Análise comportamental do consumidor americano

Cultura e negócios estão intrinsecamente relacionados. O comportamento do consumidor americano difere e se assemelha ao de outras nações. Reconhecer e conduzir essas diferenças será determinante no sucesso de negócios internacionais.

A cultura é algo bastante evidente nas relações de consumo. Analisar posturas conforme a nacionalidade é, no mínimo, interessante. Um campo de estudo denominado Cross Cultural, ou algo como Cruzamento de Culturas, identifica as semelhanças e as diferenças que a cultura exerce nos consumidores. Esse estudo comportamental é mandatório para aqueles que desejam realizar negócios além das fronteiras de seu próprio país.

Você certamente em alguma de suas viagens internacionais já observou comportamentos. A convivência com estrangeiros deixa essas características mais evidentes, ao mesmo tempo em que nos faz compará-las às nossas próprias posturas. Pois bem, durante esses anos que tenho morado no Estados Unidos, observei três características relativas ao comportamento dos americanos que compartilho com vocês a seguir. São elas: discrição, cortesia e confiança.

Discrição

O público americano é discreto. Você dificilmente vai vê-los fazendo algazarras, sendo impertinentes, furando filas. No geral há muito respeito, até na hora de fazer reclamações. Eles não costumam verbalizar ou reclamar imediatamente quando insatisfeitos com um serviço. Armar barraco não é com eles. Se você indagar ao final de um serviço se este foi bom, eles responderão que sim. Porém, algumas horas depois ou no dia seguinte eles te ligarão para relatar alguma insatisfação ou farão um comentário negativo em algum dos sites próprios para tal. Raramente eles comunicam de imediato. E ainda que insatisfeitos, eles te darão uma segunda chance se você oferecer um novo caminho para reconquistá-los.

Cortesia

No geral, há muita cortesia ao se chegar e sair de um estabelecimento comercial. As palavras mágicas são largamente utilizadas por aqui. Os atendentes te darão bom dia na chegada. Te dirão seja bem vindo. Perguntarão como estão as coisas e elogiarão seu cabelo ou seu sapato. E não, não soa como bajulação. Algumas pessoas fazem isso na rua também ao passar por você. E ao deixar o lugar, eles desejarão um bom dia. Não importa a hora que seja, você irá ouvir um Have a great day!, algo como, Tenha um ótimo dia! No começo soa estranho e você pensa: - E ele me conhece de onde?! Depois você incorporará esse hábito em seu dia a dia e distribuirá a gentileza.

Confiança

A sua palavra vale muito. Há muita boa fé nas relações comerciais e pessoais. Se há desconfiança, ela está num patamar bem abaixo do nosso. Nós somos por demais desconfiados. As nossas experiências nos fazem assim, não é mesmo? Eu cheguei com todo aquele olhar torto, ensaiando respostas e porquês! Carece não. A vida é bem mais leve.

Eles confiarão no que você vender ou disser. Sim, haverão questionamentos, mas não há necessidade de resposta acompanhada de certificados e atestados de veracidade. Nada de muita burocracia.

Agora, entrar na balada onde se vende bebida alcoólica sem identidade, só na base da palavra, nem pensar. Estabelecimento sério faz a checagem. Álcool não combina com menor idade. Bom, com a vida adulta também não. Mas se você esqueceu a identidade, necessária para retirar na loja uma compra realizada online, tem jeito. Chamaram o gerente. Resolvido.

Vale o investimento

Ainda que superficialmente, vimos algumas características comportamentais do consumidor americano. Concluímos que não há como ignorar hábitos, valores e comportamentos nos negócios internacionais. Há que se dedicar parte dos investimentos iniciais para pesquisar, analisar e traçar estratégias de interação com os clientes. Sem esquecer também de promover entrosamento entre colegas de trabalho de diferentes nacionalidades. Sem dúvida o sucesso do negócio dependerá da condução dessas relações com harmonia.

As opiniões veiculadas nos artigos de colunistas e membros não refletem necessariamente a opinião do Administradores.com.br.

Avalie este artigo:
(1)
Tags: business comportamento consumidor consumo cross cultural cultura negocios