Ambrósio quem foi ele?

Ambrósio nasceu em Trier (339), seu pai era prefeito da Gália (França) e seus pais eram cristãos.

Ambrósio nasceu em Trier (339), seu pai era prefeito da Gália (França) e seus pais eram cristãos. Seguiu as pisadas do seu pai e tornou-se um governador de província na Itália.

Em 374 houve um conflito quanto ao apontamento do novo bispo de Milão e Ambrósio foi escolhido como um leigo. Na época, era apenas um catecúmeno, preparando-se para o batismo, isto era normal na Igreja do século IV para aqueles do ofício público, e, portanto, sujeitos a submeter pessoas à morte, atrasar o batismo. Uma vez que o batismo era visto como um lavar externo de todos os pecados, era melhor adiá-lo até que os perigos morais do ofício público houvessem passado. Devotou-se seriamente a sua nova tarefa e tornou-se o maior Líder da Igreja Ocidental do séc. IV.

Ambrósio lutou firmemente e com sucesso pelo estabelecimento da ortodoxia nicena. Nos vinte anos anteriores os imperadores haviam favorecido um cristianismo menos dogmático, mais aberto às idéias de Ário. Encabeçou a luta pela igreja baseada firmemente sobre a verdade da deidade de Jesus Cristo. Ambrósio morreu em 397.

Ambrósio foi um pregador talentoso e popular. Introduziu do oriente o método da alegoria. Esta abordagem da Bíblia, que tornou o Antigo Testamento um livro “espiritual” agradando aos platonistas, preparou o caminho para a conversão de Agostinho em Milão.

 

Ele trouxe do oriente a recém-desenvolvida ênfase na transformação ou conversão do pão e do vinho no culto de santa ceia. Isto levou, no devido tempo, à doutrina da transubstanciação, definida no Quarto Concílio de Latrão (1215).

Ambrósio também preparou o caminho para o ensino de Agostinho sobre a queda e o pecado original: “Em Adão eu caí, em Adão eu fui expulso do Paraíso, em Adão eu morri... culpado como eu fui em Adão, agora eu sou justificado em Cristo” [A Morte de Sátiro 2:6].

Destacou-se em seus procedimentos com a corte imperial. Estabeleceu princípios importantes de independência da igreja e dos deveres dos governantes cristãos, que seriam desenvolvidos na Idade Média. Três conflitos principais com a corte ilustram estes princípios:

Um altar e uma estátua pagãos de Vitória haviam sido removidos da casa do Senado em Roma. Dois anos depois (384), um importante orador retórico neoplatonista de nome Symacus, parente distante, escreveu uma petição ao recém apontado imperador Valentiniano. Ele insistia com uma tolerância ao paganismo e com a restauração à estátua da Vitória. O imperador ficou inclinado a ceder, mas Ambrósio escreveu-lhe em termos nada ambíguos, enfatizando que um cristão não poderia apoiar o paganismo. Valentiniano cedeu, mas sua mãe, Justina, que apoiava o partido “ariano” (isto é, não-niceno), ficou determinada a vingar-se de Ambrósio.


Em 385 e 386 houve tentativa pela corte imperial para forçar Ambrósio a entregar um edifício da igreja aos não-nicenos, Ambrósio recusou. Argumentou que as coisas de Deus devem ser rendidas a Deus, não a César, e isto inclui os prédios da igreja. Ambrósio enfrentou a imperatriz, organizando uma ocupação de protesto na igreja em disputa e anunciando sua prontidão de aceitar o martírio. Foi nesta época que ele introduziu no ocidente a prática de canto de hinos congregacionais para alimentar o espírito da congregação ocupando a igreja. A imperatriz cedeu.


Finalmente em 390, o imperador Teodósio, que havia convocado o Concílio de Constantinopla em 381, ordenou um massacre brutal de milhares de cidadãos de Tessalônica, em seguida a um distúrbio que houve ali. Teodósio pertencia à congregação de Ambrósio, que viu isto como uma matéria pastoral. Escreveu ao imperador uma carta discreta exigindo dele fazer penitência ou ser excomungado. Teodósio, que havia tentado cancelar a ordem e se arrependido de suas ações, cedeu e apareceu na igreja como um penitente, aceitou a repreensão de Ambrósio e as relações entre eles tornaram-se cordiais.

Avalie este artigo:
(0)
As opiniões veiculadas nos artigos de colunistas e membros não refletem necessariamente a opinião do Administradores.com.br.
Tags: educação

Fique informado

Receba gratuitamente notícias sobre Administração