Características empreendedoras (por pesquisadores) ao longo da história

Observando as principais características do empreendedor atribuídas por diversos autores ao longo do tempo, podemos observar que estes estudiosos atribuem semelhanças nesta linha do tempo independentemente de ciclos econômicos e mudanças globais.

Vejamos por ano, autor e definições de características nestas épocas:

Em 1848 por Mill: Assumir riscos.

Em 1917 por Weber: Autoridade formal.

Em 1934 por Schumpeter: Inovação e iniciativa.

Em 1954 por Sutton: Desejo de responsabilidade.

Em 1959 por Hartman: Autoridade formal.

Em 1961 por McClelland: Assumir riscos, necessidade de realização, otimismo, relacionamento (afiliação), poder e autoconsciência.

Em 1963 por Davids: Ambição, desejo de independência, responsabilidade e autoconfiança.

Em 1964 por Pickle: Foco, relacionamento, habilidade de comunicação e conhecimento técnico.

Em 1969 por Gould: Percepção de oportunidade, motivado pela realização.

Em 1969 por Wainer & Rubin: Realização, poder e afiliação.

Em 1970 por Collins & Moore: Satisfação e prazer pelo que faz.

Em 1970 por Hornaday & Bunker: Necessidade de realização, inteligência, criatividade, iniciativa, liderança, desejo de ganhar dinheiro, desejo de reconhecimento, orientado à realização, poder e tolerância às incertezas.

Em 1971 por Palmer: Mensuração do risco.

Em 1971 por Hornaday & Aboud: Necessidade de realização, autonomia/independência, histórico familiar, agressividade, poder, reconhecimento, inovação e independência.

Em 1972 por Draheim: Experiência e credibilidade.

Em 1972 por Howell: Influências (modelos de referência).

Em 1973 por Winter: Necessidade de poder.

Em 1974 por Borland: Autocontrole.

Em 1974 por Liles: Necessidade de realização.

Em 1977 em Gasse: Orientado a valores pessoais.

Em 1978 em Timmons: Foco/centrado, autoconfiança, orientado a meta, risco calculado, autocontrole, criatividade e inovação.

Em 1979 por DeCarlo & Lyons: Realização, independência e liderança.

Em 1980 por Brockhaus: Propensão a assumir riscos.

Em 1980 por Hull, Bosley & Udell: Interesse em fama e dinheiro, autocontrole, propensão a assumir riscos, criatividade e realização.

Em 1980 por Sexton: Energia/ambição, reação positiva ao fracasso (superação).

Em 1981 por Hisrich & O'Brien: Autodisciplina, perseverança, desejo de sucesso, orientado pela ação e orientado a metas.

Em 1981 por Mescon & Montanari: Realização, autonomia, dominância, controle e organização.

Em 1981 por Welsch & White: Necessidade de controlar, busca por responsabilidade, autoconfiança, assume desafios e risco calculado.

Em 1982 por Dunkelberg & Cooper: Orientado ao crescimento, senso de independência e a especialização.

Em 1982 por Welsch e Young: Autocontrole, maquiavelismo, auto-estima, assume riscos, aberto a inovação e otimismo.

Para a pessoa que deseja empreender ou a organização na qual quer desenvolver a cultura empreendedora, é necessário buscar as técnicas de humanas do auto conhecer-se para si mesmo e os colaboradores, ver forças, fraquezas e buscar incessantemente o auto-conhecimento voltado ao empreendedorismo e gestão.

Bom trabalho e grande abraço.
Adm. Rafael José Pôncio

As opiniões veiculadas nos artigos de colunistas e membros não refletem necessariamente a opinião do Administradores.com.br.
Avalie este artigo:
(0)
Tags: empowerment empreendedor empreendedorismo empresas gestão