O poder da mulher no empreendedorismo

O empreendedorismo feminino ganha cada vez mais força. E isso é motivo para celebrar.

iStock

Empreendedorismo ou empreender significa a disposição de identificar problemas e oportunidades e investir recursos e competências na criação de um negócio, projeto ou movimento que seja capaz de alavancar mudanças e gerar um impacto positivo. Neste conceito, não há qualquer diferenciação de gêneros, ou melhor, não existe qualquer palavra que afirme que o homem empreendedor é melhor que a mulher empreendedora para a gestão dos negócios.

A luta histórica das mulheres pela igualdade de direitos e contra a segregação de gênero, que colocava o masculino acima do feminino, aos poucos vem mudando de direção. As conquistas obtidas ao longo dos anos, hoje em dia, já começam a produzir reflexos, inclusive no campo dos negócios. Melhor ainda: não apenas colocando a mulher em patamar de igualdade com os homens, mas até mesmo as colocando acima.

De acordo com dados do Banco Mundial, entre 25% a 35% das empresas privadas são operadas por mulheres e estima-se que, em 2028, esse número cresça para 75%. Isso é o reflexo de como são enxergadas as ‘mulheres na chefia’, pois, para o pensamento da grande maioria é que a mulher coloca mais paixão e tem um certo cuidado especial para gerir o negócio.

Ainda sobre dados, um estudo realizado pela Peterson Institute for International Economics aponta que quando pelo menos 30% dos cargos seniores de uma empresa são ocupados por mulheres, o lucro desta aumenta em até 15%. Isso se dá pelo fato de mulheres conseguirem formar equipes melhores, serem gestoras mais respeitadas e avaliarem com clareza os recursos necessários para atingir uma meta, conforme pesquisa realizada pela empresa de consultoria americana Zenger Folkman.

A Revista Forbes divulgou no último mês de Novembro a lista das 100 mulheres mais poderosas do mundo, ficando o título para a Chanceler Alemã Angela Merkel, eleita pela sétima vez consecutiva, seguida da primeira ministra britânica Theresa May, de Melinda Gates, copresidente da Fundação Bill & Melinda Gates, Sheryl Sandberg, chefe de operações do Facebook e de Marry Barra CEO da empresa General Motors.

Segundo Nathalia Arcuri, fundadora do canal de finanças “Me Poupe!”, reunir mulheres para discutir empreendedorismo é importante. É muito importante até para desmistificar alguns preconceitos que as próprias mulheres têm a respeito de competências e autoestima. Ainda há muito a caminhar no sentido do empoderamento da mulher como empreendedora, empresária ou gestora, tenha o nome que for.

Fato é que vivemos um tempo em que não se pode mais aceitar escutarmos a frase ‘aqui não é lugar para mulher’. Lugar de mulher é onde ela quiser! O machismo enraizado de forma vertente em nossa sociedade deve ser combatido diariamente, pois só assim conseguiremos a igualdade pelo qual lutamos durante tantos anos. O cenário feminino no empreendedorismo está em ascensão, e isso significa que qualquer mulher pode começar agora a movimentar seu próprio negócio.

As opiniões veiculadas nos artigos de colunistas e membros não refletem necessariamente a opinião do Administradores.com.br.

Avalie este artigo:
(0)
Tags: empreendedor empreendedorismo negócios