Jurassic World: Dinheiro ameaçado

O mais novo lançamento do cinema, "Jurassic World: Reino Ameaçado" vale a pena ser assistido, afinal, como um filme que envolve dinossauros pode dar errado? Brincadeiras à parte, além de efeitos fantásticos, drama, humor e ação do início ao fim, a história contada é genial e gera bastante reflexão.

A premissa geral é a extinção dos dinossauros na famosa ilha-parque do filme lançado anteriormente a esse. A priori entendemos que é só isso, mas depois a trama se desenrola, o dinheiro acaba se envolvendo e o mundo dos negócios jurássico vem à tona.

O primeiro da sequência, chamado de Jurassic Park: Parque dos Dinossauros (1993) traz o ideal mais humanitário de reviver os dinossauros. Tanto que é criado um parque para exposição dos mesmos. Pesquisas é o foco das mutações genéticas e no máximo, utilizar isso para entretenimento público.

No último lançamento da saga, vemos que agora as grandes potências bélicas querem utilizar os animais em guerra, pagando milhões de dólares. A alteração genética dos dinossauros para fins bélicos é o grande vilão. Mudando a natureza dos mesmos para que supram intenções armamentistas e de guerra. Apesar de ser um filme, vale a pena ressaltar que fazemos isso a muito tempo e não só com animais.

Nos é mostrado que a grande chave para o maior desenvolvimento dos dinossauros é o velociraptor Blue, animal que foi domesticado pelo protagonista no filme anterior. O mesmo recebe ordens e ainda lidera outros animais ainda não domados. Esse desenvolvimento (adestrar um dinossauro) poderia ter sido utilizado com tantas outras finalidades mais benéficas para o animal e sociedade, entretanto, não é o que ocorre.

Já estou tão acostumado a esse tipo de abordagem, que sempre que vejo uma invenção penso na hora em como ela pode ser usada para o mal. Em boa parte das vezes quem é o autor da criação nunca tem essa intenção, geralmente é um cara engravatado do governo ou de grandes corporações que se apropria ou copia aquela ideia, visando sempre mais poder e dinheiro.

Acredito na boa intenção das pessoas. No máximo, caso exista a possibilidade de geração de receita com o que foi criado, elas querem tirar uma dinheiro legal vendendo aquilo que desenvolveram, mas nunca usar para matar, subjugar e oprimir alguém.

Tenho para mim que chega um momento na vida dos ricos em que as ações são feitas com dinheiro para dinheiro e por dinheiro. Deve existir um ponto em que (eu apenas suponho haha) você já tem condições de adquirir tudo que é comprável. Agora é só decidir se o seu sétimo carro será um audi ou ferrari e se seu filho irá fazer intercâmbio na europa ou nos EUA. Não existem grandes ou nenhuma limitação para o que você possa obter.

Mas apesar disso, parece não existir um freio em certas pessoas. Nessa teoria, talvez, o que venha depois sejam outros fatores, como influência, autoridade e o maior vilão de todos, poder. Concomitantemente, eles perdem o bom senso, respeito e empatia, pois esse tipo de coisa não é suficiente para o impedir de atingir o seu objetivo. Tudo isso aliado a um grande senso de superioridade. (Lembrando, não são todos os casos!)

O filme permite vários momentos em que você necessita refletir seu posicionamento acerca de temas, questionamentos e ações bem conflitantes, é muito interessante como tudo é relativo e depende da sua vivência, experiência e ponto de vista.

Se levarmos esse entendimento para outras áreas, e não irmos tão longe quanto para um mundo dos dinossauros, mas focarmos em nosso dia a dia nos escritórios, eu finalizo com uma pergunta…

O que você tem feito na sua vida apenas por dinheiro?

As opiniões veiculadas nos artigos de colunistas e membros não refletem necessariamente a opinião do Administradores.com.br.
Avalie este artigo:
(0)
Tags: dinheiro