Administração: um surto de sete fundamentos

Cada um desses fundamentos conceituais era praticado com sucesso bem antes do início do surto da administração. O surto da administração, em outras palavras, refinou, ampliou e modificou - mas criou pouco

Desde o fim da Segunda Guerra Mundial até o começo da década de setenta, o mundo inteiro experimentou o que os japoneses denominaram, em palavras vívidas, "surto da administração". Havia sete fundamentos conceituais para o surto da administração:

 

1) Administração científica do trabalho como chave da produtividade;

 

2) Descentralização como princípio básico da organização;

 

3) Administração de pessoal como maneira metódica de ajustar as pessoas às estruturas organizacionais (que incluía coisas como descrições de cargos, avaliações, administração de cargo e salários, mas também relações humanas);

 

4) Desenvolvimento de administradores para atender hoje às necessidades de administração de amanhã;

 

5) Contabilidade gerencial como fundamento do processo decisório;

 

6) Marketing e

 

7) Havia o planejamento a longo prazo.

 

Cada um desses fundamentos conceituais era praticado com sucesso bem antes do início do surto da administração. O surto da administração, em outras palavras, refinou, ampliou e modificou - mas criou pouco. Tornou acessível para gestores de todos os lugares o que, até então, fora mantido como segredo bem guardado de poucos especialistas. Converteu em prática geral o que até então, era exceção rara. Outras informações podem ser obtidas no livro Pessoas e desempenhos, de autoria de Peter F. Drucker.

As opiniões veiculadas nos artigos de colunistas e membros não refletem necessariamente a opinião do Administradores.com.br.
Avalie este artigo:
(0)
Tags: administração científica contabilidade descentralização desenvolvimento drucker fundamentos gama marketing pessoas planejamento surto