Crowdfunding, investidor anjo ou banco?

Há diversas formas de captar fundos para o seu negócio e decidir qual a melhor pode ser uma tarefa não muito fácil. Saiba os prós e contras e escolha a melhor opção de captação para o seu negócio

Há diversas formas de captar fundos para o seu negócio e decidir qual a melhor pode ser uma tarefa não muito fácil. Afinal, tudo na vida tem prós e contras. Eu, por exemplo, transformei a Kickante em uma das maiores startups do país fazendo o que amo, sem gastar dinheiro próprio - como conto no livro Seu Sonho Tem Futuro. Por isso, se você é dono de uma empresa e gostaria de lançar um produto, aumentar o conhecimento sobre sua marca através de campanhas de marketing, é importante pesquisar e escolher a melhor opção de captação para o seu negócio.

A grande vantagem do crowdfunding, seja você um artista, empreendedor ou filantrópico, é que você pode arrecadar fundos para realizar qualquer ideia ou projeto que tenha. Com crowdfunding, você só depende da aceitação dos contribuidores (que se tornarão seus clientes) e não somente de um investidor ou banco. Além da burocracia para conseguir financiamento da forma tradicional, com os bancos ou investidores, você ainda corre o risco de, lá no final, ser negado. E quem disse que o futuro de sua empresa pode depender apenas de uma pessoa?

Os bancos brasileiros têm atrelado suas taxas de juros a partir de uma absurda taxa Selic, fixada em 14,25% ao mês, sendo uma das formas mais onerosas para arrecadar dinheiro. A Kickante, por exemplo, cobra 12%, sendo 7% de taxas financeiras. Sim, a maior parte da taxa administrativa é destinada às taxas de cartão, banco, entre outros. O valor que fica para a plataforma é de apenas 5%.

Há diversas razões para que a sua empresa arrecade fundos via crowdfunding. A principal é que, desta forma, você arrecada fundos sem ter que dar parte da sua empresa em troca (estamos falando de crowdfunding tradicional e não de equity crowdfunding), como acontece quando recebe investimento de investidores anjos.

Em troca de cada contribuição financeira recebida em sua campanha de crowdfunding, você deverá dar uma recompensa – que pode ser o produto que você está angariando fundos para lançar, por exemplo. Desta forma, você adquire clientes antes mesmo de lançar a sua empresa no mercado. E está aí uma segunda vantagem importante: você atrai novos clientes e avalia a sua ideia antes de ir para o mercado, minimizando as falhas.

O fato de crowdfunding ser uma ação pública, atrai a atenção da mídia e impulsiona a popularidade de sua empresa. Quem não lembra do Oculus Rift (para realidade virtual) que arrecadou quase $ 2,5 milhões para a sua produção, em 2012, e, em 2014, foi adquirida pelo Facebook por $ 2 bilhões! No Brasil, a criadora da campanha 1º box de beleza, com produtos cruelty free! também recebeu o contato de investidores após ultrapassar sua meta e arrecadar R$ 18 mil para produzir caixinhas mensais de cosméticos livres de crueldade animal. O pessoal da campanha Guarddy também recebeu vários contatos de investidores interessados na ideia e no desenvolvimento do projeto - apesar de a campanha não ter arrecadado o valor total da meta, os investidores perceberam o potencial do produto.

Os investidores estão de olho em crowdfunding

Crowdfunding se transformou em uma vitrine de novos (e bons) projetos. Muitos investidores, por exemplo, usam plataformas de crowdfunding para procurar novos negócios e ideias inovadoras.

“Eu acredito que a democratização da captação de recursos através de crowdfunding é um avanço incrível para os empresários e entidades sem fins lucrativos” (“I believe that the democratization of fundraising through crowdfunding is an incredible breakthrough for entrepreneurs and nonprofits”) disse Wayne Kimmel, sócio-gerente da SeventySix Capital, que já investiu em projetos inseridos em plataformas de financiamento coletivo.

A possibilidade de testar o mercado, identificar exatamente o que mais agrada seu cliente também é outra vantagem do crowdfunding. Outro caso bem famoso e um dos recordes mundiais de arrecadação, o Cooler Coolest arrecadou mais de $ 13 milhões. Mas, na primeira campanha, ele chegou somente a $ 102 mil (nem 100% da meta solicitada). O criador do produto analisou a campanha, reuniu informações sobre o que poderia ter gerado sucesso e o que deveria ser melhorado. Por exemplo, a campanha foi lançada durante o inverno, mas as pessoas geralmente compram coolers durante o verão; e muitos contribuidores também solicitaram modificações no projeto que foram adicionados na segunda campanha, lançada 6 meses após a primeira. Essas informações são preciosas para o criador do produto e disponíveis sem nem mesmo ele tê-lo lançado. Não é o máximo?!

É verdade, com crowdfunding, você não conta com o apoio intelectual e a experiência de investidores anjo. Mas, em contrapartida, conta com o apoio de centenas, milhares de pessoas que são o seu público e a quem realmente você tem que agradar.

Crowdfunding já movimenta mais dinheiro do que Investidores Anjo

De acordo com a Forbes, crowdfunding levantou 34,4 bilhões de dólares em 2015, já ultrapassando os investidores anjo (veja o gráfico abaixo). A expectativa é que, em 2016, superasse VC (Venture Capital ou Capital de Risco). A cada hora, $ 87 mil são arrecadados via crowdfunding ao redor do mundo. São $ 2 milhões por dia ou $ 1,4 mil por minuto! Isso tudo a um custo operacional baixo, coletando todos os nomes e informações sobre os contribuidores, fomentando a base de dados de sua empresa.

Veja números da Forbes:

Avalie este artigo:
(0)
As opiniões veiculadas nos artigos de colunistas e membros não refletem necessariamente a opinião do Administradores.com.br.
Tags: aporte inicial crowdfunding investidor anjo investimento kickante

Fique informado

Receba gratuitamente notícias sobre Administração