A história de persistência e sucesso da Rovio, criadora de Angry Birds

O mundo corporativo está repleto de histórias de sucessos e fracassos, mas a história da Rovio é uma lição de persistência e sucesso inspiradora

Reprodução/Angry Birds

Em 2003, uma competição de desenvolvimento patrocinada pelas empresas Nokia e HP realizada na universidade de tecnologia de Helsinque, teve como vencedores três jovens: Niklas Hed, Jarno Väkeväinen e Kim Dikert. O jogo vencedor foi o multiplayer em tempo real chamado de King Of The Cabbage Mundial. Após a vitória, os jovens criaram a empresa Relude. O jogo vencedor foi vendido e renomeado para: Mole War pela empresa Sumea.

Já em 2005, a empresa Relude recebeu seu primeiro investimento. Kaj Hed, um empreendedor conceituado na Finlândia, resolveu apostar na ideia de seu filho Mikael: investir em um estúdio de games. Uma ideia bastante inovadora para o ano de 2005. Após o investimento, a empresa Relude passou a se chamar Rovio Mobile.

Jogos para dispositivos moveis ainda eram uma novidade a nível mundial, e o mercado de celulares era dominado por dispositivos como o Motorola V3. No Brasil, nesta mesma época, o mercado era dominado pelo modelo 1110, da fabricante finlandesa Nokia. Este modelo tinha como principal atrativo uma lanterna, além do jogo Snake, conhecido no Brasil como: "Jogo da cobrinha".

No mesmo ano, os celulares da gigantesca Apple ainda não haviam sido lançados, nem mesmo a Apple Store, responsáveis pela popularização dos jogos e aplicativos para celular. A visão de negócio dos fundadores da Rovio foi um destaque, proporcionou um cenário de mar azul, mesmo com as incertezas de um mercado ainda em expansão.

Mas, como empreender nunca é um caminho fácil de ser trilhado, não demorou muito para que a marca Rovio passasse por um grandes dificuldades para firmar a própria marca. Mesmo com a produção de 51 jogos, a falta de recursos fez com que a empresa vendesse a maioria de seus títulos para grandes do mercado como EA e Nanco. Após um suposto desentendimento com seu pai, Mikael saiu do negócio ainda no ano de 2005.

No ano de 2007 a Rovio estava prestes a afundar. Uma redução no quadro de funcionários de 50 para 12 fez com que Niklas planejasse e solicitasse incansavelmente a volta de Mikael. Com a chegada da Apple Store os sócios da Rovio enxergaram a oportunidade que faltava para ingressar de vez no mercado. Com pouco tempo e poucos recursos o desenvolvimento do jogo era realizado apenas nos tempos livres. Mesmo com o lançamento do jogo na Apple Store a Rovio ainda encontrou dificuldades para realizar a distribuição do título Angry Birds no mercado europeu. Até que em meados de 2011, a Apple colocou o título na primeira página da Apple Store no Reino Unido.

A franquia Angry Birds havia faturado US$ 72 milhões em 2012, sendo o aplicativo mais pago em 68 países. Expansões, desenhos animados e parques temáticos levaram a Rovio para uma queda gigantesca em seu faturamento. Em 2013 o faturamento da franquia era de US$ 37 milhões.

Após o lançamento do filme Angry Birds, a Rovio viu seu faturamento crescer mais de quatro vezes. O faturamento do filme chegou ao valor de US$ 180 milhões no primeiro semestre de 2017. Com os números favoráveis a abertura de capital deu a empresa um valor de US$ 1,6 bi.

Reviravoltas e incertezas fazem parte do mundo corporativo, mas a Rovio é a prova de que com visão, planejamento e um bocado de persistência é possível se destacar e atingir o sucesso.

As opiniões veiculadas nos artigos de colunistas e membros não refletem necessariamente a opinião do Administradores.com.br.
Avalie este artigo:
(5)
Tags: empreendedorismo inovação motivação