Mais comentada

Empreendedorismo 360º: a prática na prática

"Empreender não é ciência nem arte, é uma prática", portanto, este livro é essencialmente prático. Leia e empreenda mais e melhor!

Sou fã incondicional do empreendedorismo e, por consequência, dos empreendedores que, a despeito de todas as sacanagens que lhe são impostas por empregados, por concorrentes e pelo próprio governo, carregam no DNA o gene da resiliência e continuam lutando para prosperar num ambiente hostil para a grande maioria, como é o caso do Brasil.

Quando falo de empreendedores, refiro-me aos autônomos em geral, aos camelôs, aos representantes de vendas, às empresas de garagem e de fundo de quintal, portanto, às micro, pequenas e médias empresas, segundo a classificação do GEM (Global Entrepreneurship Monitor) e da Doing Business, instituições renomadas que avaliam a importância do fenômeno no mundo.

Contudo, a vocação empreendedora do brasileiro - mais de 52 milhões de empreendedores no país, segundo o GEM - mostra-se inversamente proporcional à sua capacidade de gestão, motivo pelo qual "a grande maioria prefere a escravidão na segurança ao risco na independência".

Em geral, os empreendedores brasileiros:

- Possuem péssima consciência financeira; têm vergonha de ler livros como Pai Rico Pai Pobre, O Homem Mais Rico da Babilônia ou Os Segredos da Mente Milionária; portanto, a maioria prefere quebrar a ler livros de autoajuda.

- São orgulhosos, morrem, mas não pedem ajuda; pensam que coaching, consultoria, mentoring, ERPs etc. são despesas e não investimentos.

- São empolgados com faturamento em vez de lucro líquido;

- Pagam juros altíssimos em bancos, mas não criam coragem para negociar as dívidas do cheque especial com o Gerente do Banco, o qual, aliás, está lá para isso, entretanto, quanto mais orgulhoso, mais juro se paga.

- Investem em bens pessoais, mas não investem em pessoas que são o seu melhor ativo.

- Endividam-se rapidamente para manter uma aparência que, mais dia, menos dia, vai levar a empresa para o buraco.

- Tentam ser tudo para todos em vez de colocar as pessoas certas no lugar certo fazendo a coisa certa.

- Mal sabem, nem se preocupam em aprender a ler um balanço, uma DRE ou um fluxo de caixa.

Abrir uma empresa é fácil, porém, manter a empresa estável e faze-la crescer de maneira sólida, consistente e lucrativa é um desafio para gente resiliente, madura e responsável, que ama o que faz e sabe que nada prospera da noite para o dia.

Ao longo dos últimos 40 anos, já trabalhei com empresários, empregados, executivos de todos os tipos e tamanhos e, por experiência própria, afirmo sem medo que é impossível ser feliz em negócios apenas com empolgação e uma ideia na cabeça.

"A felicidade, meu amigo, é um fluxo de caixa positivo". Quer saber mais? Leia o meu novo livro sobre empreendedorismo, cujas práticas mencionadas são frutos da experiência com negócios e não apenas de pesquisa em livros acadêmicos.

Como eu disse no início, sou fã dos empreendedores em geral, mas abrir e manter um negócio vai muito além do sonho. Sem gestão, não há digestão, somente congestão.

Pense nisso e empreenda mais e melhor!

Digite Empreendedorismo 360º - A prática na prática no Google e tenha acesso a mais de 40 sites onde o livro está disponível.

Adquira o livro e tenha acesso ao seguinte material online: 

  • Questões para revisão do capítulo
  • Questões para reflexão individual
  • Questões para discussão em grupo
  • Sugestões de links disponíveis para consulta na Internet
  • Sugestões de leitura (recomendada)
  • Palavras-chave para pesquisa e análise
  • Ferramentas para colocar suas ideias em prática e melhorar a gestão do seu negócio.
Avalie este artigo:
(2)
As opiniões veiculadas nos artigos de colunistas e membros não refletem necessariamente a opinião do Administradores.com.br.
Tags: atitude muda tudo empreendedorismo 360 empreender entrepreneurship negocio por conta propria

Fique informado

Receba gratuitamente notícias sobre Administração