Como criar uma mente empreendedora através de hábitos simples e objetivos

Empreender é se apaixonar pela criatividade: bolando ideias e comportamentos inteligentes para transformar objetos banais em fórmulas inovadoras

iStock

A filosofia surgiu porque o homem quis esticar seus limites e encontrar um mundo novo. Foi à curiosidade que fez tal entidade erigir uma ponte para chegar a uma galáxia inédita e surpreendentemente desconhecida. Usando palavras diferentes, por não se contentar com o universo banal e padronizado em que seus pés transitavam, o ser humano decidiu imaginar um planeta diferente, elevando sua consciência para além da bolha minúscula em que a maioria das criaturas habitava com o intuito de gerar um cenário que rompesse essas fétidas convicções instituídas, fomentando ideias inteligentes por meio de uma imaginação extraordinariamente espantosa e peculiarmente excêntrica.

Em linhas gerais, o real motivo que fez esse magistral objeto emergir foi à descoberta alegórica da ignorância terrestre, onde a personalidade humana discerniu fabulosamente suas limitações e passou a buscar uma evolução contínua para as suas naturezas intelectuais medianas, objetivando crescer sabiamente por meio da elevação de seu entendimento e por intermédio da eliminação de seus arquétipos interiores – herança herdada pela cultura rasa e superficial que sempre assolou a humanidade por ter sido enraizada na insipiência e no orgulho idiotado dos homens do passado -.

Possivelmente, você deve estar se perguntando: o que essa parafernália toda tem a ver com administração? A resposta é: absolutamente tudo, dado que as pessoas buscam empreender pela mesma razão: elas procuram destruir os panoramas enfadonhos e monótonos que passam desapercebidos aos olhos da maioria para conceberem novas variáveis ao tabuleiro mercadológico: materializando gerar um raciocínio inovador e autenticamente insuperável. Obviamente, o principal ingrediente dessa deliciosa comida é a lúdica criatividade: ela é a menina dos olhos de qualquer case de sucesso e a mola impulsora de todos os empreendimentos de destaque, pois seu núcleo ostenta a maior das qualidades humanas, a saber: o pensamento.

Ora, quem é superior aos demais senão aquele que ama e persegue a inteligência inventiva? Oh raios, quem é capaz de pintar o arco íris e colori-lo pela segunda vez senão aquele que existe para esculpir o impossível?

Por isso, somente os ousados são capazes de encantar e seduzir seus pares, dando a eles algo fora do convencional, recheado de uma convicção pioneira com uma pitada calculada de amor e paixão que fará com que tais criaturas sejam poderosamente surpreendidas pela essência de uma sacada diferenciadamente perfeita.

Sabendo de todas as coisas expostas acima, o pensador grego Aristóteles sagazmente disse: “Nunca existiu uma grande inteligência sem uma veia de loucura.” Certamente, ele foi extremamente feliz em sua colocação, dado que acreditar no próprio potencial e apostar nas intrínsecas crenças faz com que uma pessoa tenha olhos reluzentes - produzindo no coração uma esperança colossal que a permitirá sobrepujar vastamente os demais pela natureza vencedora de seu sempar e incomparável âmago.

Brasil: nação de escassos empreendedores

Aristóteles também exteriorizou que: “É fazendo que se aprende a fazer aquilo que se deve aprender a fazer.”

O Brasil é um país famigeradamente belo, abençoado e dono de riquezas sui generis. Aqui, nessa lúdica e reconfortante pátria, brotam apenas folhas de diamante e pétalas de ouro, germinando frutos que nenhum outro continente possui e produzindo vastamente joias que nenhum outro reino pode sobrelevar. Nosso povo, justificando a formosura da terra, é recheadamente diferenciado e possui em seus traços diversas linhas que o tornam distinto e largamente singularizado, pois pense comigo: que outra nação ostenta tantas etnias e raças que conectadas se transformam em um todo tão raro e apaziguador?

Sem contar ainda, que as forças superiores nos blindam constantemente de numerosas catástrofes que assolam diversos países do globo, como por exemplo: terremotos, tsunamis e outros eventos refratários. Herdamos também, gratuitamente, um coração verde que abraça o carma terrestre: a Amazônia, de onde nascem apenas preciosidades raríssimas e absolutamente esplêndidas.

Com todos esses fatores positivos expostos acima, o povo brasileiro deveria ser o mais motivado do mundo, livre completamente do negativismo e das ideias autossabotadoras. Todavia, existe um vírus maligno que cresce assustadoramente em nossa sociedade e derruba qualquer espécie de contentamento que possa vir a existir, ceifando a serenidade e passividade da referida nação que esmorece acuada e enjaulada perante tal criatura demoníaca que tem poder para desestimular o país e destruir implacavelmente suas perspectivas positivas.

O nome dessa endiabrada criatura é PESSIMISMO e ela tem soberania para tirar vidas e dilacerar talentos por meio do medo, da maldade, do pânico e do horror, transformando o reino verde, amarelo, azul e branco em uma casta aterrorizadora de trevas e escuridões incomparavelmente inigualáveis.

E o resultado dessa alienadora posição se reflete no dia a dia do brasileiro: que não tem forças para acreditar no potencial do chão que lhe deu vida – aceitando ostentar uma existência de servidão eterna por desconhecer as variáveis assertivas que se movem constantemente a sua volta, desperdiçando oportunidades e causando grandes complicações para os seres que aqui habitam pela falta de esperança no puro sangue nacional.

Como começar a empreender mesmo tendo poucas vantagens a seu favor

Estimo demais os japoneses: eles possuem uma rotina de trabalho e estudo disciplinadamente pesada, uma vez que almejam alcançar um nível técnico que os permita construir estradas verdadeiramente grandes. Desde muito cedo, a criança oriental é disciplinada a buscar a excelência: moldando sua vida para a edificação de um futuro bem sucedido por meio de ações antecipatórias, evolutivas e estimuladoras.

Você sabia que os guerreiros do arquipélago mais sábio do mundo são vastamente responsáveis por grande parte das produções tecnológicas do nosso reino? E que a criatividade e as soluções mirabolantes são marcas registradas dos habitantes desse lugar? E que as inovações são constantes, espontâneas e que invenções extraordinárias brotam a cada dia? Que as pesquisas biomédicas são extremamente avançadas e que o PIB dos nipônicos é o 3° do planeta?

Esses são motivos fortíssimos para qualquer empreendedor repensar suas idealizações e se inspirar alucinadamente nesses mágicos indivíduos de olhos puxados, ceifando esse espírito fauno para incitar uma busca ao pedestal da qualidade no curso de sua laboriosa e motivadora carreira.

Em minhas experiências pessoais, percebi também que o orgulho é o maior inimigo do homem, porque o faz perecer na lama pútrida da preguiça, o fazendo herdar uma existência covarde por medo de perder suas abjetas insígnias egocêntricas. Em outros termos, para que um profissional possa otimizar seu portfólio de atribuições e alavancar seu raio de qualificações é obrigatoriamente necessário que ele esteja disposto a perder aquilo que a natureza humana mais exalta e protege, a saber: a vaidade.

E nisso os japoneses são exímios mestres, haja vista que aprendem com seus tutores (ainda na infância) a valorizarem titanicamente a humildade e os valorosos conselhos externados pelos anciãos do reino, permitindo serem formados e amadurecidos pelas mãos treinadas daqueles que já experimentaram painéis estrambólicos e ambientes embaraçosos.

E ainda não acabou, porquanto esse fabuloso povo sabe como nenhum outro engrandecer e aproveitar sua tradicionalíssima cultura, utilizando princípios milenares para potencializar suas construções e dirimir suas embromações. Esse preceito é importantíssimo para os jovens administradores que querem moldar suas convicções e pensamentos por meio de princípios trazidos de berço, dando vasta importância para os dogmas supremos herdados na criação e para as doutrinas assimiladas nas interações com seres da mesma bacia territorial.

Sejamos sinceros, com toda essa alegoria de dotes e quilates descortinada, fica extremamente fácil compreender o motivo desses cidadãos asiáticos serem tão respeitados e reverenciados mundialmente. Por consequência, saber trazer essas preciosas lições para dentro das nossas casas é uma garantia inquestionável de sucesso: fomentando um lúdico festival de hábitos e comportamentos montados para o alcance da impecabilidade, do primor e da magistralidade, com uma brisa suave de encanto e arte que dará poder para superarmos as adversidades e gozarmos êxito perante essa orbe globalizada e sistematizada em que nossos pés transitam.

Etapas básicas necessárias para o exercício do empreendedorismo

Conhecimento

Immanuel Kant nos brinda magistralmente com uma propagação absolutamente inquestionável: “O homem não é nada além daquilo que a educação faz dele.” Seguramente, o que o notável filósofo prussiano quis dizer foi que a essência de todas vitórias está em desenvolver e capacitar competências: aguçando os pontos ocultos presos no coração e estimulando as sacadas acorrentadas no núcleo cerebral com o intuito de descortinar o terreno desconhecidamente habilidoso que mora no fundo das consciências humanas.

Por conseguinte, o empreendedor precisa dominar várias áreas, ter aptidões para executar processos específicos, estar sempre se atualizando e, prioritariamente, saber se comunicar com a gama variada de personalidades que cercam o seu complexo empreendimento, dando a esses sujeitos soluções intensamente rápidas e puramente refinadas.

Insight

A imaginação é uma ferramenta poderosa quando usada sagazmente. Infelizmente, o individuo contemporâneo tem preguiça de pensar e, principalmente, de materializar suas idealizações, o que faz com que tenhamos uma linhagem de seres que adoram a escuridão ao invés da luz.

Desta forma, repousar nas profundezas da consciência e deixar o mundo das ideias agir soberanamente sob as cortinas dos sonhos é a única e melhor maneira de ter inspirações e estalos especiais.

Originalidade

Uma virtude pouco explorada pelos profissionais da nossa era é a originalidade. Essa condição consiste em não se contentar com a mediocridade dos modelos já criados, gerando uma busca colossal por uma estrada pessoal onde serão plantadas novas hortaliças em prol do cultivo de invenções capazes de romper paradigmas e destronar moldes alicerçados.

Seguramente, para ser ímpar no meio dessa multidão de cópias fajutas é primordial ter persistência (para acreditar nas próprias ideias e consequentemente vencer objeções), fluência intelectual (para erigir várias formas de resolução para os problemas) e curiosidade (para adentrar terrenos inexplorados e encontrar tesouros invisíveis).

Amor

Na trajetória de um profissional de ponta, muitas serão as decepções, injustiças e lamentações. Então, para que esse sujeito se mantenha firme diante desses “espetos emocionais” é impreterível que ele mantenha sempre ativa a pratica do perdão, o exercício da paciência e a conduta da servidão para que seu coração seja forte e seu espírito seja tolerante.

Sem essas nobres ramificações, esse sonhador será perpetuamente escravizado por sentimentos negativos que ele mesmo criou, perecendo no lodo endiabrado de suas vinganças individuais e definhando no barro demonizado de suas lembranças viscerais.

Destreza

Uma perspicácia estupenda é a interpretação estratégica do mercado. Qualquer pessoa pode enxergar o óbvio, mas o inusitado apenas os olhos peculiarmente visionários. Destarte, o empreendedor deve ter uma vista que o permita ceifar objetos abscônditos e evidenciá-los para que seus punhos herdem novas faculdades.

Essa vantagem será útil para que esse individuo possa apanhar uma oportunidade e esmiuçá-la em partes menores (desmembrá-la), procurando analisar cada elemento isoladamente para posteriormente sintetizá-los em fragmentos específicos, trasmudando hipóteses utópicas em soluções verossímeis e criativas.

Exercício

De nada adiantarão todas as reflexões descritas até agora se elas não forem acompanhadas de muita atitude e pratica. Vivências, testes, derrotas, exames e avaliações são variáveis que somente podem ser apalpadas por um soldado que conhece vastamente o campo de batalha, tendo percorrido longamente os arraias da guerra e voltado com a múltipla experiência de um verídico confronto.

Essas importantes ações obrigarão o empreendedor a por mão na massa - literalmente -, saindo do ambiente teórico para o pratico e rumando imediatamente para a realidade tangível e concreta dos fatos. Em outras palavras, ao adentrar esse caminho obscuro e enigmático, esse sujeito perceberá que o importante não é achar o fim do labirinto, ou a porta da esperança, mas sim saber como aproveitar as trilhas que o levaram a esses gloriosos rumos, herdando sabedoria e erudição pelo aprendizado obtido no meio dessa perniciosa e jubilosa senda.

Saiba ainda, que:

  • Brilhantismo é ser generoso sem ter nenhum interesse camuflado nas nuvens;
  • Amadorismo é ser arrogante ao ponto de atacar as PESSOAS e não o PROBLEMA;
  • Garra e furor são dons espontâneos de consciências tipicamente elevadas;
  • Estagnação e comodismo são características peculiares de mentes derrotadas;
  • Criaturas medíocres existem apenas para serem levadas pelo curso da vida (expirando diante do luciferiano senso comum);
  • Entidades estupendas vieram a esse mundo para dar um toque singular a esses cenários chatos - recheados de entediantes mesmices;
  • Personalidades medianas não são transformadas porque rejeitam a paciência, a sinceridade e a verdade;
  • Indivíduos formidáveis são levantados rapidamente por não temerem ser eles mesmos, fazendo da transparência a torre mais destacada de suas enobrecidas almas;
  • Seres brilhantes são rochosos emocionalmente e não permitem jamais que suas forças interiores sejam menores que as exteriores;
  • Organismos frágeis não suportam críticas, objeções e confrontos, acreditando nos vampiros da morte que sugam suas energias psíquicas e os fazem desgraçadamente definhar;
  • Campeões são pessoas que enfrentam seus medos, vaidades e limitações;
  • Perdedores não se abrem para encararem o susto da vida: declinando pifiamente nas perigosas amarras da tola ignorância.

 

Já não me restam mais dúvidas: o ser humano apenas foge da apatia quando tem seus brios feridos, seu orgulho maculado e sua dignidade despedaçada. Do contrário, ele estagna e morre no limo asqueroso da acomodação, desperdiçando seus talentos e esmorecendo sordidamente nas ordinárias masmorras da ignorância. Por isso, a ousadia é o único molde que separa as pessoas comuns das extraordinárias. Para comprovar fatidicamente essa materialização, faça um exercício pessoal: olhe atentamente a sua volta e repare a diferença daqueles que acreditam nas próprias convicções para aqueles que são levados pela lunática ventania. Veja a discrepância de mentalidade entre um homem de princípios e um outro que em nada crê. Vislumbre a distância interplanetária entre um ser que ostenta uma causa para um outro que vive apenas para o seu particular egoísmo.

Usando letras heterogêneas, o que quero dizer é que o que enobrece uma aura é a maneira como ela enxerga os problemas existentes no globo terrestre, de forma que se levantar e decidir transformar o mapa fará com que tal entidade ganhe não só talento e aclamação, mas principalmente, um espírito de cordialidade e total compromisso com a honra. Quando isso acontecer, as maravilhosas luzes e as regozijantes clarificações farão parte do cartel divinamente inspirado de tal profissional, que passará a ser uma grande esperança para a humanidade: atraindo seguidores, admiradores e precursores pela maneira sábia em que conduz suas poderosas e diplomáticas ações.

Avalie este artigo:
(3)
As opiniões veiculadas nos artigos de colunistas e membros não refletem necessariamente a opinião do Administradores.com.br.
Tags: administração competitividade criatividade empreendedorismo gestão inovação mercado quebra de paradigmas trabalho

Fique informado

Receba gratuitamente notícias sobre Administração