Se você não confia no seu negócio, não espere que os outros o façam

Você está se lançando no mercado, mas bate aquela insegurança: será que vão comprar de mim? Se você não confia na sua oferta, não espere que o público o faça.

De fato existe muita oferta. Muito do mesmo. Muita coisa boa, muita coisa "mais ou menos". Há de tudo. Para todos os gostos e bolsos, não é mesmo? E você decidiu empreender. E tem uma oferta. Algo baseado na sua experiência, uma ideia inovadora, alguma coisa que você gosta de fazer. 

Mas bate aquela insegurança, aquela dúvida cruel: será que eu vou conseguir vender? Não se sinta mal por ter essa dúvida. O mercado é mesmo muito dinâmico, volátil. As modas vêm e vão. Mas independente disso - de crise, de moda, de tendência - você tem uma oferta e vamos assumir que você detectou que existe uma demanda. Ou seja, no mínimo você validou essa ideia no mercado. Detectou um nicho, uma necessidade e cruzou com algo que sabe e pode fazer. Pois bem. Elaborou o produto (ou serviço) e deicidiu "ir à luta". Se você tiver feito seu dever de casa, se tiver analisado bem o mercado, o comportamento do consumidor, a concorrência, as tendências, há chances de você se sair bem. Não será fácil, mas você fazendo seu trabalho analítico, consegue pouco a pouco encontrar o seu lugar ao sol. 

No entanto existe uma variável muito complicada, que sempre preocupa os empresários: preço. O que é preço? Bem, trocando em miúdos, preço é o valor que vai ser cobrado por esse produto ou serviço, resultado dos custos de matéria prima - se for serviço, seu conhecimento é a base - somados ao valor de homem/hora, adicionados à uma margem. Levando em consideração o mais básico para calcular um preço. Mas esse preço é um numerozinho muito chato porque ele é relativo. Na hora de fazer a conta dos seus custos, ele é cartesiano: um mais um é igual à dois, mas na hora de transformá-lo em valor PERCEBIDO, a matemática é posta de lado pelo consumidor. COMO o público percebe o valor do seu produto depende de você. Isso mesmo. 

Se você se posiciona como "mais um", tanto a concorrência quanto o cliente vão vê-lo como "mais um". Mas você se esmerou. VOCÊ sabe que não é apenas "mais um". Mas COMO fazer as pessoas perceberem isso? Primeiro de tudo: SE POSICIONE! Deixe claro para o mercado o seu PORQUE! Por que você existe? Qual a sua missão? Qual o seu objetivo na vida do consumidor? Que diferença você pode fazer? Esse é o primeiro ponto. A maioria dos negócios não sabe explicar ao mercado consumidor, com assertuvidade, o que faz de melhor. E culpam os outros pela sua falta de resultado. Não adianta culpar o outro. Tenha consciência de que você precisa melhorar seu discurso!

Segundo: tenha confiança! Seja no conteúdo da sua página de mídia social ou em uma situação "olho por olho", seja confiante! Explique com todas as suas forças o que você faz, os benefícios - muitos pecam porque apenas explicam as características, mas isso não importa. O que importa é o resultado!

Tenha CONTROLE! Esteja plenamente ciente e consciente do que você está fazendo e as pessoas não vão questionar você. Elas vão ficar encantadas por você. Cativar as pessoas é essencial. A maior parte das compras que nós fazemos tem cunho emocional, não racional. Pense como um ser humano! De humano para humano. Não há nada melhor. Não importa o canal que você está usando. Você pode vender por e-commerce. Se você usar os argumentos certos e tiver segurança no que faz, você desabancará a concorrência e envolverá -  e fidelizará -  o consumidor.

ACREDITE EM VOCÊ. ACREDITE EM SEU NEGÓCIO!

Avalie este artigo:
(0)
As opiniões veiculadas nos artigos de colunistas e membros não refletem necessariamente a opinião do Administradores.com.br.
Tags: comportamento empreendedorismo negócios vendas

Fique informado

Receba gratuitamente notícias sobre Administração