Marketing pessoal e etiqueta

Um diferencial competitivo aplicado no nosso cotidiano.

Diante desse cenário de mudanças e a necessidade de ser singular e sugerido por todos, nasceu o Marketing Pessoal e Etiqueta como forma de valorização pessoal e profissional. Atualmente, não só os executivos, as pessoas precisam investirem mais em si, em sua carreira, para construírem o seu produto de trabalho.

O Marketing Pessoal e Etiqueta mostrou-se ser uma ferramenta estratégica eficaz no processo de conduzir com êxito uma marca pessoal no mundo em que vivemos. Na medida certa, de forma planejada e estudada, é possível criar e desenvolver uma imagem coesa e sólida.

Em estudos feitos para o desenvolvimento deste artigo, pode-se observar que se faz necessário não só de um profissional que faça a ligação do produto- consumidor, e sim um profissional que construa uma imagem positiva de si mesmo e da organização, na busca do sucesso pessoal e profissional. É notável que no mundo moderno dos negócios, a maneira de se vestir, a maneira de se portar com as pessoas, de ser cortês, torna o ambiente agradável, tanto interno como externo, deixando o indivíduo responsável beneficamente pela sua consolidação pessoal e profissional.

Marketing Pessoal e Etiqueta são compostos pelo conjunto de ações estratégicas, atitudes e comportamentos que conduzem um profissional para uma crescente ascensão por meio de qualidades e habilidades adquiridas que, estudadas e praticadas, promoverão comportamentos favoráveis à realização das suas próprias metas almejadas.

Não é difícil perceber e entender o porquê de alguns indivíduos atingirem sucesso enquanto outros passam por despercebidos. Visibilidade é o desejo de todos os profissionais no início de carreira. O Marketing Pessoal e Etiqueta proporciona ao indivíduo formas para que ele não seja imperceptível no mercado de trabalho ou dentro de uma organização.

Dias, et. all..(2003, p. 478):

Os planos de marketing não servem apenas para transmitir informações, mas também para vender ideias, eles devem ser persuasivos. Os melhores planos de marketing, não se limitam a relatar fatos, mas fornecem argumentos convincentes, justificativas sólidas e projeções de resultados desafiadores. Alguém que lê um plano de marketing deve pensar: “Estas ideias são ótimas. ”

Conforme Costa. (2002, p. 17):

A diferença que faz maior ou menor sucesso está na ATITUDE. A seleção dos melhores ocorre quase sempre por suas atitudes, raramente por suas habilidades. Esta é uma ótima razão para você elaborar seu Plano de Marketing.

É sabido que um alto nível de intelectualidade, talento e preparo são as bases fundamentais para a ascensão no trabalho. Mas não obstante, a aparência diz muito a respeito do indivíduo. Gestos, ações dizem ainda mais. Conta muito mais do que ser bilíngue, músico, ator ou atriz. As organizações hoje, querem contar com profissionais que saibam tratar as pessoas de maneira que as encante não só pelo produto ou serviço prestado, mas pela forma de que como as encantam.

Segundo Kalil (1998, p. 164), “toda empresa tem sua personalidade. E você precisa conhecê-la bem para ‘vestir a camisa’ certa. Porque a imagem da empresa vem antes da sua. ”

Peters (2000 p. 72), conceitua que: “ o Marketing Pessoal fortalece o crescimento pessoal e profissional da ‘marca’ da pessoa”. Aborda a capacidade do indivíduo de atrair e manter relacionamentos pessoais e profissionais, com os colegas de trabalho, com clientes, com gerentes, diretores, de forma de que esses relacionamentos sejam duradouros e que através e por meio deles se realizem ciclos de atendimento de necessidades mútuas, gerando satisfação a todos.

Quando um funcionário, independentemente do seu cargo, aperfeiçoa seu desempenho profissional e aplica regras de etiqueta na organização, engrandece a harmonia institucional do seu ambiente de trabalho o que faz com quer a empresa seja vista com maior credibilidade e confiança. Dessa forma, buscando êxito para a empresa e para os profissionais nela em questão.

 

As opiniões veiculadas nos artigos de colunistas e membros não refletem necessariamente a opinião do Administradores.com.br.
Avalie este artigo:
(0)