Mais comentada

A Importância da gestão de qualidade para a competitividade das empresas na globalização dos mercados.

Yuri Gonçalves,
Confira e curta o blog Voz do Administrador.
Com a globalização as empresas passaram a ser mais exigidas por parte dos consumidores. Os clientes recebem ofertas diversas e são bombardeados por diversas opções, com isso se tornaram mais rigorosos na escolha dos produtos/serviços que outrora. Diante desse cenário mercadológico os clientes devem ser o principal foco das empresas. Para tanto faz se necessário compreende-los com intuito de desenvolver políticas para atraí-los, conquistá-los e por fim encantá-los, buscando a fidelização destes. De acordo Oliveira (2004, p.14) a qualidade passa ser vista como arma competitiva agressiva.

 

A qualidade é uma arma estratégica e deve ser uma ação orientada ao que apresenta o mercado, os concorrentes sempre mantendo o foco nos desejos e necessidades dos clientes As empresas devem se qualificarem e manter um padrão de qualidade alto, de forma que esses padrões sejam perceptíveis ao seu publico alvo. "O verdadeiro critério de boa qualidade é a preferência do consumidor." (FALCONI, 2004, p2). Deming (1990 pp. 124-125) ressalta a importância em manter a qualidade do produto com intuito de gerar satisfação do cliente com o produto/serviço; esse estado de espírito dos consumidores gera uma imagem positiva da organização para a sociedade, através da influência exercida pelos consumidores em seus grupos de relacionamento sobre as experiências adquiridas com o produto/serviço. Deming deixa clara a importância de manter os clientes satisfeitos não somente no momento da venda como também durante todo o tempo de uso, na busca do encantamento e sua consequente fidelização.

Rize Moura (2003, c.ap.5) cita a seguinte frase "o que não agrega valor agrega custo." Ainda Raize Moura (2003, cap. 5) defende a importância do estudo dos processos e de sua adequada organização para melhor eficiência da empresa e consequente diminuição de custos. A qualidade na produção evita desperdícios desnecessários como retrabalhos, retorno de produto devido aos defeitos, com a melhoria nos processos há uma redução na frequência de erros e principalmente na insatisfação dos clientes, dentre outros. Deming (1990, pp.129-130) destaca o consumidor como a parte mais importante da linha de produção e elucida a importância de entregar um produto de qualidade ao cliente com a seguinte frase: "o custo de substituição de um item defeituoso na linha de produção é relativamente fácil de ser estimado, mas o custo de um item defeituoso que é entregue a um cliente desafia qualquer medida." Essa insatisfação caso gerado no cliente ocasiona perdas maiores como um marketing negativo e deterioração da marca. Ressalto que a Qualidade deve ser abordada de forma sistemática na organização como forma de maximização da eficiência e eficácia operacional.

A marca é o principal ativo da empresa, é o nome dela e a sua imagem dentro da cabeça do consumidor. Transmite por si só um padrão de informações que atuam de forma a auxiliar os consumidores em suas tomadas de decisões de compra. Manter um padrão e uma gestão de qualidade é hoje indispensável para sobrevivência e crescimento das organizações em um mercado extremamente competitivo, e de clientes exigentes. Falconi (1992, pp.6-8) diz que "o que realmente garante sobrevivência das empresas é a competitividade" e a competitividade decorre da produtividade e esta da qualidade.

A inovação é a garantia de qualidade, é a arte de identificar necessidades não supridas e atende-las, alcançando o oceano azul para as empresas; através da inovação são concebidos produtos e serviços diferenciados onde a concorrência é quase nenhuma ou inexistente e levara um tempo para o mercado se apresentar predatório. Cazuza cantou "o tempo não para". O mundo não para e por isso as empresas também não podem parar, deve embutida na em sua essência sempre o pensamento de melhoramento continuo. As empresas devem se atualizar, se reinventar, elas devem inovar; a inovação é imprescindível para competitividade da empresa no mercado. Eloquentemente Oliveira (2003, p.36) cita o pensamento de Vico Mañas em que conceitua inovar como o ato de praticar a ideia colocando-a em ação.

Fica claro que o poder de inovar e do sucesso organizacional está na palavra e no ato de executar, de acontecer. Deixar de inovar significa perder Market Share e até mesmo deixar de existir.

________________________________________________________________________

Referências:

CAMPOS, Vicente Falconi. TQC: Controle da Qualidade Total ( no estilo Japonês). Ed. Rio de Janeiro: Bloch, 1992.

OLIVEIRA, Otavio J.(org). Gestão de Qualidade: Tópicos avançados. São Paulo:Pioneira Thopson Learning, 2004.

DEMING, W. Edwards. Qualidade: A revolução da administração. Tradução de Clave Comunicações e Recursos Humanos. Rio de Janeiro: Marques-Saraiva, 1990.

Moura, Raize Luciano. Qualidade Simplesmnte Total: uma abordagem simples e prática da gestão de qualidade. Rio de Janeiro: Qualitynark Ed, 2003.

Avalie este artigo:
(1)

Curta o Administradores.com no Facebook
Acompanhe o Administradores no Twitter
Receba Grátis a Newsletter do Administradores

As opiniões veiculadas nos artigos de colunistas e membros não refletem necessariamente a opinião do Administradores.com.br.
Tags: competitividade da gestao globalizacao inovacao mercados qualidade

Vagas de trabalho