entregando nosso dinheiro para uma pessoa estranha. O Eu do presente é mais importante para nossa vida do que o Eu do futuro, ou seja, em nosso cérebro é extremamente difícil abrir mão do nosso conforto presente.

E ainda temos resquícios da Teoria da Evolução em nossas vidas atuais. Somos reativos assim como nossos ancestrais tinham que caçar, e coletar frutas para ter comida para cada dia, e viviam reativamente sempre buscando alimentos ou se defendendo de predadores. Trazendo para os dias atuais, aprendemos a pensar muito mais no hoje do que no futuro, muitas pessoas pensam em “sobrevivência”. Somos extremante imediatistas.

Portanto, sofremos influências de vários contextos e situações. Entretanto não devemos usar o que foi exposto acima para criar historinhas e inventar desculpas por nossa incapacidade de poupar e se acomodar diante da vida. Para começar a poupar precisamos ter que superar essas “dificuldades”, tomar a decisão e criar um plano de longo prazo com objetivos que incluam mais qualidade de vida para os dias atuais e preservação do estilo de vida futuro poupando o mínimo necessário para maximizar nossos resultados.

Avalie este artigo:
(0)
As opiniões veiculadas nos artigos de colunistas e membros não refletem necessariamente a opinião do Administradores.com.br.
Tags: Autoconhecimento Coaching Educação Financeira Psicologia Econômica

Fique informado

Receba gratuitamente notícias sobre Administração