A sua empresa é empregável?

O conceito de Empregabilidade vem sendo disseminado já faz um bom tempo, ao contrário do da “EmpreSabilidade”.

Entende-se por Empregabilidade a busca constante do desenvolvimento de competências, para buscar ou manter um emprego atrativo.

A “EmpreSabilidade” é geralmente entendida como a capacidade das empresas de desenvolver e utilizar as competências intelectuais e técnicas de seus membros, para sustentar um posicionamento diferenciado no mercado.

Quero sugerir aqui que se enxergue o assunto “EmpreSabilidade” sob um prisma ampliado, ou seja, a capacidade da empresa de atrair colaboradores, clientes, fornecedores, parceiros, comunidade e investidores, os chamados Stakeholders - os grupos que lidam com a empresa no dia a dia. É aqui que se invertem os polos: a pergunta não é (apenas) o que o profissional deve fazer para ser empregável, mas (também) o que a empresa precisa fazer para se tornar “empreSável” perante o público acima, ou seja, para se tornar uma opção preferida para negócios; é preciso ser e se manter (!) “empregada” pelos players acima.

Por onde começar?

1 – Entenda o que os stakeholders esperam da sua empresa; sugiro resumir as necessidades da seguinte forma:
- O colaborador quer espaço para desenvolver o seu potencial produtivo;
- O cliente quer soluções;
- O fornecedor quer ser pago;
- A comunidade quer respeito sócio-ambiental;
- O investidor quer dividendos.

2 – Desenvolva os passos da gestão empresarial, a saber:

 Fixar objetivos corporativos e metas de cada área com o foco em crescer - com lucro - de forma sustentável(!);

 Elaborar Estratégias com foco em obter vantagem competitiva;

 Definir Prioridades com foco naquilo que podemos fazer melhor;

 Desenvolver Pessoas certas nas posições chaves;

 Desenhar a Organização com foco em criatividade, disciplina e inovação;

 Gerenciar o monitoramento com foco em soluções digitais tipo BSC.

Aplicando este processo, a empresa tem tudo para ser percebida, reconhecida e recompensada como sendo diferente, e não ser “apenas mais uma”, por combinar amplitude intelectual, disciplina organizacional e foco no resultado – dela e(!) dos seus públicos.

Como facilitar a sua EmpreSabilidade?

Envolva o time o tempo todo, através das metodologias avançadas CANVAS e DESIGN THINKING.

1 – Através do CANVAS (“tela”), o time pode descrever e cocriar, numa linguagem comum, em uma única folha(!), ideias sobre como buscar resultados de impacto; basta preencher um quadro com itens utilizando post-its - uma aplicação estruturada, instigante e envolvente.

2 – O DESIGN THINKING (“modo de pensar graficamente”) facilita pensar e atuar “fora da nossa caixa” bem como utilizar a criatividade de forma colaborativa, para gerar ideias (criatividade) e implantar ideias (inovação), a partir das necessidades reais dos stakeholders.

A aplicação do DESIGN THINKING e do CANVAS representa um jeito inspirador, prático e lúdico – portanto, inovador – para modular sua EmpreSabilidade.

Qual é o fator chave de Sucesso?

A otimização do processo da gestão empresarial através das ferramentas DESIGN THINKING e CANVAS sugere que a busca da empregabilidade perante os stakeholders – a EmpreSabilidade - se torne um hábito organizacional.

Onde está a sacada?

A empresa acaba se entendendo como a responsável, não apenas por sua carreira institucional, mas também (!) pela carreira dos seus públicos.

Que sirva este artigo para desmistificar a “EmpreSabilidade”, a empregabilidade da empresa. Uma tarefa difícil, mas não impossível; acima de tudo, tão desafiadora quanto fascinante.

Avalie este artigo:
(0)
As opiniões veiculadas nos artigos de colunistas e membros não refletem necessariamente a opinião do Administradores.com.br.
Tags: Canvas, design thinking, Empregabilidade, empresabilidade, gestão empresarial,

Fique informado

Receba gratuitamente notícias sobre Administração