Vender por vender: Do que adianta isso hoje em dia?

Não sei se você já percebeu, mas vivemos na era de maior escassez de atenção que já se viu. Todos os dias recebemos uma enxurrada de notícias, piadas, fotos, vídeos engraçados, bom dia's, frases espirituais e motivacionais, mensagens do grupo da família, mensagens do grupo da turma que estudou junto na época da escola, vemos até uma mensagem de aniversário publicada na mural do Facebook de um amigo nosso que completa anos (mensagem essa que não tem nada a ver conosco)... e por ai vai. E é justamente devido a essa enxurrada de notícias, mensagens, e-mails e notificações que nunca na história da humanidade fomos tão dispersos, inquietos, ansiosos e agitados quanto agora.

(Ta certo que se não fizermos uma dieta de informação, muito provavelmente, 90% das notificações que chegam até nós são completamente irrelevantes e não somam em absolutamente nada para quem somos [ou queremos ser]... Ok, mas isso é papo para um outro artigo, por agora vamos nos ater somente ao volume das notificações e não a qualidade delas)

Segundo o médico psiquiatra e escritor Augusto Cury (um dos maiores especialistas sobre a mente humana no Brasil e no mundo), nos dias de hoje, uma criança é bombardeada com tanta informação ao longo da sua infância, que já aos 7 anos de idade possui mais informação do que um imperador romano tinha no auge de Roma. (Wow!)

Essa é a famosa (e dispersa) “Era ritalina”.

(Caso você não saiba o que é ritalina: Remédio indicado para crianças que possuam transtorno de déficit de atenção / hiperatividade - TDAH)

E só para que você possa entender melhor o nível de dispersão que estou querendo explicar aqui, se liga no seguinte comparativo que fiz entre gerações:

Antigamente na época dos nossos avós, quando alguém decidia estudar algo, era só isso que a pessoa fazia, somente sentava e estudava. Em seguida veio a época da galera que estudava com a TV ligada (eu fiz isso). Hoje em dia (acredite se quiser!) tem gente que estuda com a TV ligada, com o fone de ouvido em apenas em uma das orelhas (com uma música alta rolando) e ao mesmo tempo de minuto a minuto conferindo suas mensagens e curtidas no Whatsapp e Facebook.

Tá, tudo bem Hugo, até ai eu entendi... vivemos em um mundo super conectado e de pessoas muito dispersas... mas em que isso impacta o meu negócio? O que isso tem a ver com as minhas vendas?

Elementar meu caro amigo(a)...

Pense comigo...

Se estamos falando de uma era onde as pessoas estão muito mais dispersas quanto antes, isso quer dizer que, naturalmente, os clientes que visitam os nossos sites, blogs ou lojas (enquanto conversam pelo chat do Facebook e olham o Instagram ao mesmo tempo, por exemplo) estão mais dispersos a nós e aos nossos produtos mais do que nunca, o que acaba resultando numa dificuldade muito maior de conexão dele para conosco (já que ele não presta atenção direto no que estamos dizendo), ao passo que se a nossa comunicação com ele piora, consequentemente o engajamento dele para conosco também é impactado, o que no fim das contas impacta diretamente nas nossas vendas.

Simplificando o que eu acabei de mencionar:
Quanto menor atenção => Mais dificil a Comunicação => Menor Engajamento => Menos Vendas

Eu até entendo que hoje em dia temos muito mais ferramentas para alcançar de forma assertiva muito mais clientes, pois a tecnologia que temos a disposição hoje é estupidamente melhor em relação ao que tinhamos a 20 anos atrás... mas concorda comigo que não adianta nada nós alcançarmos ele e ele dar a mínima para nós? Concorda comigo que não adianta nada marcar um jantar romântico com uma pessoa que fala ao celular enquanto janta com você?

Esse é o ponto.

Se o nosso cliente nunca esteve tão indiferente a nós como hoje em dia (e a concorrência também nunca foi tão feroz como hoje), tenho uma pergunta:
Do que vale a pena gastar o pouquíssimo tempo que ele da a nossa marca tentando fazer uma venda fria onde o foco é apenas gerar receita?

Entende o que estou tentando dizer?

Não estou dizendo que gerar receita não tenha que estar em foco, não é isso... mas se ta cada vez mais difícil engajar o cliente a nossa marca ou aos nossos produtos, por que nós gastaríamos a rara oportunidade de fazer isso tentando empurrar algo nele sem nos preocuparmos se realmente o que estamos vendendo é relevante para a ocasião e se de fato estamos resolvendo o problema dele?

Se o nosso cliente não entender que de fato nós somos parceiros dele e que realmente estamos ansiosos a ajuda-lo a resolver seus problemas, game over. Dessa forma perderemos uma ótima oportunidade de criar ali um parceiro de negócios para a vida toda e que poderá falar aos 4 ventos o quanto a nossa empresa é incrível e o quanto ela o ajudou a resolver seu problema.

Precisamos ser indispensáveis para nossos clientes e isso só pode ser feito atráves da geração de valor pra ele, o que inclui estar 100% atento a todas aos seus desejos e necessidades, a todos os seus gostos e a toda as suas repulsas. Isso nunca pode ser feito só pela preocupação de vender por vender, não tem como.

Continuar com o modelo mental onde o foco é o lucro somente pelo lucro, é continuar tomando decisões a partir de um modo de pensar caduco, que pelos motivos que já mencionei não serve para hoje em dia.

Praticar a venda pela venda hoje em dia além de não ser tão eficaz, também acaba agredindo mais ainda o engajamento com o nosso cliente, o que deveria ser o contrário, as empresas deveriam estar criando mais valor para os seus clientes, para que com isso se obtenha mais engajamento por parte deles o que resultaria de mais vendas no longo prazo. Isso sim é uma modelo mental sustentável em se tratando de vendas, o vender por vender não é preparado para o longo prazo.

Pensar de outra forma não é fácil, exige quebra de paradigma. Pensar assim é trocar no relatório mensal da empresa o KPI Total de Vendas Realizadas pelo KPI Total de Clientes Ajudados.

É mudar o foco.

E eu aqui, por exemplo, te ajudei com esse artigo?

Tem mais alguma coisa que possa fazer por você?

Ou posso te colocar na minha métrica de Total de Amigos Ajudados?

Forte Abraço ;)

As opiniões veiculadas nos artigos de colunistas e membros não refletem necessariamente a opinião do Administradores.com.br.

Avalie este artigo:
(0)
Tags: vendas, site de vendas, negocios, marketing, empreendedorismo, vendedor, venda mais, dicas de vendas, venda direta, consultor de vendas, representante de vendas, marketing multi nivel, consultora de vendas, força de vendas, ecommerce