6 atitudes para o renascer do empreendedor fênix

Para conseguir empreender hoje, frente à crise e às notícias tão pessimistas depositadas diariamente na mídia, penso sempre em algumas ATITUDES que me fazem renascer todas as vezes em que me transformo em cinzas. Veja quais são!

iStock

Desde pequena imaginava que teria um negócio. Não sei se por influencia do meu pai, que com 8 anos de empresa pediu demissão e foi abrir sua própria, não sei se foi algo que nasceu junto comigo, tipo, que esteja em meu DNA, quem sabe, algo predestinado (rs). Só sei que, mesmo em minha mais tenras memórias, lembro-me de estar vendendo algo: fossem versos em papéis de carta, trabalhos artesanais, shows onde eu arrecadava bilheteria, ou pipa e cordões feitos com canudinhos, que eu vendia na praia durante as férias...

Cresci e, já na faculdade, nos meus primeiros estágios, percebi que havia “algo de muito errado comigo!”. Após 6 meses em uma empresa, surgiu o convite para ser efetivada. Carteira assinada, todos os direitos, política de cargos e salários, eu poderia crescer lá dentro! Mas minha resposta foi: - não, obrigada.

Depois desta, outras empresas passaram em minha vida, fosse como estagiária, fosse como empregada. Após 6 meses, 1 ano de empresa, era hora de partir para novos desafios, novas oportunidades.

Cheguei a pensar que tinha algo de muito errado comigo, pois eu não estava nem aí para ter carteira assinada e benefícios. Na verdade, após quase 15 anos de formada, somente em uma aceitei ser fichada: foi quando exerci a função de professora em uma universidade. Analisando o passado, percebo que aceitei o cargo nesta empresa e fiquei nela durante 9 anos, porque eu não tinha chefe direto (digamos assim), não batia ponto, meus alunos eram meus clientes, e para eles eu planejava a melhor aula e dava o meu melhor. Assim, me sentia parte do todo, não apenas uma engrenagem facilmente substituível. Mas, mesmo assim, passado algum tempo, decidi que era hora de partir. Desde então, venho empreendendo...

Opa! Você pode me perguntar o porquê de eu estar contando parte da minha vida em um artigo sobre “Como Vencer a Crise”. Na verdade, acredito que para sabermos para onde estamos indo, é preciso saber bem de onde viemos. Mas, calma, já já, mais abaixo eu explico as atitudes que me trouxeram até aqui e não me deixaram desistir.

Sei que para conseguir empreender hoje, frente à crise e às notícias tão pessimistas depositadas diariamente na mídia, tenho sempre algumas ATITUDES que me fazem Renascer todas as vezes em que me Transformo em Cinzas.

1) Ter amigos confiáveis – Hoje em dia todo mundo se diz amigo. No Facebook então... Todos estão ali para lhe parabenizar pelo sucesso, mesmo que internamente morram de inveja; mas poucos estão ao seu lado para te ajudar a levantar. Por isso, selecione bem os amigos que estarão junto contigo na caminhada. Já dizia o dito popular “diga-me com quem tu andas, que te direi quem és”. Se quiseres ser grande, interna e externamente, é preciso que esteja ao lado de pessoas semelhantes e que entendam seus sonhos e te ajudem na batalha diária para a realização do seu sonho.

2) Tchau TV – Pode soar radical, mas, sinceramente, TV Aberta hoje é 99% inútil. Feita para atrair consumidores para práticas de publicidade e meta de vendas. Conteúdo educativo, algo que lhe faça crescer, inovar, se capacitar, é melhor você procurar na rede (internet). Tem muita coisa boa! E vamos ser sinceros, notícias de crise e desemprego têm aos montes, ok, já sabemos como nosso país está, mas não é preciso gravar a ferro e a fogo na memória de forma a não mais permitir que sonhemos que um futuro melhor exista. Então, turn off Tv Aberta e ligue-se nas notícias e artigos que te engrandeçam.

3) Ajudar as pessoas – Pode parecer algo filantrópico demais, mas um empreendedor que se preze tem em si o desejo de algo maior. Seja deixar um legado, seja construir algo que melhore a vida das pessoas. Este desejo deve-se aliar a projetos que tenham um viés construtivo, algo que impacte positivamente a muitos, não apenas ao desejo mercadológico. Uma vez ouvi uma frase que nunca me saiu da cabeça: - Quando o dinheiro sai dos olhos, ele vem para o bolso. Hoje tenho a certeza que é bem por aí...

4) Buscar apoio financeiro – Dizer que empreender frente à crise é fácil seria uma incoerência da minha parte. É bem difícil, até por que as incertezas aumentam e o jogo, sim, empreendedorismo é um jogo onde corremos riscos calculados, fica bem mais complicado. Por isto, é preciso ter dinheiro. Mas, como, se na crise as receitas diminuem. Então, os caminhos que vejo são: 1 - empréstimos bancários, caso tenha algo para deixar como garantia, 2 - um parente que deseje e possa lhe ajudar em seu sonho, ou quem sabe, 3 - um Investidor Angel, apesar de esta prática não ser muito comum no Brasil. Ah, e 4 - as incubadoras, que podem servir de alicerce para o sucesso de seu negócio. Basta pesquisar e analisar a melhor opção para você.

5) Ser resiliente – Toda vez que o mundo quiser lhe mostrar problemas, quando o espelho lhe trouxer uma imagem de perdedor, é preciso ter fé, acreditar em si e em algo maior que reina e governa tudo, que onde se planta bem, se colhe melhor ainda e que, se as coisas não deram certo, é porque não chegou a sua hora. Não vou me esquecer de uma charge postada por Flávio Augusto no Geração de Valor. Era um homem subindo as escadas e o primeiro e o segundo degraus eram ENORMES, os próximos menores e do quinto em diante, era algo bem fácil, a pessoa nem precisava encurtar os joelhos para transpô-los. Assim, quando as coisas não estiverem favoráveis, pense: “é aqui que me encaixo e que devo lutar mais e mais”.

6) Amar o que faz – Não é preciso só fazer o que ama, é preciso amar o que faz. Você precisa escolher algo para se dedicar que venha de dentro do seu coração. Algo que te desperte a atenção mesmo diante do cansaço. Algo que motive o acordar todas as manhãs e o adormecer sonhando com o próximo dia de realizações. Se hoje você não se sente assim frente ao seu negócio, caia fora, antes que seja tarde. Se você não pode ainda abandonar tudo e seguir seu sonho, ame o que faz, faça o melhor possível e planeje o passo a passo para um dia transformar seu sonho em realidade!

Por fim, é preciso analisarmos a palavra crise. Se tirarmos o “s”, mas dermos a ele o significado de superação, teremos a palavra, CRIE, ou seja, uma oportunidade de inovar, de ver algo novo, de fazer diferente. Características que todo empreendedor deve ter e perseguir. Assim, como, de se superar dia após dia.

Então, mesmo em meio à crise, CRIEMOS! Superemos nossos medos e limites para alcançarmos a vitória!

Boa sorte a todos nós!

Avalie este artigo:
(0)
As opiniões veiculadas nos artigos de colunistas e membros não refletem necessariamente a opinião do Administradores.com.br.
Tags: crise empreendedor empreendedorismo empreender na crise

Fique informado

Receba gratuitamente notícias sobre Administração